Hotel du Lac

FaceBook  Twitter  

 

 

  

 

 

Autora: Anita Brookner
Edição: Mar/2011
Páginas: 200
Editora: Bertrand Editora

Edith Hope escreve romances de amor usando um pseudónimo, mas quando a sua vida se começa a parecer com as intrigas dos seus romances, Edith é enviada pelas amigas para a Suíça, onde o sossego e o luxo do Hotel du Lac prometem ajudá-la a recuperar o juízo. Contudo, será que aquele homem é a reviravolta de que a sua vida de solteira necessita?  Muito bem pensado, perspicaz e divertido, Hotel du Lac representa Brookner no auge do seu estilo e muito subversiva. Valeu-lhe o Booker Prize.

Autora:
Anita Brookner nasceu em Londres e licenciou-se em História da Arte, tendo-se especializado na pintura dos séculos XVIII e XIX. Foi a primeira mulher distinguida com o cargo de slade professor na Universidade de Cambridge. Crítica de arte conceituada, é autora de vários trabalhos publicados sobre o tema.
A partir dos anos 80, enveredou pela literatura, tendo rapidamente sido considerada uma das maiores escritoras contemporâneas do Reino Unido. O seu romance "Hotel du Lac" foi galardoado, em 1984, com um dos mais prestigiantes prémios literários, o Booker Prize. Comparada frequentemente a Jane Austen ou Virginia Woolf, as personagens dos seus romances são quase exclusivamente femininas: são, em geral, mulheres que, após terem recebido uma educação tradicional, se vêem confrontadas com um mundo em perfeita mudança que lhes atribui um papel para o qual, nem sempre estão psicologicamente preparadas para assumir.
Da sua bibliografia merece referência "Hotel du Lac", "Providence", "Fraude e Visitas" e "A Baía dos Anjos".

Comentários  

 
#3 Sandra 2011-07-07 10:48
Esta autora é absolutamente impecável ao descrever a condição humana e o mundo feminino.
A protagonista, Edith, é quase como que obrigada por amigos bem intencionados a passar uma temporada num hotel remoto na Suíça.
Isto acontece porque Edith ousou abandonar o bom, mas aborrecido noivo no altar, esperando com isso ter algumas hipóteses com o seu amante que é um homem casado. O escândalo é inevitável.
Aquando da sua chegada ao Hotel du Lac, pensamos que Edith se vai tornar reflexiva e aproveitar bem esta tempo para pensar na sua vida e acalmar os seus ímpetos sentimentais.
Era o que se esperava acontecer num Hotel calmo, com pessoas simples e sem grandes confusões. Mas por vezes, no oceano mais calmo, é onde se encontram os maiores icebergues (que o diga o Titanic).
Edith envolve-se novamente com um homem rico mas chato quase apático que a pede em casamento, quase como se de um contrato entre amigos se tratasse.
Mas as surpresas que a natureza humana revela impedem que Edith tenha o final que esperamos.
Este é um livro sobre as tristezas e desilusões que temos quando queremos o que não temos e ignoramos o que já temos: alcançar o inalcançável.
Livro vencedor do Booker Prize em 1984.
 
 
#2 Patrícia Matos 2011-05-26 21:37
Edith Hope é uma escritora de romances muito bem sucedida. Depois de desistir de se casar no próprio dia do seu casamento, deixando o seu noivo e amigos envergonhados e ofendidos, uma amiga sugere-lhe umas breves férias.
Hotel du Lac foi o destino escolhido para Edith fazer uma recuperação adequada perante a sociedade, pelo ultraje que cometera. O Hotel é um lugar tranquilo, um autêntico cenário de paz, mas, quanto mais o silêncio a envolvia, mais pensava em David. O homem por quem se apaixonara, o seu amante, mas infelizmente casado e com filhos. Era-lhe difícil sair da depressão e encontrar paz interior e esquecer o lapso infeliz que a levara aquele breve exílio.
Edith Hope sempre fora uma mulher antiquada em relação ao amor e, por isso mesmo, suspeitava ficar solteira para sempre.
No Hotel, foi conhecendo e interagindo com os hóspedes, pessoas de diferentes posições sociais. Conhece o senhor Neville, um homem gracioso, elegante e inteligente, que lhe dá uma oportunidade de recuperar a sua reputação e deixar de ser solteira.
Hotel du Lac de Anita Brookner foi a primeira obra que li da autora. É um livro muito bem escrito, de forma selecta, requintada e formal. Um romance diferente, profundo e perspicaz.
Não foi das minhas leituras preferidas. A personagem principal e o jogo social entre os protagonistas não me cativaram o suficiente para conseguir me apaixonar pelo livro.
A graciosidade da escrita da autora foi o que mais me impressionou e certamente irei voltar a ler outra obra da autora.
 
 
#1 Helena 2011-04-19 21:44
Maravilhoso romance.

O Hotel du Lac é um hotel muito peculiar, à beira do respeitável e tranquilo lago de Genebra, onde Edith Hope passa uma temporada no fim da época em exílio voluntário forçado.

A história escrita numa prosa elegante e requintada é sobre uma mulher à procura de si mesma, do amor e da aceitação, em que toda a envolvência é um convite à introspecção, auto-análise e crítica. Não busca prestígio, sucesso, fama ou dinheiro.

As outras personagens femininas são estereótipos.

Fiquei rendida, mas não é um leitura fluída, fácil, mas antes pausada e reflexiva.

Compreensível vencedor do Brooker Prize.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Autobiografia
    "Autobiografia" , o novo romance de José Luís Peixoto, é o 3º livro que leio deste autor. Os anteriores ...
  • 18.08.2019 17:41
  • A Dama do Quimono Branco
    Com este volume, termina a saga do Samurai Negro, constituída por uma trilogia de romances históricos ...
  • 29.07.2019 17:54
  • Crash
    Depois de ter lido "Arranha-Céus" de J. G. Ballard, um romance que me deixou a pensar seriamente nos ...
  • 10.07.2019 22:32

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"O livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive."
Padre António Vieira