Materiais para Confecção de um Espanador de Tristezas

FaceBook  Twitter  

 

  

 

Autor: Ondjaki
Género: Poesia
Edição: 2009
Páginas: 88
ISBN: 9789722120296
Editora: Caminho

 


...Segundo Paulinho Assunção (escritor brasileiro):
«Você pode imaginar uma esquina do mundo onde Ondjaki encontra Manoel de Barros, Luandino Vieira, Guimarães Rosa, Adélia Prado, Raduan Nassar. [...] Você também pode imaginar o que eu imagino ao ler este novo livro de Ondjaki. É um livro que tem um jeito de apalpar a língua como quem apalpa o dorso de um rio. Ou tem um jeito de escrever as palavras da língua como quem rumoreja sussurros para não assustá-las.

E acho que o Ondjaki não tem medo de trazer para o seu livro os seus afetos todos literários. E faz bem o Ondjaki não ter medo disso porque é uma coisa muito bocó a gente esconder os afetos e as dívidas e os tributos aos que, também, como Ondjaki, gostam e gostaram de apalpar a polpa da língua como quem apalpa o dorso de uma fruta.»

Obras Publicadas :
Actu Sanguíneu (poesia, 2000)
Bom Dia Camaradas (romance, 2001)
Momentos De Aqui (contos, 2001)
O Assobiador (novela, 2002)
Há Prendisajens Com O Xão (poesia, 2002)
Ynari: A Menina Das Cinco Tranças (infantil, 2004)
Quantas Madrugadas Tem A Noite (romance, 2004)
E Se Amanhã O Medo (contos, 2005)
Os da minha rua (contos, 2007)
AvóDezanove e o segredo do soviético (romance, 2008)
O leão e o coelho saltitão (infantil, 2008)
Materiais para confecção de um espanador de tristezas (poesia, 2009)

Autor:

Ondjaki nasceu em Luanda em 1977. Prosador. Às vezes poeta. Co-realizou um documentário sobre a cidade de Luanda (Oxalá Cresçam Pitangas – Histórias de Luanda). É membro da União dos Escritores Angolanos. Está traduzido em francês, espanhol, italiano, alemão, inglês, sérvio, sueco e chinês. Prémio Literário Sagrada Esperança 2004 (Angola) e Prémio Literário António Paulouro 2004, com e se amanhã o medo (contos); Grande Prémio de Conto «Camilo Castelo Branco» C. M. de Vila Nova de Famalicão/APE 2007, com os da minha rua; o Grinzane for Africa Prize – Young Writer 2008 (pelo conjunto da obra); Prémio FNLIJ Brasil 2010 com AvóDezanove e o segredo do soviético (romance); Prémio Bissaya Barreto de Literatura para a Infância, 2012, com a bicicleta que tinha bigodes; Prémio José Saramago 2013, com Os Transparentes.

Comentários  

 
#1 Sebastião Barata 2009-03-10 23:42
Ondjaki, você esqueceu o glossário?! Não tem glossário? Então, como vou decifrar a baba da lesma, o voo das andorinhas, a magia dos gambozinos, os beijinhos de alforreca, o tamanho da grande ardósia? "...pus segredos literários cifrados e atalhos sem sinalização para quem frequente a imaginação", diz você. Então, imaginação me falta...
Se fosse português, você não construiria "um espanador de tristezas". Você diria: estou cheio de saudades! Saudades do meu rio, da minha rua, da sita e do jujú, do mais-velho e do joão vêncio... Afinal, você confessa: "eu tenho saudades das noites do lubango, silêncios e negrumes...", "sonhei que estava enamorado pela palavra antigamente", "até viajei no antigamente, na infância". E para ajudar a espanar a tristeza, lá estão os amigos: é o borges, o palma que é jorge, o camarada macedo, o mário fonseca, o rodrigo leão... E há a carta para isabel, a que vai escrever a adélia, quando acordar um dia à tarde e os olhos de catarina, que são "um dom mais adequado às mãos mágicas de jorge palma"...
E não percebo eu nada de poesia. Se percebesse, tinha escrito muito menos.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Imortal (José Rodrigues dos Santos)
    Compro e leio os livros de José Rodrigues dos Santos que considero de ficção científica, porque gosto ...
  • 15.11.2019 22:00
  • Autópsia
    Lê-se na contrapaca deste livro que se trata de "uma arrepiante distopia, retrato de uma humanidade náufraga".
  • 21.10.2019 22:21
  • A Recriação do Mundo
    Não é segredo que a Alemanha e a URSS correram contra o tempo e contra os Estados Unidos da América para ...
  • 22.09.2019 13:21

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Quase todos os homens vivem inconscientemente no tédio. O tédio é o fundo da vida, foi o tédio que inventou os jogos, as distracções, os romances e o amor."
Miguel de Unamuno