marés de inverno

FaceBook  Twitter  

 

 

 

Autor: Luís Miguel Raposo
Edição: 2009
Páginas: 151
ISBN: 9789896131067
Editora: Quinto Selo

 

 

« - A minha memória tem buracos que não consigo preencher - disse-me em tom triste. Quero recordar a nossa juventude, mas tudo parece desligado. Tu podias escrever acerca de nós, Vasco, sempre tiveste jeito para essas coisas.» Deitado numa cama de hospital para morrer, Michael vai perdendo a clareza das memórias de rapaz, quando o seu mundo era apenas um grupo de amigos surfistas e a enorme paixão pelo mar que os mantinha unidos.

Vasco assiste ao crescente sofrimento do amigo, ao afastamento da mulher que ama, ao nascer de uma paixão emergente, à morte dos que mais estima, e aperta as rédeas do tempo para cumprir a sua promessa: escrever a história da sua juventude.

Autor:

Luís Miguel Raposo nasceu em Almada, a 6 de Novembro de 1971. Aos 15 anos começou a fazer surf na Costa de Caparica. Concluiu em Lisboa uma licenciatura em Organização e Gestão de Empresas no ano de 1994. Actualmente trabalha como consultor de gestão e formador. “Marés de Inverno” é o seu primeiro romance, publicado pela Bertrand sob a chancela O Quinto Selo, tendo já planeado uma sequela. Está a escrever o segundo romance para concluir no Outono de 2009.
Continua a surfar com regularidade, sobretudo em Peniche. A praia do Molhe Leste é nestes dias a sua praia de eleição.

Comentários  

 
#8 Ana 2010-01-27 10:37
Um livro surpreendente!
Uma escrita poética embalada ao som do mar e ao mesmo tempo sente-se no ar o aroma da água salgada.
Ainda me encontro envolta neste ambiente marítimo.

Com esta leitura tive oportunidade de voltar a "visitar" locais pelos quais nutro um carinho especial, como é o caso da Costa da Caparica e Vila Nova de Milfontes.

Recomendo esta leitura por tudo, pelo ambiente onde a acção decorre, pela amizade, pela união, pelo amor, pelo sonho!!!!
 
 
#7 Patrícia Cálão 2009-11-13 17:37
Este comentário é muito semelhante ao que coloquei no meu blog acerca desta livro.

Marés de Inverno é simplesmente um dos melhores livros que já li. Maravilhoso! Um livro tão pequeno e com tanto para dar. Que toca tão fundo no coração de quem lê.

É uma história de amizade, de amor e de perda. Uma história de alegrias e tristezas, aventuras e medos. Uma história de vida. É lindo o livro.

Mas para além da história do livro, a escrita do autor...é fascinante! Ao ler o livro senti-me passear pela areia da praia dos cds, senti que estava naquela praia a observar aqueles rapazes surfistas. A vê-los juntos, um verdadeiro símbolo de amizade e união.

Vou guardar o livro sempre comigo e aconselho a todos a leitura de Marés de Inverno.
 
 
#6 Júlia 2009-08-19 17:05
Já li e com muita pena minha não consigo dizer que adorei este livro, talvez porque o li numa fase da minha vida onde não me era fácil concentrar.
É um livro com uma escrita um pouco mais complexa do que estou habituada.
Mas no fundo consegui captar a nostalgia da amizade de um grupo de oito amigos de infancia e a profunda tristeza quando alguns deles partiram... e tb que não há amor como o primeiro.
 
 
#5 Fátima Rodrigues 2009-05-18 22:23
Este livro foi uma descoberta para mim. Porquê? Porque a escrita fascinou-me. Gostei da história, muito bonita... mas já lá vamos. O que gostei mesmo, o que me apaixonou pelo livro foi a escrita, foi ler uma frase e soar-me poesia, sensibilidade, ternura, reflexão profunda, enfim, tocou-me e cativou-me de tal modo que demorei muito mais a ler o livro por ler mais que uma vez muitas frases. E o pormenor das maiúsculas/minú sculas? Fantástico, cheio de significado! Aspecto negativo? Soube-me a pouco, queria mais páginas!
Agora sobre a história, é tocante o carinho que o Vasco transmite por tudo o que faz e toca, o "vício" que tem pelo surf, a extrema amizade por aqueles sete rapazes, o amor às mulheres que lhe povoam a vida, cada uma de sua maneira, a forma cuidada e respeitadora como desenvolve o seu contacto com os outros, respeitando-os e realmente estando lá. Adorei o Vasco e o Michael, outra alma bonita deste livro. Sofri com eles todos, apeteceu-me estender a mão ao Javardo e tirá-lo daquela vida, dar-lhe uma oportunidade e depois correr com o Vasco pela praia... não posso dizer mais ou vira spoiler! Como sofri ao lado do Vasco, acompanhando o Michael.
Detestei a Daniela! Ena mulherzinha tola, revelou-se uma desilusão, teve tudo e tudo abandonou, nem percebi porquê, nem o Vasco... o querido Vasco! Devia haver mais vascos no mundo fora dos livros!
Relativamente ao surf, mudei completamente a minha impressão sobre o este desporto. Era um desporto que não me atraia minimamente e até tinha uma certa má impressão, que mudou radicalmente com este livro. Fiquei curiosa por saber mais sobre ele. Gostei imenso dos conhecimentos que têm sobre as marés, ventos e as sensações que o autor relata no livro. Fiquei a pensar seriamente sobre a ideia de que é um deporto que exige que enfrentemos a solidão e de coragem. Concordo plenamente com aquela última frase do Vasco sobre o Javardo e a sua atitude. Têm curiosidade em saber qual é? Leiam o livro!
Decididamente, um livro a não perder!
Fico à espera do próximo livro Luís Miguel Raposo!
 
 
#4 Maria João 2009-05-13 20:16
Deu-me a sensação de que me encontrava ao lado dele no hospital e de que o acompanhava ao longo da sua viagem no tempo. Sorri, chorei e senti uma grande sensação de paz.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Eça de Queiroz segundo Fradique Mendes
    Depois de ler várias obras de Sónia Louro, concluo que a sua escrita está cada vez melhor. Este livro ...
  • 14.01.2019 00:06
  • Cinco Meninos, Cinco Ratos
    Este livro é o segundo volume da série "Mitologias" e pouco mais poderei acrescentar à minha apreciação ...
  • 26.12.2018 21:37
  • O Judeu
    Bernardo Santareno é, sem dúvida, um dos maiores, se não o maior dramaturgo português do século XX. Era ...
  • 07.12.2018 13:53

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Apenas se deveriam ler os livros que nos picam e que nos mordem. Se o livro que lemos não nos desperta como um murro no crânio, para quê lê-lo?"
Franz Kafka