Dia Alegre, Dia Pensante, Dias Fatais

Autora: Maria Filomena Molder
Género: Ensaios
Edição: Nov/2017
Páginas: 288
ISBN: 9789896417291
Editora: Relógio D’Água

 

 

«O que estás a tentar fazer nem sempre tem bons resultados. Deita fora essa proximidade contigo, põe de lado esse feitiço da rememoração a quente. Põe o lamento na boca de outrem. Desfaz essa amizade com o teu próprio lamento. Deita pela borda fora os objectos sensíveis com os quais encheste a memória, alguns são surpreendentes, mas tens de te livrar deles e talvez te reapareçam desfigurados, macerados pelas ondas, transformados em pertenças do mar. Já não são mais teus, já não te protegem. Estão prontos para serem pastos das tuas chamas.

Assim como os tens são refractários ao fogo, não consegues transformá-los em cinzas. E é isso por que anseias, sem saberes como fazê-lo. Tenta o que te disse. Requer uma disciplina feroz, uma frieza, um desprendimento, a que terás de obedecer sem teres de te decidir. Às vezes, sem dares por nada, já começaste a experiência que, também inadvertidamente, interrompes, e de novo te prendes amorosamente às tuas lembranças. Não encostes o ouvido à concha, o segredo que ouvias foi enterrado. Agora desce entre os mortos. Ao terceiro dia, ressurreição. Isso não sei.»
Do capítulo «Motivos obrigados»
A composição de Dia alegre, dia pensante, dias fatais constitui uma amálgama, a entender, de preferência, no sentido goethiano (alquímico). Duas indicações apenas, os textos foram escritos entre 2003 e 2016, e a ordem não é cronológica.

Autor – Maria Filomena Molder

Autora:

Maria Filomena Molder é professora catedrática da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, onde foi coordenadora do Departamento de Filosofia (de Julho de 2006 a Setembro de 2007). Doutorou-se em 1992 com uma tese sobre «O Pensamento morfológico de Goethe». Entre 2003-2009 foi membro do Conselho Científico do Collège International de Philosophie, Paris.
Tem trabalhos publicados sobre problemas de estética, enquanto problemas de conhecimento e de linguagem, para revistas de filosofia e de literatura, entre outras, Filosofia e Epistemologia, Prelo, Análise, Revista Ler, Sub-Rosa, A Phala, Internationale Zeitschrift für Philosophie, Philosophica, Revista Belém, Dedalus, Rue Descartes, Chroniques de Philosophie, La Part de l’Oeil.
Principais publicações: O Pensamento Morfológico de Goethe, INCM, 1995. Semear na Neve. Estudos sobre Walter Benjamin, Relógio d’Água, 1999 – Prémio Pen- Club 2000 para Ensaio. Matérias Sensíveis, Relógio d’Água, 2000. A Imperfeição da Filosofia, Relógio d’Água, 2003. O Absoluto que pertence à Terra, Vendaval, 2005. Símbolo, Analogia e Afinidade, Vendaval, 2009. O Químico e o Alquimista. Benjamin, Leitor de Baudelaire, Relógio d’Água, 2011 – Prémio Pen-Club 2012 para Ensaio. As Nuvens e o Vaso Sagrado, Relógio d’Água, 2014. Rebuçados Venezianos, Relógio d’Água, 2016. Dia Alegre, Dia Pensante, Dias Fatais, Relógio d’Água, 2017.

0 comentários
0 likes
Anterior: De Portugal para a EuropaSeguinte: Goethe – O Eterno Amador – Tertúlia e lançamento

Comentar

Siga-nos no Facebook
Facebook Pagelike Widget
Últimos Livros Comentados
Tópicos recentes