Carlos Teixeira da Mota: O Primeiro Diplomata Português em Luanda – (Junho de 1975 – Maio de 1976)

Autor: António Duarte Silva
Género: Política Internacional
Edição: Nov/2020
Páginas: 432
ISBN: 9789896715830
Editora: Tinta da China

 

 

O processo de descolonização de Angola pelo olhar privilegiado de um diplomata em funções oficiais
Em Junho de 1975, Carlos Teixeira da Mota (1941-1984) partiu para Luanda com a missão de preparar a Embaixada que passaria a representar Portugal após a independência de Angola, marcada para 11 de Novembro desse ano, e por lá ficou em funções oficiais até Maio de 1976. Tornou-se, assim, um observador privilegiado de um momento único na história e de um complexo e muito específico processo de descolonização. Registou tudo no seu diário, em cartas e dossiês cheios de recortes de imprensa e até telegramas oficiais, que já ambicionava transformar em livro – um desiderato que agora se cumpre, como «um puzzle gigantesco que se tenta lenta e cuidadosamente construir – a minha interpretação de Angola».

António Duarte Silva

António Duarte Silva (Arouca, 1944) é investigador associado do Instituto de História Contemporânea da UNL. Mestre em Direito pela Faculdade de Direito de Lisboa, foi diretor de Serviços do Tribunal Constitucional e professor auxiliar convidado do Departamento de Estudos Políticos da FCSH da UNL. Autor de vários artigos sobre direito constitucional, direito colonial e descolonização, publicou os seguintes livros: A Independência da Guiné-Bissau e a Descolonização Portuguesa (1997), Amílcar Cabral – Documentário (2008), Invenção e Construção da Guiné-Bissau (2010) e O Império e a Constituição Colonial Portuguesa (1914-1974) (2019).

0 comentários
2 likes
Anterior: Desenvolver Portugal – Reflexões em tempo de pandemiaSeguinte: Quando eu era Pequenina

Comentar