Feminino Singular

FaceBook  Twitter  

 

  

 

Autora: Sveva Casati Modignani
Edição: 2008
Páginas: 400
ISBN: 978-972-0-04184-5
Editora: Porto Editora

 

 

Martina: uma figura de mulher «singular». Amada por uns e criticada por outros, toda a sua vida esteve sob o olhar inquisidor das gentes de Vertova, incluindo o das próprias filhas…
No decurso da sua existência, dos anos quarenta aos nossos dias, através das mais complicadas vicissitudes, ela tentará encontrar o caminho para atingir a sua autêntica vocação de mulher – gerar a vida. Terá três filhas, de três homens diferentes, sem desposar nenhum deles.

A sua morte súbita, nas vésperas do Natal, provocará um tremendo choque no seio familiar, e será Vienna, a sua mãe, a desvendar os mais íntimos segredos dessa mulher tão enigmática. Através do seu relato, descobriremos que afinal elas têm mais em comum do que pensavam: todas são mulheres atraentes e independentes, que amaram e se deixaram amar, e que decidiram, sobretudo, enfrentar os cânones sociais em prol de um bem maior – a maternidade.

Autora:

Reconhecida como a signora do bestseller italiano, Sveva Casati Modignani é exímia em presentear os seus leitores com histórias repletas de enredos femininos e envolventes.
As suas obras estão traduzidas em 17 países e já venderam dez milhões de exemplares. Sveva é hoje uma das autoras mais lidas em Portugal.

Sveva Casati Modignani está no Facebook em www.facebook.com/SvevaCasatiModignani
Pode também consultar svevacasatimodignani.ormedilettura.com (em italiano)

Comentários  

 
#2 Sara Sousa 2010-06-20 19:04
Neste livro sabemos logo nas primeiras páginas a história da vida de Martina. Teve 3 filhas, cada uma de um dos homens que fizeram parte da sua vida e, no final, acaba casada com o amigo/amor de infância, Leandro. Ao longo do livro, vamos saltando entre o passado e presente, conhecendo mais pormenorizadame nte a sua vida.

Neste romance, unicamente dedicado às mulheres da família, os homens tomam um papel muito secundário e pouco sabemos deles, para além do essencial.
Achei a história demasiadamente feminista e, a meu ver, faltou-lhe a crítica inerente de quem está nesta situação e vive numa aldeia!
Achei o final abrupto! As filhas de Martina assumem os seus amores antigos e pronto...
 
 
#1 Lígia Teixeira 2009-10-07 02:27
Desde 2007 que não pegava em nenhuma obra desta autora e nem eu fazia ideia das saudades que tinha de ler um livro assim, suave e aconchegante, como um cobertor macio onde nos enrolamos e esquecemos o mundo lá fora.

Antes tinha lido, Baunilha e Chocolate, Qualquer Coisa de Bom e Uma Chuva de Diamantes, e gostei de todos, mas este suplantou-os nas minhas preferências. Li-o em duas noites.

Nesta obra, deparei com uma história tão feminina e envolvente que mal me apercebi de ir virando as páginas. Quando dei por mim, o ciclo desta história familiar, de mulheres fortes, de mães e filhas, estava a fechar-se e eu com pena de ter de me "separar" daquelas personagens.

Uma bela história da força feminina, do amor materno, de aceitação e união entre várias gerações de mulheres, todas com as suas singularidades, mas mais parecidas do que pensam, com uma história familiar muito mais rica do que algumas delas imaginam.

Foi tempo a mais sem voltar a esta autora e sem dúvida que regressarei às suas obras em breve.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Hugo Chávez, o colapso da Venezuela
    Gosto de estar bem informado e não fazer juízos sem conhecimento de causa. O governo da Venezuela tem ...
  • 02.09.2019 14:09
  • Autobiografia
    "Autobiografia" , o novo romance de José Luís Peixoto, é o 3º livro que leio deste autor. Os anteriores ...
  • 18.08.2019 17:41
  • A Dama do Quimono Branco
    Com este volume, termina a saga do Samurai Negro, constituída por uma trilogia de romances históricos ...
  • 29.07.2019 17:54

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Começada um dia a leitura, impõe-se levá-la até ao fim. Assim me educaram e nessa pertinência me reconheço. Propus-me um livro? Há que lê-lo!"
Mário de Carvalho in Um deus passeando pela brisa da tarde