Fragmento

FaceBook  Twitter  

Autor: Warren Fahy
Páginas: 390
Editora: Porto Editora

Primeiras páginas: aqui

Quando a tripulação e elenco do reality show “Sealife” encontram a inexplorada ilha Henders, no Pacífico Sul, rapidamente percebem que não se trata da Lagoa Azul. Henders desenvolveu-se num total isolamento do resto do mundo, densa e habitada pelas mais exóticas e inimagináveis espécies predadoras. Enquanto os cientistas a bordo do “Sealife” se deslumbram com as descobertas, os políticos decidem se a investigação em curso compensa o risco que as criaturas da ilha podem representar para a Humanidade. É então que, a horas de se concretizar a destruição total da ilha, é descoberta vida inteligente em Henders, diferente de tudo o que alguma vez foi visto na Terra.
Os fãs dos filmes da saga Parque Jurássico e da série televisiva Perdidos vão, certamente, gostar de Fragmento. Nesta emocionante aventura, momentos de suspense e terror cruzam-se com episódios de humor e explicações científicas ao alcance dos leigos; a narrativa é fluída e coloquial e possui um ritmo que se vai intensificando até à última página.
Fragmento está nomeado para Best Science Fiction Novel 2008 e Thriller Writers Best First Novel.

Autor:
Warren Fahy foi livreiro, analista de estatística e editor de uma base de dados de vídeos. Também escreveu muitas críticas sobre filmes e, actualmente, é o principal criador de conteúdos da Wowwee, uma empresa de desenvolvimento de brinquedos robóticos de avançada tecnologia.
Vive actualmente em San Diego, California. Mais informações em: http://www.warrenfahy.com.

Comentários  

 
+1 #4 Sara Sousa 2010-12-09 00:02
Normalmente ficção científica não me costuma cativar, mas escolher este livro foi uma belíssima ideia.
Os termos técnicos e científicos estão muito presentes no início do livro e, apesar de não estar familiarizada com eles, para mim não foram um entrave. A história desenvolve-se a uma velocidade alucinante. Os esboços e as imagens no final são uma mais valia à trama, ajudando a integrar o leitor na diversidade da vida na ilha Henders. Muito bom! Recomendo vivamente!!
 
 
+1 #3 Carla Alexandra Silva 2010-09-19 22:39
Simplesmente uma das melhores obras de ficção que já li. Dono de uma originalidade única, gostei de tudo, do tema, da escrita, das personagens, achei o livro tão apelativo que nem me lembrei dos termos científicos. Gostei muito dos detalhes das gravuras, muito importante para nos envolvermos com a história. Vivi intensamente com estas personagens. Muito bom!
 
 
+1 #2 Ana 2010-07-28 23:40
Tenho de concordar com a Cátia: no início, o livro é um pouco científico, com termos que quem não conhece estranha e torna-se um pouco difícil acompanhar a história.
Depois a história começa a ser bastante intrigante. No geral gostei do livro, é cativante e prende-nos até ao fim.
 
 
+1 #1 Catia Silva 2010-06-21 18:03
No início, estava com umas certas dificuldades em acompanhar a história deste livro, pois tinha bastantes termos técnicos e científicos, muita informação que era complicada de assimilar.
Mas mais para o meio do livro, quando a acção começou a desenrolar, o livro ficou mais interessante e já não conseguíamos parar de ler, para saber qual ia ser o desfecho desta ilha perdida no tempo.
Na minha opinião este livro devia passar para as grandes salas de cinema. Fez-me lembrar o filme Avatar.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Hugo Chávez, o colapso da Venezuela
    Gosto de estar bem informado e não fazer juízos sem conhecimento de causa. O governo da Venezuela tem ...
  • 02.09.2019 14:09
  • Autobiografia
    "Autobiografia" , o novo romance de José Luís Peixoto, é o 3º livro que leio deste autor. Os anteriores ...
  • 18.08.2019 17:41
  • A Dama do Quimono Branco
    Com este volume, termina a saga do Samurai Negro, constituída por uma trilogia de romances históricos ...
  • 29.07.2019 17:54

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Não ler, pensei, era como fechar os olhos, fechar os ouvidos, perder sentidos. As pessoas que não liam não tinham sentidos. Andavam como sem ver, sem ouvir, sem falar."
Valter Hugo Mãe in Desumanização