Corja maldita

FaceBook  Twitter  

 



Autor: Pedro Almeida Vieira
Edição: Abr/2010
Páginas: 224
ISBN: 9789896760311
Editora: Sextante

 

 

Na segunda metade do século XVIII, a todo-poderosa Companhia de Jesus vê-se envolvida pelo futuro marquês de Pombal no processo dos Távora, em França torna-se um alvo a abater pelos jansenistas parisienses e em Espanha é transformada em bode expiatório no rescaldo de um motim. Em 1773 acabaria suprimida pelo papa Clemente XIV, após um conclave envolto em corrupção. Tudo isto se retrata neste livro.
Estamos então perante um romance histórico?
De acordo com o editor: sim, definitivamente.

Segundo o narrador, que se assume afinal como o verdadeiro autor: não, é uma crónica verídica.
Para a alma penada do padre Gabriel Malagrida, é uma reputada heresia; este livro deveria ser queimado... Queimado?! Não, guilhotinado... e jamais lido.
O (presumido) autor não confirma nem desmente.
Na dúvida, será uma cornucópia de criatividade e imaginação.
Face ao estilo adoptado no novo romance, os exemplares de Corja maldita terão aposto um Literature Advisory.

Autor:

Pedro Almeida Vieira nasceu em Coimbra em 1969, viveu a sua juventude em Anadia e reside em Lisboa. Licenciado em Engenharia Biofísica na Universidade de Évora, divide o seu tempo entre o jornalismo, a investigação académica e a escrita. Entre outros periódicos, colaborou na revista Grande Reportagem e no semanário Expresso. Além de ensaios na área ambiental, publicou quatro romances (Nove Mil Passos, O Profeta do Castigo Divino, A Mão Esquerda de Deus e Corja Maldita), dois volumes de narrativas históricas (Crime e Castigo no País dos Brandos Costumes e Crime e Castigo – O Povo Não É Sereno) e diversos contos em revistas ou antologias.

Pode seguir o autor na sua página do Facebook.  https://www.facebook.com/pedroalvieira

Comentários  

 
+7 #2 Maria João 2010-07-17 20:11
Um romance histórico, sem dúvida bastante diferente.
Primeiro, o início, a identificação ou não do autor, bastante original sem dúvida.
Depois o narrador, que é Satanás que conversa, por mais incrível que pareça, com os restos mortais de um padre jesuíta.
 
 
+10 #1 Sebastião Barata 2010-07-13 23:43
Um romance histórico diferente de tudo o que já li até agora!
O ponto central é a expulsão dos jesuítas de Portugal e de outros países, no tempo do Marquês de Pombal (que ainda era só Conde de Oeiras na época). Conta as manobras e falsidades de que a toda poderosa Companhia de Jesus foi vítima, para conseguirem desacreditá-la e levar o Papa a suspendê-la. Em qualquer dos países, os jesuítas foram as vítimas mais ou menos inocentes, mas sempre as mais adequadas, para que quem governava se visse livre de inimigos, arrastados na voragem como apoiantes da corja maldita dos “corvos negros”, que eram os padres da Companhia de Jesus.
O mais interessante é que o narrador principal é o diabo, que dialoga com os ossos do Padre Malagrida, jesuíta e principal opositor do todo-poderoso ministro. O diálogo acontece na actualidade, 250 anos depois dos acontecimentos narrados. Satanás ataca a Companhia e Malagrida defende-a com unhas e dentes. Um pormenor interessante é que o jesuíta trata o diabo por todas as alcunhas possíveis e imaginárias, cobrindo todas as letras do alfabeto de A a Z (azucrim, beiçudo, canhoto, dianho, excomungado, fute, etc. para além das mais conhecidas, como satanás, mafarrico, demónio e outras).
Uma maneira de contar coisas muito sérias, de uma forma lúdica e muito agradável de ler.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Pão de Açúcar
    Faz agora em fevereiro catorze anos que se deu um acontecimento que apaixonou o País e deixou os ...
  • 02.02.2020 22:44
  • Budapeste
    Este livro fala de uma profissão que muitos podem considerar ficção, mas é muito real e mais vulgar do ...
  • 18.01.2020 23:22
  • A Luz de Pequim
    Apesar de ter vários livros do autor na estante, ainda não tinha tido a oportunidade de ler qualquer ...
  • 15.01.2020 13:56

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Não ler, pensei, era como fechar os olhos, fechar os ouvidos, perder sentidos. As pessoas que não liam não tinham sentidos. Andavam como sem ver, sem ouvir, sem falar."
Valter Hugo Mãe in Desumanização