Feitiços de Amor

FaceBook  Twitter  

 

 

 

 

Autora: Barbara Bretton
Edição: 2009
Páginas: 296
ISBN: 9789898228192
Editora: Quinta Essência

 

Parece uma vila bucólica igual a tantas outras, mas esconde um segredo antigo de todos os visitantes…
Sugar Maple é uma terra encantada habitada por feiticeiras, fadas, vampiros e outras criaturas mágicas. Chloe Hobbs é a única que não tem poderes especiais naquele lugar onde nada é o que parece.
Chloe é a proprietária da Sticks & Strings, uma popular loja de artigos de tricô. Mas é também a última descendente de uma longa dinastia de feiticeiras com o futuro de Sugar Maple nas mãos.

Chloe sabe que tem de se apaixonar para receber os poderes mágicos e continuar a proteger a sua terra natal. Mas, aos 30 anos, ainda sonha com o verdadeiro amor e as amigas decidem lançar feitiços para a ajudar a encontrar o homem dos seus sonhos. O que ninguém esperava era que Chloe se apaixonasse perdidamente por Luke MacKenzie, o polícia destacado para investigar o primeiro crime ocorrido em Sugar Maple e cem por cento humano. Se o amor abre finalmente a porta aos seus poderes mágicos, esses mesmos poderes impedem Chloe de sonhar com um futuro ao lado de Luke…
Feitiços de Amor é o primeiro livro de uma nova série da autora em que o amor, a magia e o mistério se combinam e penetram na vida dos habitantes de uma terra encantada...

Veja aqui o booktrailer da edição original.

Autora:

Barbara Bretton nasceu em 1950, em Nova Iorque. É autora de cerca de quarenta romances, marcando regularmente presença na lista dos mais vendidos do USA Today. Os seus livros estão publicados em mais de vinte países, ultrapassando os dez milhões de exemplares vendidos em todo o mundo. Ao longo da sua carreira foi distinguida com vários prémios, designadamente o Reviewer's Choice Award e o Career Achievement Award, atribuídos pela revista Romantic Times.
Bretton vive em Nova Jérsia, mas gosta de passar o máximo de tempo possível no Maine com o seu marido, a passear nas praias rochosas e a sonhar com enredos para novos livros.
Saiba mais em barbarabretton.com

Comentários  

 
#15 Raquel 2011-07-05 10:39
Estando habituada a histórias em que as criaturas mágicas habitam no mundo humano e elas são as “diferentes”, nesta história Chloe é que é a humana numa terra mágica e completamente protegida da criminalidade. Por isso, esta terra não tem uma central policial, hospitais e nenhuma taxa de mortalidade.
Filha de uma bruxa com um humano, Chloe é dona de uma loja muito conhecida pelos turistas de todo o mundo, onde fabrica e dá aulas de tricô.
Livre de magia, Chloe tem de continuar o que os seus antepassados fizeram, proteger a terra com um feitiço que elimina a criminalidade, mas no entanto, não tendo magia, não o pode renovar. E por isso mesmo, Suzane, uma visitante, é assassinada não se sabe bem porquê. Aí entra Luke, um polícia amigo da vítima que se muda para a terra de maneira a investigar a sua morte.
Os habitantes tentam de tudo para esconder quem são verdadeiramente e recebem o humano contra a sua vontade, para não dar nas vistas e não revelar o segredo que tanto tentam esconder do resto do mundo.
O que ninguém esperava é que Chloe recebesse os seus poderes mágicos quando se apaixonasse, muito menos por Luke, um simples humano.
Um romance mágico e completamente cativante que eu adorei desde o início até ao fim.
 
 
#14 Inês Santos 2011-03-22 22:59
Apesar da história de Chloe me ter contentado desde o início, não me entusiasmei particularmente com a sua paixão e talento no tricô.
A este aspecto soma-se o facto da escrita de Barbara Bretton ser um pouco infantil, o que resulta numa linguagem para jovens, com um conteúdo para adultos. Claro que este conteúdo a que me refiro não se limita apenas à temática das lãs e outros tecidos, mas também a uma cena mais intima no segundo volume ou aos acontecimentos no geral da vida da personagem principal.
Em contrapartida, gostei bastante das personagens e dos cenários. Mas mesmo estas estavam um pouco sub-desenvolvid as, incluindo as ruas, a vila e as habitações, e a fisionomia de algumas personagens, tanto principais como secundárias.
Terminado o Feitiços de Amor, pensei que o livro seguinte fosse baseado em novas aventuras de Chloe. Por isso, ao ler A Magia do Amor e ao deparar-me com personagens como Isadora, Karen e Steffie, fiquei com a ideia de que estas foram criadas e inseridas na história de forma forçada.
Estas trouxeram mais cenas mágicas, e isso foi um ponto positivo no início, mas que acabou por ser negativo, visto que estas mesmas cenas se tornaram muito abstractas e confusas.
Tanto o final de um como do outro volume foram muito bem conseguidos; por isso, só me resta esperar que o próximo venha anular as opiniões negativas dos anteriores.
 
 
#13 Júlia 2011-03-06 23:09
Não posso dizer que tenha sido um grande livro, mas foi com toda a certeza um livro cheio de magia, delicioso e leve, para ler depois de alguma coisa mais complexa, e que me transportou para uma vila cheia de pessoas mágicas e ainda com um toque de romance ternurento e humor.
Delicioso!!!
Recomendo!!!
Quero
 
 
#12 Carla Faleiro 2011-01-12 10:59
Um ano começado em grande, em termos de leituras... Este livro delicioso que nos faz querer ler de uma assentada só toda a sua estória, faz com que passemos a adorar todos os seres estranhos que possam existir (ou não...).
É o romantismo ao rubro!!
 
 
#11 veronica silva 2010-11-22 12:11
Este livro é fantástico.
Uma vila aparentemente normal, mas que é habitada por vampiros, fadas, trolls e uma humana que é proprietária de uma loja de lãs e se apaixona por um polícia.
Adorei imaginar estes cenários e houve pormenores que me encantaram, como, por exemplo, as fadas deixarem um pó brilhante à sua passagem, e o facto de que, quando Chloe e Luke se tocam, saltam faíscas. É um livro óptimo para puxar pela imaginação. Posso dizer que, durante algumas horas, vivi em Sugar Maple.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“Todo o dia, devíamos ler um bom livro, uma boa poesia, ver um quadro bonito, e, se possível, dizer algumas palavras sensatas.”
Johann Goethe