Das Origens

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Pedro Estorninho
Género: Contos
Edição: Mai/2019
Páginas: 90
ISBN: 9789728140731
Editora: Página a Página

 

 


Pedro Estorninho diz nestes contos a bestialidade que habitou o país durante os consulados sinistros de Salazar e Caetano, em particular o Alentejo e o seu povo, ferindo-os com estilete mais fundo e demoradamente do que em outras parcelas do território. Também os sabores, os cheiros, a telúrica imaginação e as manhas que permitiram a esse povo sobreviver e resistir à fome, à violência árida da terra e dos algozes, à ganância dos agrários.

O abandono, a solidão que as grandes distâncias acentuam, um sufoco sob inclemente sol, os velhos, que são bibliotecas vivas, povoando uma paisagem desolada e agreste, de cardos e estevas, onde a chuva não cai. Chão magro onde as crianças «nascem por engano». O latir dos cães a inquietar a placidez do montado, as sevícias da PIDE num Alentejo a ferro e fogo, sombras de delatores, ignomínia e morte, mas também de coragem, de homens íntegros degolando o medo e inventando, com a frágil argamassa das noites de sonhos colectivos justos, o futuro possível.
Do prefácio de Domingos Lobo

Autor:

Pedro Estorninho é um ator, encenador e dramaturgo português. Desde 1995 trabalhou em companhias e espaços de criação nacionais e estrangeiros. A Barraca, Teatro da Trindade, Fábricas de Peças, Companhia de Teatro de Sintra, Protolab, Companhia de Teatro de Portel, Panmixia, Satyros (Brasil), Teatro Comunale Benevento (Itália), Theatre Repetition (França), entre outros.
Em Maio de 2006 foi ator convidado para a Opera Oratorium «Une Femme de Parole», do compositor Thierry Machuel, com encenação de Pierre Voltz (Nancy, Paris e festival Ille de France).
Como encenador/autor encenou e escreveu para Companhia de Teatro de Sintra, Teatro Art'Imagem, Companhia de Teatro de Portel, Festival Vicentino Guimarães, Festival de Artes de Monsaraz Museu Aberto, Protolab, Telemaque, Theatre Repetition, SOTAO, TEatroensaio, Teatro Bocage, CriArTeatro (Cabo-Verde), entre outros. 
É diretor artístico da companhia TEatroensaio e responsável pela revista Ensaios de Teatro.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Imortal (José Rodrigues dos Santos)
    Compro e leio os livros de José Rodrigues dos Santos que considero de ficção científica, porque gosto ...
  • 15.11.2019 22:00
  • Autópsia
    Lê-se na contrapaca deste livro que se trata de "uma arrepiante distopia, retrato de uma humanidade náufraga".
  • 21.10.2019 22:21
  • A Recriação do Mundo
    Não é segredo que a Alemanha e a URSS correram contra o tempo e contra os Estados Unidos da América para ...
  • 22.09.2019 13:21

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“E desde então decidi que a POESIA é a forma mais curta, mais doce, mais explosiva. Para que escrever um romance se é possível dizer o mesmo em dez linhas?”
Charles Bukowski