Bons Sonhos, Meu Amor

FaceBook  Twitter  

 

 

 

 

Autora: Dorothy Koomson
Edição: 2009
Páginas: 448
ISBN: 9789720041111
Editora: Porto Editora

 

 

Arriscaria tudo por amor?
Nova Kumalisi faria qualquer coisa pelo seu melhor amigo. Ela deve-lhe a vida.
Por isso, quando ele lhe pede que seja mãe de substituição do seu filho e, apesar de saber que corre o risco de perder a amizade, Nova aceita.
Oito anos mais tarde, Nova está a criar o filho de Mal sozinha, porque a mulher dele mudou de ideias, escassos meses antes de a criança nascer, assim destruindo a relação entre os dois amigos.

Agora, Leo, o filho de ambos está gravemente doente. Nova quer que Mal conheça o filho antes que seja demasiado tarde.
Na tragédia descobrirão o quanto significam um para o outro.

Da autora dos best-sellers nacionais:
A Filha da Minha Melhor Amiga
Pedaços de Ternura

No dia 23 de Abril de 2009, a Porto Editora publica Bons Sonhos, Meu Amor, o novo romance de Dorothy Koomson, autora de grande sucesso em todo o mundo e também em Portugal, onde as duas obras anteriores já venderam mais de 80 mil livros. O terceiro livro representará, seguramente, o terceiro sucesso.
Trata-se do consolidar da aposta da Porto Editora, por via da Divisão Editorial Literária do Porto, numa autora que conquistou milhares de leitoras logo na estreia em Portugal, com A Filha da Minha Melhor Amiga – já vendeu mais de 50 mil exemplares – e que solidificou prestígio com a publicação de Pedaços de Ternura – com cerca de 30 mil livros vendidos em 2008.
Descrita como tocante e densa em termos emocionais, a escrita de Dorothy Koomson cria cenários que proporcionam uma reflexão sobre as vivências humanas (os desafios da amizade, a inexorabilidade da morte, a força do amor…). A britânica é já, sem qualquer dúvida, um dos nomes de referência da literatura vocacionada para o público feminino.
A Porto Editora prepara, também, a publicação dos primeiros livros da autora do já incontornável A Filha da Minha Melhor Amiga – a chamada backlist – sendo que um deles sairá ainda em 2009.

Autora:

Apaixonada desde sempre pela palavra escrita, Dorothy Koomson escreveu o seu primeiro romance aos 13 anos. A filha da minha melhor amiga foi o seu primeiro livro editado em Portugal. A história comovente de duas amigas separadas pela mentira e unidas por uma criança encantou as leitoras portuguesas. Pedaços de ternura, Bons sonhos, meu amor, O amor está no ar, Um erro inocente, Amor e chocolate, O outro amor da vida dela e A Praia das Pétalas de Rosa foram igualmente bem-sucedidos, consagrando a autora como uma referência para os leitores.

Descubra mais em www.dorothykoomson.co.uk e visite a página portuguesa do Facebook.

Comentários  

 
#4 Maria João 2009-08-03 18:35
Mostra-nos como se pode fazer tudo por uma amizade e como para algumas pessoas a amizade é o mais importante. gostaria que o final tivesse sido diferente mas também esteve bem assim, pelo menos foi supreendente
 
