O crepúsculo em Moledo

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: António Sousa Homem
Género: Crónicas
Edição: Fev/2019
Páginas: 432
ISBN: 9789720030986
Editora: Porto Editora

 

 

 

Crónicas de um reaccionário minhoto
«Contra todas as evidências, o mundo continua a interessar-me. Os meus sobrinhos, mais do que os meus irmãos, entendem este eremitério de Moledo, a casa onde me instalei nos anos oitenta, como uma espécie de observatório inclinado sobre o mar, mas de onde suspeito que o resto do universo continua a mover-se – e de uma forma mais interessante do que Galileu Galilei imaginava.»

Autor:

António Sousa Homem nasceu no Porto em Março de 1921 e vive atualmente em Moledo, no Minho. Foi advogado de profissão, é autor de um livro de botânica e de um roteiro das paisagens do Minho Litoral, ainda inéditos. Em 2002 publicou o seu primeiro livro, Os Ricos Andam Tolos, que reunia algumas das crónicas que escreveu para o semanário O Independente. Até 2008 escreveu para a revista NS (do Diário de Notícias e do Jornal de Notícias) e desde então assina ininterruptamente a sua crónica semanal no Correio da Manhã – primeiro ao domingo, agora às sextas-feiras. Em 2008 publicou Os Males da Existência, em 2011 Um Promontório em Moledo (com prefácio de Maria Filomena Mónica) e, em 2013, Páginas de Melancolia e Contentamento (prefácio de Pedro Mexia), todos com o subtítulo Crónicas de um reaccionário minhoto.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Autobiografia
    "Autobiografia" , o novo romance de José Luís Peixoto, é o 3º livro que leio deste autor. Os anteriores ...
  • 18.08.2019 17:41
  • A Dama do Quimono Branco
    Com este volume, termina a saga do Samurai Negro, constituída por uma trilogia de romances históricos ...
  • 29.07.2019 17:54
  • Crash
    Depois de ter lido "Arranha-Céus" de J. G. Ballard, um romance que me deixou a pensar seriamente nos ...
  • 10.07.2019 22:32

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“Você deve escrever o livro que quer ser escrito. E, se for um livro muito difícil para crescidos, então escreva-o para crianças.” 
Madeleine L’Engle