O Beco dos Milagres

FaceBook  Twitter  

 

 

 

Autor: Mahfouz Naguib
Edição: Mai/2009
Páginas: 336
IBSN: 9789896660024
Editora: Edições Contraponto

 

 

A acção de O Beco dos Milagres, um romance de pendor realista, decorre durante a Segunda Guerra Mundial, num beco da grandiosa capital que é, então, o Cairo. Por este bairro pobre da zona antiga do Cairo, desfilam os protagonistas de pequenas tragédias e aspirações banais imaginados por Mahfouz: a paixão do doce barbeiro Alhilu pela ambiciosa Hamida; a mãe de Hamida, casamenteira, que arranja um bom noivo a Senia Afifi, senhoria de boa parte dos moradores do beco; as fantasias do cinquentão Alwan; a homossexualidade de Quercha, o dono do café; a sabedoria, a religiosidade e o eterno optimismo de Radwan Husseini, entre outros.

“Mahfouz é comparável a Hugo, Dickens, Galsworthy, Mann, Zola ou Jules Romain.” - LONDON REVIEW OF BOOKS

“Naguib Mahfouz é o melhor escritor numa das línguas mais faladas no mundo e um narrador de primeira ordem em qualquer língua.” - VANITY FAIR

“Os becos, as casas, os palácios, as mesquitas e os seus habitantes são evocados tão vivamente pelo trabalho de Mahfouz como as ruas de o Londres eram por Dickens.” - NEWSWEEK

“Um forte sentido de metáfora atravessa a ficção de Mahfouz, o que é característico de um artista literário que utiliza a ficção para falar directa e inequivocamente do seu país. O seu trabalho está cheio de amor pelo Egipto e as suas gentes, mas nunca deixa de ser honesto e nunca recorre ao sentimentalismo.” - WASHINGTON POST

“O trabalho de Mahfouz é refrescante, subtil, cativante e lírico. O Prémio Nobel veio sublinhar o alcance universal da sua ficção.” - LOS ANGELES TIMES

“Mahfouz conseguiu dar vida à essência da caótica cidade do Cairo” - THE ECONOMIST

Autor:

Naguib Mahfouz nasceu no Cairo em 1911. Modernizou a literatura árabe, sendo considerado um dos seus maiores vultos. Foi o único escritor de língua árabe a ser galardoado com o Prémio Nobel da Literatura. Publicou 34 romances, mais de 350 contos, dezenas de argumentos cinematográficos e cinco peças ao longo de uma carreira de mais de 70 anos. Viveu com a mulher e as duas filhas na sua cidade natal até falecer, em 2006.

Comentários  

 
#2 Roberta Gonçalves 2009-07-28 13:43
Este é o primeiro livro que leio deste autor e espero que não seja o último.
Ele mostra-nos o ambiente de um pequeno Beco do Cairo fazendo descrições pormenorizadas sobre as pesonagens, as suas casas e a sua vida quotidiana.
O ambiente provocado pela II Guerra Mundial, os amores e desamores, as amizades, a busca incessante por uma vida melhor e quesilias familiares e entre os vizinhos, transformam a leitura numa agradável surpresa fazendo com que ao chegar a fim fiquemos com pena de não continuar a saber mais sobre este pequeno Beco perdido na cidade do Cairo e os seus habitantes.
O Beco dos Milagres é como qualquer beco, bairo ou rua, em qualquer cidade ou aldeia do mundo, recheado das mais variadas personagens que se completam, se repelem entre sim, onde chocam as personalidades dando vida ao dia a dia e à própria Vida ;-)
Gostei!!!
Um livro que recomendo!
 
 
#1 maria dos anjos pereira 2009-06-22 14:04
Uma bela história com os seus personagens muito peculiares e os relatos do seu dia a dia muito pormenorizados e divertidos num bairro muito pitoresco e característico desse país.
Foi o primeiro livro que li deste autor e gostei.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • A Ilustre Casa de Ramires
    NOTA: Este comentário contém spoilers (*** não leia se pretender ainda ler o livro ***) Após 2 ou ...
  • 28.06.2020 09:42
  • Imortal (José Rodrigues dos Santos)
    Acabei (finalmente) de ler o mais recente livro de José Rodrigues dos Santos - Imortal que trata de um ...
  • 01.06.2020 23:30
  • O Túmulo do Mestre
    Ótimo livro para se ler num fim de semana! Li-o em duas tardes. Os capítulos não são grandes, pelo ...
  • 19.04.2020 19:03

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“Ler um livro é para o bom leitor conhecer a pessoa e o modo de pensar de alguém que lhe é estranho. É procurar compreendê-lo e, sempre que possível, fazer dele um amigo.”
Hermann Hesse