O Conde Negro

FaceBook  Twitter  

 

 

Subtítulo: Glória, revolução, traição e o verdadeiro Conde de Monte Cristo
Autor: Tom Reiss
Edição: Mar/2014
Páginas: 464
ISBN: 9789724746616
Editora: Texto

 

 

 

O general Alex Dumas é hoje em dia praticamente desconhecido e, todavia, a sua história é curiosamente familiar – porque o filho, o romancista Alexandre Dumas, usou a sua vida como inspiração para os clássicos O Conde de Monte Cristo e Os Três Mosqueteiros.

Nascido em Saint-Domingue (atual Haiti), filho de um aristocrata e de uma escrava, Alex Dumas viajou para Paris, onde ascendeu ao comando de exércitos no auge da Revolução – até conhecer um inimigo implacável que não podia derrotar: Napoleão Bonaparte.
O Conde Negro é, também, uma história de laços inquebráveis de amor entre um pai e um filho.

Autor:

Tom Reiss é autor do bestseller The Orientalist, finalista do prémio Samuel Johnson na categoria de História, em 2006.
Os seus artigos biográficos têm presença constante no The New Yorker, The New York Times e outras publicações.
O livro O Conde Negro foi finalista do National Book Critics Circle Award e valeu a Tom Reiss os prémios Pulitzer e PEN/Jacqueline Bograd Weld na categoria de biografias, em 2013.
Nascido em 1964, vive com a mulher e as filhas em Nova Iorque.

Saiba mais em www.tomreiss.com

Comentários  

 
#2 Liliana Patrícia Pereira Pinto 2014-09-11 13:33
Quem me conhece sabe que eu adoro romances históricos. Adoro, adoro. E foi por essa razão que eu fiquei tão entusiasmada para ler este livro. Isso e o facto de se tratar de uma personagem tão famosa como O Conde de Monte Cristo.

Mas este livro é muito moroso e com poucos diálogos. Ao fim de algum tempo, dava por mim perdida na narração e tinha de voltar atrás.
Foi uma desilusão.
 
 
#1 Lurdes Graça Pereira da Silva 2014-04-05 20:39
Este livro permitiu-me conhecer factos importantes sobre um dos meus escritores favoritos, Alexandre Dumas. Por exemplo, a sua ascendência negra.
O Conde de Monte Cristo é, sem dúvida, um dos romances que mais me marcou. Saber que Alexandre Dumas escreveu esse romance baseado em factos verdadeiros do seu pai, é interessante.

Contudo, acho que o autor do «Conde Negro» tornou este livro demasiado biográfico e muito repetitivo.
Para mim, tinha sido mais interessante se tivesse romanceado mais a história.
Gosto de romances históricos que não se limitem a factos reais, que possam ir mais longe e fantasiar.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Matéria Negra
    Scot Harvath, ex-SEAL, é um eficiente agente do Carlton Group, um grupo de investigação privado ...
  • 25.10.2014 21:55
  • Os aromas do amor
    Gosto muito dos livros de Dorothy Koomson e, sempre que sai um novo romance desta autora, eu corro ...
  • 24.10.2014 08:48
  • A Mulher dos Cabelos Loiros e o Homem do Chapéu
    Gostei da capa, achei um título estranho (meio a remeter para uma história dos tempos antigos), fiquei ...
  • 23.10.2014 18:29

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Acredito que, assim como na nossa vida se vão sucedendo acontecimentos de todo o tipo, também na literatura se sucedem esses acontecimentos, que são expressão do que sentimos e pensamos: a criação é a forma que temos de colocar cá fora as nossas esperanças, as nossas certezas, dúvidas, as nossas ideias." José Saramago in A Estátua e a Pedra