O Acidente

FaceBook  Twitter  

 

 

  

 

 

Autor: Ismail Kadaré
Edição: Abr/2011
Páginas: 232
Editora: Livros Quetzal

Um acidente: um táxi sai da estrada e mergulha numa ravina. Do acidente resultam dois mortos, um homem e uma mulher, um óbvio casal de amantes: quanto ao motorista, que sobrevive, mostra-se incapaz de explicar a causa do acidente. Parece que a causa estará relacionada com o que ele viu, ou julgou ver, no espelho retrovisor. Mas não consegue explicar o que viu exactamente, nem dizer quem eram os dois passageiros, aonde iam e porquê, e por que razão, neles, tudo parecia indecifrável.
Uma história de amor pode parecer a coisa mais banal do mundo, mas pode também mostrar-se inextrincável. Milhões de indivíduos vivem diariamente a experiência do amor e, ainda assim, nada permite explicar-lhe o enigma - nisso residirá o seu poder. À antiquíssima questão «O amor existe, de facto, ou não passa de uma ilusão?», faz-se aqui eco de uma outra: «Se existe, pode ser contado?» Nesta obra magistral, Ismail Kadaré tenta narrar o inarrável: uma história de amor ou uma história de assassínio, ou outra ainda que as encobre como uma máscara? Até ao fim, a pergunta não pára de obcecar o leitor.

Autor:
Ismaïl Kadaré nasceu em 1936, em Gjirokastra, no Sul da Albânia. Estudou em Tirana e em Moscovo no Instituto Gorky. Após a ruptura do seu país com a União Soviética, em 1960, iniciou uma actividade jornalística e publicou os seus primeiros poemas. Entre 1970 e 1982 foi deputado da Assembleia Popular de Tirana, tendo em Outubro de 1990 obtido asilo político em França. É o mais conhecido escritor albanês e as suas obras estão traduzidas em diversas línguas. De entre as seus livros mais importantes, destacam-se, os romances: O General do Exército Morto (1963), Crónica da Cidade de Pedra (1971), Os Tambores da Chuva (1972), O Concerto (1988), e já editados pelas Publicações Dom Quixote, Abril Despedaçado (1978), adaptado ao cinema pelo realizador brasileiro Walter Salles, autor do filme Central do Brazil, O Palácio dos Sonhos (1981), A Pirâmide (1992), e selecção de textos Três Contos Fúnebres pelo Kosovo (1998). Em Junho de 2005, Kadaré foi galardoado com o primeiro Man Booker International Prize pela sua carreira literária.

Comentários  

 
#2 maria afonso 2011-06-29 11:05
Gosto muito do Ismail Kadaré. Abril Despedaçado é um dos meus livros favoritos. O Acidente tinha tudo para também ser um grande livro. Mas, ao fim de algumas páginas, o caso interessante de uma morte (homicídio? Suicídio?) dá origem a um caminho penoso, sem que se perceba muito bem o que o autor pretende. Desiludiu-me...
 
 
#1 PCCST 2011-05-03 10:57
Ismael Kadaré era para mim um autor desconhecido, e foi com a leitura deste seu livro "O Acidente" que tive a oportunidade de conhecer o seu registo literário.

Após a leitura da respectiva sinopse, confesso que fiquei bastante interessada no livro, pois dava indícios de ser uma bela trama, com suspense do início até ao fim.

E inicialmente quis-me parecer que não me tinha enganado: o suspense confirmava-se logo no início do livro. Uma morte um tanto ou quanto estranha, um acidente por explicar, que nem o motorista do táxi o sabia justificar... e as dúvidas começaram logo aí. O que realmente aconteceu? Quem eram os passageiros e qual a ligação que tinham um com o outro? O que aconteceu que justificasse tal acidente?

As questões são mais que muitas e a vontade de as esclarecer ainda maior.
Infelizmente, pareceu-me que a abordagem do autor à resposta a essas questões, tornando o livro praticamente um monólogo, com os escassos diálogos apenas na 3ª pessoa, tornou a leitura bastante maçadora.
Após várias tentativas de prosseguir com a sua leitura, dava-me conta de estar a ler e não reter qualquer informação, devido ao pouco interesse que o livro me suscitava. Não consegui de todo continuar com a sua leitura, o que lamento. Não ultrapassei a primeira parte.
Conclui assim que o livro não é de todo adequado para os meus gostos literários e, na minha opinião, acho que a sinopse me induziu em erro, dando a entender mais do que realmente é.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Autobiografia
    "Autobiografia" , o novo romance de José Luís Peixoto, é o 3º livro que leio deste autor. Os anteriores ...
  • 18.08.2019 17:41
  • A Dama do Quimono Branco
    Com este volume, termina a saga do Samurai Negro, constituída por uma trilogia de romances históricos ...
  • 29.07.2019 17:54
  • Crash
    Depois de ter lido "Arranha-Céus" de J. G. Ballard, um romance que me deixou a pensar seriamente nos ...
  • 10.07.2019 22:32

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"É fácil que prefiras não escrever, mas sabes quantos olhos estão à espera que continues? É tarde para esses escrúpulos."
José Luís Peixoto, in Em Teu ventre