Cinco de Outubro

FaceBook  Twitter  

Autor: Lourenço Pereira Coutinho
Edição: Fev/2010
Páginas: 280
Editor: Sextante Editora

Junho de 1910: D. Manuel II enfrentava nova crise governamental, após a queda do ministério Veiga Beirão. Entretanto, revolucionários e carbonários organizavam reuniões desencontradas, para o derrube da monarquia. Cinco de Outubro acompanha os percursos dos principais protagonistas da época - D. Manuel II, Teixeira de Sousa, Afonso Costa, Machado Santos -, que se cruzam com personagens ficcionados, numa narrativa de intensidade crescente que culmina nos dias da revolução republicana: 3, 4 e 5 de Outubro.
Autor:
Lourenço Pereira Coutinho nasceu em Lisboa em 1973 e é licenciado em História. Trabalhou no Protocolo da Expo’98, foi técnico superior da Direcção de Comunicação do ICEP e assessor da ministra da Educação do XVI Governo Constitucional. Actualmente, e para além da escrita, dirige e participa em projectos editoriais e de comunicação. É autor do ensaio Do Ultimato à República (2003) e dos romances Na Sombra de João XXI (2006), Fim d’ Época (2007) e Baile de Máscaras (2008).

Comentários  

 
#1 Sebastião Barata 2010-03-08 18:36
Mais do que um romance histórico, este é um livro de história romanceada, como diz a cinta que o envolve. De facto, narra os acontecimentos que ocorreram de Junho a Outubro de 1910 em Portugal, que culminaram com a proclamação da República. O autor envolve as personagens reais com personagens fictícias, que vêm dar à narrativa o seu ar de romance. Uma delas é a namorada secreta do jovem rei, D. Manuel II, a parisiense mademoiselle Gaby Deslys.
É um livro muito interessante, para conhecermos uma época da nossa história, cujo centenário se comemora este ano. Os acontecimentos são narrados de uma forma cronológica, o que facilita a sua compreensão. Os capítulos são, de uma forma geral, muito curtos, como flashes do que vai sucedendo, o que também ajuda a leitura.
Vemos com clareza quais as forças em confronto e as suas manobras para manter ou conquistar o poder. Afinal, a Monarquia não caiu, mas caducou, extinguiu-se, como o livro bem demonstra. As forças que o deviam apoiar desgastavam-se em lutas de facções e os descontentes, tanto nobres, como militares, burgueses ou povo anónimo, agarraram a oportunidade de mudança que apareceu. Não houve um verdadeiro mérito dos Republicanos no sucesso da intentona. Aliás, no próprio dia 5 de Outubro, se começaram a desenhar as lutas e tentativas de assalto ao poder que minaram a primeira república, conduziram o país à bancarrota e abriram o caminho à ditadura.
Um livro agradável, uma história ligeira, que se lê de um fôlego.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • A Ilustre Casa de Ramires
    NOTA: Este comentário contém spoilers (*** não leia se pretender ainda ler o livro ***) Após 2 ou ...
  • 28.06.2020 09:42
  • Imortal (José Rodrigues dos Santos)
    Acabei (finalmente) de ler o mais recente livro de José Rodrigues dos Santos - Imortal que trata de um ...
  • 01.06.2020 23:30
  • O Túmulo do Mestre
    Ótimo livro para se ler num fim de semana! Li-o em duas tardes. Os capítulos não são grandes, pelo ...
  • 19.04.2020 19:03

Últimos Tópicos

    • Navia
    • Navia, nascida no ano 410 D.C, época em que a Lusitânia encontra-se instável...
    • há 1 dia 17 horas
    • Navia
    • Navia Navia, nascida no ano 410 D.C, época em que a Lusitânia encontra-se...
    • há 1 dia 17 horas

Uma Pequena Palavra...

 "Há mais do que uma maneira de queimar um livro. E o mundo está cheio de pessoas que correm de um lado para o outro com fósforos acesos".
Ray Bradbury in Fahrenheit 451