Lua Nova

FaceBook  Twitter  

luanova 

Autor: Stephenie Meyer
Trilogia: Twilight (Vol. 2)
Edição: 2007
Páginas: 528
ISBN: 9789895574469
Editora: 1001 Mundos

 


Para Bella Swan, existe algo mais importante do que a própria vida: Edward Cullen. Porém, estar apaixonada por um vampiro é ainda mais perigoso do que alguma vez poderia ter imaginado. Edward já salvou Bella das garras de um vampiro maléfico, mas agora, à medida que a sua destemida relação ameaça tudo o que se encontra por perto e todos os que lhes são queridos, eles apercebem-se de que os seus problemas podem estar apenas a começar...

Legiões de leitores, arrebatados por Crepúsculo, best-seller de New York Times, estão ansiosos pela continuação da história dos amantes perseguidos pela má sorte, Bella e Edward. Em Lua Nova, Stephenie Meyer assina outra irresistível combinação de romance e suspense com um toque sobrenatural. Apaixonante, fascinante e cheia de surpreendentes reviravoltas, esta saga amorosa de vampiros caminha a passos largos para a imortalidade literária.

Leia aqui o 1º capítulo

COMENTÁRIO:
Na continuação do "Crepúsculo", continuamos a ler a história da Bella. O Edward vai estar mais ausente neste 2º volume, uma vez que a relação de ambos passará por uma fase menos positiva, em função das dificuldades que teimam em se instalar.
Mas o amor vence todos os obstáculos.
Neste livro surge a amizade com Jacob, que já surgia no 1º volume, como se desenvolve e as surpresas que esta personagem nos reserva.
Claro que a Bella está sempre metida em apuros!
Novamente um bom livro que nos trasnporta para a acção de uma forma impressionante e viciante!

Autora:

Stephenie Meyer nasceu na véspera de Natal, em Hartford, Connecticut, mas vive em Phoenix, no estado do Arizona desde os quatro anos de idade. É lá que vive com o seu marido e os seus três filhos. Licenciou-se em Literatura Inglesa, pela Brigham Young University. Após a publicação do seu primeiro romance, Twilight (entre nós publicado com o titulo Crepúsculo), Stephenie Meyer foi considerada "como uma das mais promissoras novas escritoras de 2005" (Publishers Weekly). O seu romance de estreia foi bem recebido pela critica tendo conseguido várias distinções entre as quais se destacam: A New York Times Editor's Choice; A Publishers Weekly Best Book of the Year, Amazon "Best Book of the Decade...So Far". Sem dúvida um romance de qualidade, já traduzido, até agora, em 20 línguas.

Comentários  

 
#5 catia 2018-03-08 11:27
Adorooooooooooo ooooooooooooooo ooooooooooooooo muitooooooooooo ooooooooo, o melhor do mundooooooooooo ooooo!
 
 
#4 Isabel 2010-02-17 23:08
Adorei o livro! Acho que não fica atrás do Crepúsculo, embora a parte de o Edwad estar ausente e a proximidade que ela ganha de Jacob me deixar um pouco desconfortável.

Mas acho que tem todos os componentes para continuar a ser um sucesso.
 
 
#3 Júlia 2009-07-21 16:35
Não consegue ser tão bom como o Crepusculo mas mesmo assim deixa-nos pregados ao livro.
 
 
#2 Maria João 2009-02-25 14:25
Apesar de não ter a qualidade do primeiro, ainda nos consegue prender. Como ponto negativo temos a tradução do texto. Espero pelo terceiro.
 
 
#1 Fátima Rodrigues 2008-12-10 22:04
Acabeiii!!! Gostei muito, mas não tanto como o "Crepúsculo", por causa do Edward estar muito ausente no enredo deste livro e porque, ao caminharmos para o final, se acentuarem os erros na tradução e na revisão do texto.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • O Judeu
    Bernardo Santareno é, sem dúvida, um dos maiores, se não o maior dramaturgo português do século XX. Era ...
  • 07.12.2018 13:53
  • Os dez espelhos de Benjamin Zarco
    Este é o quarto volume de uma série de Richard Zimler sobre a família Zarco, uma família de judeus ...
  • 19.11.2018 22:23
  • Trilogia da Mão - Amadeo, Guilhermina, Rosa
    A "Trilogia da Mão" é um conjunto de três livros agora editados num volume só. Nesta trilogia, Mário ...
  • 11.10.2018 22:10

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Algumas obras morrem porque nada valem; estas, por morrerem logo, são natimortas. Outras têm o dia breve que lhes confere a sua expressão de um estado de espírito passageiro ou de uma moda da sociedade; morrem na infância. Outras, de maior escopo, coexistem com uma época inteira do país, em cuja língua foram escritas, e, passada essa época, elas também passam; morrem na puberdade da fama e não alcançam mais do que a adolescência na vida perene da glória. Outras ainda, como exprimem coisas fundamentais da mentalidade do seu país, ou da civilização, a que ele pertence, duram tanto quanto dura aquela civilização; essas alcançam a idade adulta da glória universal. Mas outras duram além da civilização, cujos sentimentos expressam. Essas atingem aquela maturidade de vida que é tão mortal como os Deuses, que começam mas não acabam, como acontece com o Tempo."
Fernando Pessoa, in Heróstrato