No Limiar das Trevas

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Scott Westerfeld
Coleção: Midnighters (Vol.2)
Edição: Abr/2010
Páginas: 264
Formato: 16 x 24 cm
Editora: Vogais & Companhia

 



A cidade de Bixby está cheia de segredos. Alguns deviam permanecer escondidos.
À medida que os midnighters procuram descobrir a verdade sobre a hora secreta, desvendam terríveis segredos que fazem parte da própria história de Bixby e uma conspiração que atinge o mundo do tempo regular. Os midnighters enfrentam perigos de morte e um deles poderá mesmo partir para não mais regressar.

Volumes que constituem a trilogia Midnighters:
A Hora Secreta
No Limiar das Trevas
Meio-dia Azul

Autor:

Scott Westerfeld nasceu no Texas e é autor de muitas obras aclamadas pela crítica e pelo público, incluindo a série Leviatã, publicada pela Vogais, e a série Midnighters que a Topseller publicará brevemente. Os seus livros foram nomeados pelo New York Times para integrar a lista «Notable Books of the Year» e ganharam os prémios Aurealis, Victorian Premier, Philip K. Dick Special Citation e Locus.
As suas obras figuram regularmente nos tops de vendas dos EUA e de vários outros países. Scott é também designer e atualmente vive entre Nova Iorque e Sidney, na Austrália.
Visite a sua página em scottwesterfeld.com
Clube de Fãs em Portugal: www.facebook.com/Scottwesterfeldpt

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03
  • A Aluna Americana
    Este é o mais recente romance de João Pedro Marques, autor de, entre outros, "Uma Fazenda em África" ...
  • 25.04.2019 20:42
  • O Último Cabalista de Lisboa
    Consegui, finalmente, ler este livro que foi o primeiro romance de Richard Zimler. Publicado em 1996 ...
  • 07.04.2019 23:56

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Apenas se deveriam ler os livros que nos picam e que nos mordem. Se o livro que lemos não nos desperta como um murro no crânio, para quê lê-lo?"
Franz Kafka