Morte aos Traidores!

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Miguel Marujo
Género: Política
Edição: Nov/2018
Páginas: 232
ISBN: 9789897691362
Editora: Matéria Prima

 

 

 

A história improvável do mais controverso partido político português
A história do PCTP/MRPP cruza-se com a história da democracia portuguesa, num claro caso em que a realidade ultrapassou a ficção.
"Em 2018, percebe-se que o PCTP/MRPP foi vivendo muito e longamente da perseverança de dois homens, primeiro Arnaldo Matos, depois Garcia Pereira, que romperam um com o outro, com acusações mútuas de 'traição'. Até essa rutura pública, foram o rosto de um partido feito de gente que acreditava numa outra democracia, que se tratavam por pseudónimos, nomes em código de quem alimenta uma desconfiança em permanência."

Baseado numa investigação que traz à luz do dia documentos e testemunhos inéditos, este livro aborda 50 anos de batalhas políticas, lutas internas, zangas entre camaradas e rituais secretos, que ainda hoje se mantêm, em pleno centro de Lisboa.

Autor:

Miguel Marujo, jornalista que passou pelo Portugal Diário, Metro e 24 Horas, está desde 2010 na secção política do Diário de Notícias. Cagaréu, nasceu em 17 de janeiro de 1972, mas já tem mais anos de Lisboa do que de Aveiro. De esquerda, católico e benfiquista, é leitor compulsivo de jornais, revistas e livros, cinéfilo sofrível, melómano em estágio e continua a gostar de viajar.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Trilogia da Mão - Amadeo, Guilhermina, Rosa
    A "Trilogia da Mão" é um conjunto de três livros agora editados num volume só. Nesta trilogia, Mário ...
  • 11.10.2018 22:10
  • O Bibliotecário
    Trabalho numa biblioteca, e talvez por isso ofereceram-me esse livro. Tem um nome aliciante e uma ...
  • 14.09.2018 11:06
  • A Terra de Naumãn
    Quem disse que em Portugal não se faz boa ficção científica? Este novo romance de H. G. Cancela ...
  • 01.09.2018 10:34

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Com os livros aprenderia sempre, porque as pessoas, as pessoas de prestígio, punham o melhor de si próprias em livros. Os livros eram uma destilação das pessoas."
Pearl S. Buck, in A Eterna Demanda