Morte aos Traidores!

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Miguel Marujo
Género: Política
Edição: Nov/2018
Páginas: 232
ISBN: 9789897691362
Editora: Matéria Prima

 

 

 

A história improvável do mais controverso partido político português
A história do PCTP/MRPP cruza-se com a história da democracia portuguesa, num claro caso em que a realidade ultrapassou a ficção.
"Em 2018, percebe-se que o PCTP/MRPP foi vivendo muito e longamente da perseverança de dois homens, primeiro Arnaldo Matos, depois Garcia Pereira, que romperam um com o outro, com acusações mútuas de 'traição'. Até essa rutura pública, foram o rosto de um partido feito de gente que acreditava numa outra democracia, que se tratavam por pseudónimos, nomes em código de quem alimenta uma desconfiança em permanência."

Baseado numa investigação que traz à luz do dia documentos e testemunhos inéditos, este livro aborda 50 anos de batalhas políticas, lutas internas, zangas entre camaradas e rituais secretos, que ainda hoje se mantêm, em pleno centro de Lisboa.

Autor:

Miguel Marujo, jornalista que passou pelo Portugal Diário, Metro e 24 Horas, está desde 2010 na secção política do Diário de Notícias. Cagaréu, nasceu em 17 de janeiro de 1972, mas já tem mais anos de Lisboa do que de Aveiro. De esquerda, católico e benfiquista, é leitor compulsivo de jornais, revistas e livros, cinéfilo sofrível, melómano em estágio e continua a gostar de viajar.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • O Último Cabalista de Lisboa
    Consegui, finalmente, ler este livro que foi o primeiro romance de Richard Zimler. Publicado em 1996 ...
  • 07.04.2019 23:56
  • A Última Ceia
    Islamismo, Judaísmo, Cristianismo... O que se segue? Depois da trilogia "O Espião Português", Nuno ...
  • 03.03.2019 20:18
  • Seja Feita a Tua Vontade
    Seja feita a tua vontade é um romance, mas, ao mesmo tempo, uma reflexão sobre a nossa sociedade atual ...
  • 21.02.2019 18:05

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

 "A beleza é diferente para cada um de nós. É como a felicidade. Cada um tem o seu conceito de felicidade."
Fernando Sobral in O navio do Ópio