 
#3 Roberta Gonçalves 2009-06-13 11:24
Li este livro de uma assentada! Fiquei completamente "agarrada" a ele logo nas pimeiras páginas, não podendo interromper a sua leitura por muito tempo seguido.
É inevitável, sendo mãe, não sentir esta história até ao mais profundo do nosso ser.
Nunca achei que teria vocação para mãe, nunca fui "assaltada" por aquele tão falado instito maternal como alguma das minhas amigas antes de ter a minha filha e ao ler esta história recuei atrás no tempo e recordei a minha gravidez... Um bebé a crescer dentro de nós é algo que nos transforma na totalidade! Abdicar do meu bebé!?!?!?! Acho que não seria capaz, nem sequer pela minha irmã ou irmão.
Nova estava disposta a isso para que Mal, seu amigo de infância fosse totalmente feliz, mesmo sabendo que essa Felicidade não seria partilhada com ela, mas para ela o facto de o seu grande Amigo e Amor ser feliz era o bastante.
As coisas não foram assim e Nora ficou com o seu Filho, passou por tudo sózinha até practicamente ao final.
Confesso que de todas as surpresas que o livro nos vai apresentando, a que eu mais queria não aconteceu, o que me fez chorar e chorar coisa que a própria Nova não fez... A partir de agora eu mesma vou pensar 2 vezes antes de empregar as palavras "nunca mais..." porque realmente quando as dizemos não sabemos o seu real significado.
Mais uma vez, como no sei 1º livro "A Filha da Minha Melhor Amiga", a autora mostra o que é de facto Ser Mãe, não só no papel de Nova, mas também no de Tia Mer que pouco aparece na história, mas a sua participação é bem marcante.
Adorei também as pequenas passagens sobre Leo, pequenas atitudes de criança que enchem o coração de uma Mãe!
O final é surpreendente e adorei o novo porto de abrigo de Nova, realmente um bom sitio para começar uma vida nova... com Dolly ;-)
Uma leitura que recomendo a todos!
 
 
#2 Filipa 2009-05-26 14:50
Como sempre, Dorothy Koomson consegue surpreender-nos . O livro inteiro foi uma surpresa completa.

Gostei da escrita, a maneira como a narração deste história é feita pelas duas mulheres.
É um livro que nos faz pensar. A ideia de alguém que é capaz de aceitar ter um filho para o dar à pessoa mais importante na sua vida faz-nos questionar aquilo que estaríamos dispostos a fazer - e a abdicar - por essa pessoa.
A amizade de Nova e Mal é fascinante. Eles compreendem-se melhor que ninguém mas ao mesmo tempo nunca foram capazes de perceber exactamente os sentimentos que nutriam um pelo outro. O livro dá-nos a sensação de que, nesse "campo, estiveram sempre desencontrados.
O Mal apoia sempre a mulher, o que não deixa de ser admirável, mas pondo em causa a sua felicidade e a da sua família. Sente a responsabilidad e de cuidar de Steph.
Steph é demasiado insegura para o meu gosto. Acho que as pessoas devem saber quando se afastar, e senti desde a primeira página que Steph queria ficar com Mal, correndo mesmo o risco de o perder, não para outra pessoa, mas para si próprio.

Gostei muito do livro. A escritora podia ter feito um fim diferente, mais previsível, e ainda bem que não o fez. Como já tinha escrito no início é uim livro que surpreende e nos faz pensar (ou repensar) os nossos limites: O que seríamos capazes de fazer por outra pessoa?
 
 
#1 Ana 2009-05-08 15:56
Gostei!

É um livro emotivo, mas sem ser lamechas.

É um livro que nos faz olhar para a amizade, para a maternidade e para o amor com outros olhos.

A amizade entre Nova e Mal é muito pura. Basta um olhar entre eles, para saberem o que sentem, o que quer dizer, mas sem ser preciso usar as palavras.

O que a Nova fez por Mal e Steph foi qualquer coisa de extraordinário, qualquer coisa impossível, mas ela queria a felicidade deles e fê-lo com o coração aberto, mesmo tendo consciência o quanto seria doloroso para si.

A parte final partiu-me o coração...deve ser uma dor muito grande...
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • O Último Cabalista de Lisboa
    Consegui, finalmente, ler este livro que foi o primeiro romance de Richard Zimler. Publicado em 1996 ...
  • 07.04.2019 23:56
  • A Última Ceia
    Islamismo, Judaísmo, Cristianismo... O que se segue? Depois da trilogia "O Espião Português", Nuno ...
  • 03.03.2019 20:18
  • Seja Feita a Tua Vontade
    Seja feita a tua vontade é um romance, mas, ao mesmo tempo, uma reflexão sobre a nossa sociedade atual ...
  • 21.02.2019 18:05

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“Em geral quando termino um livro encontro-me numa confusão de sentimentos, um misto de alegria, alívio e vaga tristeza. Relendo a obra mais tarde, quase sempre penso: não era bem isto o que queria dizer.”
Érico Veríssimo