Homens do Mar

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: José António Rodrigues Pereira
Género: História de Portugal
Edição: Abr/2019
Páginas: 204
ISBN: 9789896268701
Editora: A Esfera dos Livros

 

 


Os Portugueses que se destacaram na História marítima de Portugal

Portugal está ligado ao mar desde os seus primórdios. Criada com a nacionalidade, a marinha portuguesa tem uma história que se confunde com a da Nação. Ao longo dos seus quase 900 anos de história, muitos foram os homens que se evidenciaram como navegadores, descobridores, cartógrafos, cientistas, estrategas, construtores navais. José António Rodrigues Pereira, antigo director do Museu de Marinha, apresenta-nos mais de 50 homens que foram fundamentais para a história marítima portuguesa.

De D. Fuas Roupinho, comandante das galés de D. Afonso Henriques e que foi o primeiro a obter uma vitória no mar contra os mouros, até Alpoim Galvão, oficial da Armada que se distinguiu na Guerra do Ultramar. E também figuras incontornáveis como Gil Eanes, Diogo Cão, Pedro Álvares Cabral, Fernão de Magalhães, Pedro Nunes ou os reis D. Luís I e D. Carlos.
Mas este livro resgata ainda personalidades menos conhecidas como Pedro e Jorge Reinel, considerados os melhores cartógrafos do seu tempo, Gabriel Ançã, que se destacou no socorro a náufragos, ou Afonso Júlio de Cerqueira, oficial da Armada que se notabilizou nas campanhas militares no Sul de Angola, durante a Primeira Guerra Mundial. Todos estes homens marcaram de forma inequívoca a História Marítima portuguesa pela sua experiência, modo como souberam transmitir o seu saber e a sua visão inovadora, coragem e sagacidade.

Autor:

José António Rodrigues Pereira nasceu em Lisboa em 7 de junho de 1948, entrou para a Escola Naval em 1 de setembro de 1966, sendo promovido a capitão-de-mar-e-guerra em 27 de julho de 1999. Foi professor da Escola Naval, de 1982 a 1990 e de 2006 a 2010. Esteve colocado no Departamento de Relações Bilaterais da Direção-Geral de Política de Defesa Nacional (1991-1995) e foi diretor do Museu de Marinha (2006-2010). É académico emérito da Academia de Marinha e académico honorário da Academia Portuguesa da História.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • O Túmulo do Mestre
    Ótimo livro para se ler num fim de semana! Li-o em duas tardes. Os capítulos não são grandes, pelo ...
  • 19.04.2020 19:03
  • O Túmulo do Mestre
    O escritor de "O Túmulo do Mestre" conseguiu os seus objectivos. Leva-nos a viver uma história muito ...
  • 18.04.2020 19:56
  • O Túmulo do Mestre
    Já li o livro há alguns anos. Foi um livro que li em dois dias, e o final deixa-nos na expectativa ...
  • 18.04.2020 16:48

Últimos Tópicos

    • Há procura de opiniões
    • Boms dias a todos, Envio um inicio de livro que para aqui tenho já há talvez...
    • há 1 semana 7 horas
    • o final tem um ritual
    • O meu ritual é uma tortura, mas pra um TOC. Eu tenho que ler o final várias e...
    • há 2 semanas 3 dias
    • Frecha
    • - Frecha, toda a magia tem um preço, sabes disso. Tens a certeza que queres...
    • há 1 mês 3 semanas
    • Frecha (Saga "Os castros")
    • "- Frecha, toda a magia tem um preço, sabes disso. Tens a certeza que queres...
    • há 1 mês 3 semanas

Uma Pequena Palavra...

"Algumas obras morrem porque nada valem; estas, por morrerem logo, são natimortas. Outras têm o dia breve que lhes confere a sua expressão de um estado de espírito passageiro ou de uma moda da sociedade; morrem na infância. Outras, de maior escopo, coexistem com uma época inteira do país, em cuja língua foram escritas, e, passada essa época, elas também passam; morrem na puberdade da fama e não alcançam mais do que a adolescência na vida perene da glória. Outras ainda, como exprimem coisas fundamentais da mentalidade do seu país, ou da civilização, a que ele pertence, duram tanto quanto dura aquela civilização; essas alcançam a idade adulta da glória universal. Mas outras duram além da civilização, cujos sentimentos expressam. Essas atingem aquela maturidade de vida que é tão mortal como os Deuses, que começam mas não acabam, como acontece com o Tempo."
Fernando Pessoa, in Heróstrato