O crepúsculo em Moledo

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: António Sousa Homem
Género: Crónicas
Edição: Fev/2019
Páginas: 432
ISBN: 9789720030986
Editora: Porto Editora

 

 

 

Crónicas de um reaccionário minhoto
«Contra todas as evidências, o mundo continua a interessar-me. Os meus sobrinhos, mais do que os meus irmãos, entendem este eremitério de Moledo, a casa onde me instalei nos anos oitenta, como uma espécie de observatório inclinado sobre o mar, mas de onde suspeito que o resto do universo continua a mover-se – e de uma forma mais interessante do que Galileu Galilei imaginava.»

Autor:

António Sousa Homem nasceu no Porto em Março de 1921 e vive atualmente em Moledo, no Minho. Foi advogado de profissão, é autor de um livro de botânica e de um roteiro das paisagens do Minho Litoral, ainda inéditos. Em 2002 publicou o seu primeiro livro, Os Ricos Andam Tolos, que reunia algumas das crónicas que escreveu para o semanário O Independente. Até 2008 escreveu para a revista NS (do Diário de Notícias e do Jornal de Notícias) e desde então assina ininterruptamente a sua crónica semanal no Correio da Manhã – primeiro ao domingo, agora às sextas-feiras. Em 2008 publicou Os Males da Existência, em 2011 Um Promontório em Moledo (com prefácio de Maria Filomena Mónica) e, em 2013, Páginas de Melancolia e Contentamento (prefácio de Pedro Mexia), todos com o subtítulo Crónicas de um reaccionário minhoto.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Autópsia
    Lê-se na contrapaca deste livro que se trata de "uma arrepiante distopia, retrato de uma humanidade náufraga".
  • 21.10.2019 22:21
  • A Recriação do Mundo
    Não é segredo que a Alemanha e a URSS correram contra o tempo e contra os Estados Unidos da América para ...
  • 22.09.2019 13:21
  • Hugo Chávez, o colapso da Venezuela
    Gosto de estar bem informado e não fazer juízos sem conhecimento de causa. O governo da Venezuela tem ...
  • 02.09.2019 14:09

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Com os livros aprenderia sempre, porque as pessoas, as pessoas de prestígio, punham o melhor de si próprias em livros. Os livros eram uma destilação das pessoas."
Pearl S. Buck, in A Eterna Demanda