As Três Vidas

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: João Tordo
Género: Romance
Edição: Mai/2018
Páginas: 480
ISBN: 9789896656126
Editora: Companhia das Letras

 

 

 

História de amor, saga familiar, mistério policial, retrato de um mundo que ameaça resvalar da corda bamba, Três Vidas é um dos mais importantes romances de João Tordo, tendo-lhe valido o Prémio Literário José Saramago.
António Augusto Millhouse Pascal vive longe do mundo, num velho casarão alentejano, com os três netos pouco dado a regras e um jardineiro taciturno. O isolamento é quebrado pelas visitas de clientes abastados que procuram ajuda do velho patriarca, em tempos um importante espião e contra-espião, testemunha activa das grandes guerras do século XX.

O nosso narrador — um lisboeta de origens modestas - entra na história quando Millhouse Pascal o contrata como arquivista dos segredos que envolvem os seus clientes. Não poderia adivinhar o rapaz, ao aceitar o trabalho, que este acabaria por consumir a sua própria vida.
A partir do momento em que se apaixona por Camila, neta do patrão com sonhos de ser funambulista, que desaparece após uma viagem a Nova lorque, o destino do narrador enreda-se irreversivelmente nos mistérios da família, partindo a sua existência em três.

Deste autor no Segredo dos Livros:
Hotel Memória
Ensina-me a Voar sobre os Telhados
O Deslumbre de Cecilia Fluss
O Paraíso Segundo Lars D.
O luto de Elias Gro
Biografia Involuntária dos Amantes

Autor:

João Tordo nasceu em Lisboa em 1975. Formado em Filosofia pela Universidade Nova de Lisboa, trabalhou como jornalista freelancer em vários jornais. Viveu em Londres e nos Estados Unidos. Em 2001, venceu o Prémio Jovens Criadores na categoria de Literatura e, mais tarde, o Prémio Literário José Saramago 2009 com As Três Vidas (2008), tendo sido finalista, com o mesmo romance, do Prémo Portugal Telecom, em 2011. Com o romance O Bom Inverno, publicado em 2010, foi finalista do prémio Melhor Livro de Ficção Narrativa da Sociedade Portuguesa de Autores e do Prémio Literário Fernando Namora; a tradução francesa integrou os finalistas da 6.ª edição do Prémio Literário Europeu. Da sua obra publicada constam ainda os romances: O Livro dos Homens sem Luz (2004), Hotel Memória (2007), Anatomia dos Mártires (2011), finalista do Prémio Literário Fernando Namora, O Ano Sabático (2013) e Biografia Involuntária dos Amantes (2014). Os seus livros estão publicados em sete países, incluindo França, Itália e Brasil.

Visite o blogue do autor joaotordo.blogs.sapo.pt

Comentários  

 
#1 Sebastião Barata 2018-07-31 20:06
Tenho este livro na estante desde 2009, ano em que foi galardoado com o Prémio José Saramago. A edição é a do Círculo de Leitores, cuja Fundação patrocina o referido Prémio. Sair agora uma nova edição foi a ocasião de concretizar o desejo de o ler que sentia há muito.

Sendo embora uma das primeiras obras publicadas por João Tordo, este livro já apresenta tudo aquilo que vemos nos seus livros posteriores, nomeadamente a solidão mental do protagonista (mesmo entre multidões de pessoas); a capacidade de meditação e reflexão das personagens sobre o sentido da vida; jovens cuja vida é condicionada e condimentada pela experiência e pelos traumas de outras pessoas, geralmente idosas, com as quais a sua vida se cruza; personalidades, amizades e amores invulgares, fora do comum e que fogem às regras. Estará a formação filosófica do autor na base da criação destas personagens e das tramas incomuns que atravessam as suas obras? Se repararmos bem, aparecem sempre nos seus romances ilhas quase desertas, quintas isoladas, territórios inóspitos, até barcos perdidos no mar imenso. Há sempre alguém cuja vida foi estilhaçada por drogas, álcool ou guerras; pessoas com traumas de infância, acidentes ou vítimas de violência; acasos improváveis que se tornam condicionantes incontornáveis para as personagens.

Sobre a trama romanesca, pouco há a acrescentar à sinopse acima reproduzida que, na minha opinião, já revela mais do que seria conveniente, pelo que me abstenho de dar mais pormenores. Só acrescento que o livro começa por avisar o leitor de que é o produto do esforço feito pelo narrador para, muitos anos depois dos acontecimentos dramáticos aqui relatados, explicar o que na realidade ocorreu, para se ilibar, assim como às outras personagens centrais, das acusações que sobre elas pendem e mostrar como se chegou a acontecimentos que têm uma explicação lógica, mas, vistos por quem não os viveu, parecem condenáveis, desde o consumo de drogas a assassínios.
Ora, não poderia haver melhor preâmbulo para captar a atenção do leitor. João Tordo cumpriu assim da melhor forma a regra que diz que romance que não prende na primeira página, não vale o esforço de continuar a leitura. Qual é o leitor que, depois de lhe serem apresentadas pessoas cheias de segredos, cujos atos são no mínimo suspeitos, uma casa situada numa quinta perdida na campina alentejana onde acontecem coisas estranhas, visitas que entram e saem no maior secretismo, não fica imediatamente apanhado nas malhas lançadas pelo autor?!

Mas este livro conta-nos também uma bela história de amor. Não passa de um amor platónico, mas é de tal modo forte que vai condicionar a vida do nosso narrador e o vai assombrar para sempre.

Outra característica de que gostei muito neste livro foi a narração sequencial dos acontecimentos. Depois do "início" atrás referido que não chega a ocupar quatro páginas, tudo vai ser apresentado sob a forma de uma narrativa sequencial, a começar pela contratação do narrador para um emprego enigmático do qual nada sabe, a não ser um intrigante anúncio de jornal com 8 palavras que nada dizia, mas, talvez por isso mesmo, despertava a atenção dos candidatos com o perfil adequado para ocupar o lugar. Lá mais para o final, o misterioso António Augusto Millhouse Pascal vai contar-nos algumas passagens da sua fantática vida, mas de tal modo integradas na narrativa, que não lhe podemos chamar flashbacks. São, sim, pormenores que vêm lançar à história alguma da luz necessária à melhor compreensão dos acontecimentos narrados, embora nunca cheguemos a saber quem ele é na atualidade: espião, traficante ou, pelo contrário, psicólogo, psiquiatra, hipnotista ou um simples aposentado que ajuda antigos companheiros das suas múltiplas e tumultuosas vidas passadas?

Parece-lhe uma história muito complexa? Não é tanto assim. Na verdade, acaba por ser um livro de leitura simples, com uma escrita linear e escorreita, e com uma história absorvente e cheia de mistérios para desvendar, que prende o leitor do início ao fim.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • As Três Vidas
    Tenho este livro na estante desde 2009, ano em que foi galardoado com o Prémio José Saramago. A edição ...
  • 31.07.2018 20:06
  • 1001 Coisas que Nunca te Disse
    Confesso que nunca li qualquer livro de Pedro Chagas Freitas. Mas tenho lido muito sobre os seus ...
  • 12.07.2018 22:54
  • Quem Meteu a Mão na Caixa
    Eu, que fui empregado da Caixa Geral de Depósitos de 1973 até à aposentação em 2005, mais de 32 anos ...
  • 04.07.2018 22:16

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Quando lemos, conseguimos viajar para muitos lugares, encontrar muitas pessoas e conhecer o mundo. Também podemos aprender a lidar com os problemas que tenhamos, instruindo-nos com as lições do passado."
Nelson Mandela