O Feitiço nos Teus Olhos Verdes

FaceBook  Twitter  

 

 

Autora: Matilde Maria Marques
Género: Romance
Edição: Mar/2018
Páginas: 100
ISBN: 9781985008373
Editora: Capital Books

 

 


Existem muitas histórias de amor. Existem muitos apaixonados destinados a futuros separados. Existem muitos amores prestes a acabar e tantos outros a começar.
Venham conhecer a rapariga do piano e o rapaz dos olhos verdes. Uma prova de que o amor não precisa de falar com as mesmas frases e palavras. Venham conhecer um amor mais forte do que a vida.

Embarquem nesta viagem sem medo de se afogarem em lágrimas e deixem-se contagiar pela magia do amor.

Autora:

Matilde Maria Marques nasceu a 30 de outubro de 1998, em Vila Nova de Gaia. É estudante do 2° ano da Licenciatura em Estudos Portugueses na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Frequentou o Colégio Nossa Senhora da Bonança e a Escola Secundária de Canelas, onde terminou o secundário em Ciências e Tecnologias. 
Entre o 5° grau de piano e projetos de voluntariado, não lhe faltou tempo para a escrita, a sua verdadeira paixão. Apaixonada pelas letras e pelo amor, achou que a melhor solução seria juntá-las. E juntou. Estreou-se com o livro O Feitiço nos Teus Olhos Verdes e está a preparar o próximo.

Comentários  

 
#2 mariana silva 2018-03-08 11:31
O livro é muito interessante para o nosso conhecimento.
 
 
#1 andrejoca 2018-03-08 11:25
Que livro espectacular!
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • As Três Vidas
    Tenho este livro na estante desde 2009, ano em que foi galardoado com o Prémio José Saramago. A edição ...
  • 31.07.2018 20:06
  • 1001 Coisas que Nunca te Disse
    Confesso que nunca li qualquer livro de Pedro Chagas Freitas. Mas tenho lido muito sobre os seus ...
  • 12.07.2018 22:54
  • Quem Meteu a Mão na Caixa
    Eu, que fui empregado da Caixa Geral de Depósitos de 1973 até à aposentação em 2005, mais de 32 anos ...
  • 04.07.2018 22:16

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"O livro, por aquilo que promete, não deixa de ser um conceito que ciclicamente surge como uma ameaça à harmonia pública, pelo conluio que estabelece com quem o lê."
João Paulo Borges Coelho, in Rainhas da Noite