Conta Comigo

FaceBook  Twitter  

Autor: Jorge Bucay
Edição: Abr/2010
Páginas: 264
Editora:
Pergaminho

«Gaby estava de pé, diante da janela; as ondas do seu cabelo ruivo caíam-lhe sensualmente pelas costas, vestia uma das minhas camisas enquanto tomava um café e olhava para a rua sem ver.
Parecia um quadro, uma beleza perfeita, uma obra de arte fictícia e imóvel. (...)
Pela primeira vez, dei-me conta ao vê-la que aquela mulher inverosímil nunca se daria por vencida.
Gaby, que explicitamente tinha vindo para dizer que queria os papéis do divórcio, lá no fundo nunca aceitaria a nossa derrota... Ou deveria dizer o nosso fracasso...?
Não. Derrota é a palavra.
Porque a nossa relação fora sempre uma batalha, uma longuíssima guerra de anos, que nos custava terminar.»

Quando o amor tem de enfrentar a pressão do dia-a-dia, o peso do tempo e o desgaste do desencanto, será capaz de sobreviver? Se sobreviver, será ainda amor… ou algo ainda mais complexo? E se não sobreviver, será possível voltar a amar? Conta Comigo, o novo best-seller de Jorge Bucay, é um romance comovente e divertido que demonstra como, apesar do passar dos anos, nunca paramos de crescer, de aprender e de evoluir.
Passaram-se vinte anos e Damião, o inesquecível protagonista de Deixa-me Que Te Conte... (Pergaminho, 2004) já tem quase quarenta anos. Há muito tempo que deixou de ter contacto com «O Gordo», o psicoterapeuta que lhe ensinou a enfrentar os dilemas da vida com a magia dos contos. Mas, chegado à meia-idade, Damião entra em crise. O seu casamento falhou e tem de começar uma nova vida. Por motivos profissionais, vê-se obrigado a sair do seu país, a relação com a sua família dá uma reviravolta e aparece na sua vida uma mulher muito importante... Damião volta a procurar a ajuda de Jorge mas, desta feita, terá de confiar mais nos seus próprios recursos.

Autor:
Jorge Bucay nasceu em Buenos Aires, em 1949. É psiquiatra e psicoterapeuta e exerce a sua profissão na Argentina, no México e em Espanha, dirigindo cursos de psicologia da vida quotidiana bem como grupos de reflexão para empresas e particulares. É autor de diversos livros de contos, romances, e livros de psicologia e desenvolvimento pessoal, todos grandes sucessos de vendas em Espanha e na América Latina. Recorrendo à sabedoria tradicional de contos, fábulas, mitos e lendas, bem como às mais recentes descobertas na área da psicoterapia, Jorge Bucay tem uma abordagem única e cativante do espírito humano. O seu estilo acessível, com tanto de humor como de intuição, aliado a uma profunda compreensão da psique humana, cativou milhões de leitores em todo o mundo. Quando é confrontado com o enorme sucesso da sua obra, Jorge Bucay responde: «Escrevo apenas livros para pensar.»

Comentários  

 
#1 Helena 2010-04-15 15:11
Há livros que parece que não somos nós que os escolhemos, mas eles que nos encontram. Este surgiu no momento certo.
Através da história do Damião, que procura o seu psicoterapeuta "Gordo" para compreender e superar o desassossego que o aflige, percebi que a narrativa e os diálogos ora sérios, ora divertidos, me envolviam e não estava a ler apenas para me distrair ou sonhar.
Os maravilhosos contos do "Gordo" me impeliram para alguma introspecção e reflexão sobre afectos, relações/ "ralações", escolhas, bloqueios/ medos. O modo como vivemos.
Penso, que muito do que li guardei para sempre recordar. Este livro não me deixou indiferente.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • A Última Ceia
    Islamismo, Judaísmo, Cristianismo... O que se segue? Depois da trilogia "O Espião Português", Nuno ...
  • 03.03.2019 20:18
  • Seja Feita a Tua Vontade
    Seja feita a tua vontade é um romance, mas, ao mesmo tempo, uma reflexão sobre a nossa sociedade atual ...
  • 21.02.2019 18:05
  • A Noite Passada
    Este livro é o meu primeiro contacto com a autora, porque não a conheço pessoalmente, nem li qualquer ...
  • 24.01.2019 23:01

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“Você deve escrever o livro que quer ser escrito. E, se for um livro muito difícil para crescidos, então escreva-o para crianças.” 
Madeleine L’Engle