Grácia Nasi


Autora: Esther Mucznik
Edição: Set/2010
Páginas: 208 + 16 extratextos
Editora: Esfera dos Livros

Grácia Nasi, uma judia portuguesa com uma fé inquebrantável e uma personalidade de ferro. Nos quinhentos anos do seu nascimento, este livro é uma homenagem à mulher que só a morte derrubou.

A história judaica tem mulheres extraordinárias. Da matriarca Sara à sionista Golda Meir, muitas mulheres judias fizeram história. Grácia Nasi foi uma delas. Com um carácter intocável e uma personalidade de ferro moldada pelas agruras da vida, esta mulher não teve medo de desafiar homens, papas, reis e o seu próprio destino. Nasceu em 1510 em Portugal depois de a sua família ter sido perseguida e expulsa de Espanha. Contudo não seria em Lisboa que encontraria a tranquilidade desejada. Viúva aos 25 anos, herdeira de um império comercial e de uma incalculável riqueza cobiçada por todos, Grácia Nasi torna-se numa verdadeira mulher de negócios, assumindo o seu espírito pioneiro e empreendedor, traço marcante dos sefarditas judeus/cristãos novos. Grácia Nasi percorre o mapa da Europa, passando por cidades como Antuérpia e Veneza, até chegar ao Império Otomano, onde finalmente pode praticar a sua fé às claras, sem recear qualquer perseguição. É aí que se dedica a ajudar os seus correligionários a escapar à Inquisição, apoia o estudo e o ensino religiosos, bem como a edição de Bíblias e estende a mão aos mais necessitados.

Autora:
Esther Mucznik viveu em Israel e em Paris onde estudou, respectivamente, língua e cultura hebraicas e Sociologia na Sorbonne. Membro da direcção da Comunidade Israelita de Lisboa (CIL) desde 1992 e vice-presidente desde 2000. Fundou em 1994 a Associação Portuguesa de Estudos Judaicos e é desde então membro dos seus corpos dirigentes. Estudiosa das questões judaicas, tem feito cursos e seminários sobre história e cultura judaica, liberdade religiosa e diálogo-inter-religioso, e sobre Israel e o Médio-Oriente, participado em inúmeros colóquios em Portugal e no estrangeiro e tendo publicado cerca de cinquenta trabalhos sobre estas temáticas.

1 comentários
0 likes
Anterior: AnimaisSeguinte: O Esplendor da Vida

Comentários

  • maria afonso

    Outubro 23, 2010 às 13:26
    Responder

    Gracia Nasi, nome judeu da cristã nova Beatriz de Luna conta-nos a história de um mulher que, viúva aos 25 anos e herdeira de um império comercial e de uma incalculável riqueza cobiçada por todos, se tornou numa verdadeira mulher de negócios, assumindo o seu espírito pioneiro e empreendedor, traço marcante dos sefarditas judeus/cristãos novos. Grácia Nasi percorreu a Europa, passando por cidades como Antuérpia e Veneza, até chegar ao Império Otomano, sempre tentando preservar a sua identidade como judia e sempre perseguida como costuma suceder a este povo. Chega finalmente a Istambul, onde finalmente pode praticar a sua fé […] Ler Mais...Gracia Nasi, nome judeu da cristã nova Beatriz de Luna conta-nos a história de um mulher que, viúva aos 25 anos e herdeira de um império comercial e de uma incalculável riqueza cobiçada por todos, se tornou numa verdadeira mulher de negócios, assumindo o seu espírito pioneiro e empreendedor, traço marcante dos sefarditas judeus/cristãos novos. Grácia Nasi percorreu a Europa, passando por cidades como Antuérpia e Veneza, até chegar ao Império Otomano, sempre tentando preservar a sua identidade como judia e sempre perseguida como costuma suceder a este povo. Chega finalmente a Istambul, onde finalmente pode praticar a sua fé às claras, sem recear qualquer perseguição. É aí que se dedica a ajudar outros judeus a escapar à Inquisição, apoia o estudo e o ensino religiosos, bem como a edição de Bíblias e estende a mão aos mais necessitados.É uma personagem fascinante que eu desconhecia. O livro é algo repetitivo e um pouco fastidioso, na forma como acompanha as personagens ao longo da viagem, mas é interessante, porque nos dá um retrato muito fiel e que indicia muita investigação por parte da autora. Read Less

Comentar

Siga-nos no Facebook
Facebook Pagelike Widget
Últimos Livros Comentados
Tópicos recentes