O Funeral da Nossa Mãe

FaceBook  Twitter  

 

 

 

Autora: Célia Correia Loureiro
Edição: Out/2012
Páginas: 437
ISBN: 9789898455482
Editora: Alfarroba

 

 


Quando, aos 58 anos, Carolina Alves decide pôr termo à vida, deixa um pedido concreto às suas três filhas: que se reúnam na festa em honra da padroeira da vila e que recuperem os laços de sangue que as consagram irmãs.  Luísa emigrou para Paris, decepcionada com a frieza da mãe; Cecília é pianista e vive num alheamento artístico constante  e Inês refugiou-se na política para fugir à negligência da família.

Com a ajuda da tia Elisa, vão regressar aos campos de alfazema da infância e desvendar ao longo de quatro dias o passado inesperado de Carolina. Os seus erros, as suas fraquezas e, numa reviravolta inesperada, o acto vil que lhe permitiu prender a si há trinta e oito anos aquele que viria a ser o pai das suas filhas...

Autora:

Célia Correia Loureiro nasceu em Almada, em 1989. Licenciou-se em Informação Turística pela Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril. É Guia-Intérprete Nacional e Técnica de Turismo. Fala Italiano, Inglês e Francês.
Gosta de gatos e de crepes com Nutella. De todas as cidades que visitou, é por Siena que morre de amores. De todos os autores que leu, destaca John Steinbeck por As Vinhas da Ira, e está sempre disposta a dispensar mais quatro horas da sua vida ao visionamento de E Tudo o Vento Levou.
Em Novembro de 2011 apresentou-se aos leitores com Demência e menos de um ano depois publicou O Funeral da Nossa Mãe. Dedicou-se depois ao romance histórico, surgindo A Filha do Barão em 2014 e Uma Mulher Respeitável em 2016.

Pode seguir a autora através da sua página do Facebook.

Veja aqui o booktrailer:

Comentários  

 
#6 Vera Neves 2013-04-24 18:12
O “Funeral da Nossa Mãe” foi uma leitura recente e escolhi-o também para ler o que de bom se faz no nosso país. Célia Loureiro encantou-me mais uma vez. Depois de ter lido no ano passado o seu livro “Demência” e de ter ficado impressionada, este ano fiquei rendida.
A escrita é soberba, a narrativa faz-nos querer devorar o livro até à última pagina e as personagens tornam todo o livro muito especial e único.

Inês, Luísa e Cecília são irmãs, embora não pudessem ser mais distintas. Têm vidas diferentes, escolheram caminhos que não se cruzam e esperam que assim continue. Quando a mãe, Carolina, se suicida e deixa uma carta às filhas, estas terão que se juntar em Vila Flor e aceder ao último pedido da mãe. E nada voltará a ser igual.

A autora revela-nos, com mestria, o passado dos pais, desconhecido e inimaginável para as filhas, ao mesmo tempo que nos vai revelando o presente e aspectos da vida das filhas, onde o primeiro facto vai ter necessariamente repercussões no segundo.

Inês é a mais nova, rebelde e muito senhora de si. Traçou o seu caminho mas algo que está escondido na sua infância, que marca a forma como encara um aspecto da sua vida, virá ao de cima e ela terá de lidar com isso. Terá ela força para mudar o percurso que traçou para si? Terá coragem para arriscar?

Cecília foi a única que ficou em Vila Flor e a sua vida seguiu o rumo que todos esperavam. Resta saber se ela é de facto feliz com as suas escolhas e o que fará quando descobrir essa resposta.

Luísa mora em Paris, gosta de pensar que é muito independente e realizada. Não perde tempo a pensar no que já lá vai e no que poderia ter sido, até ser confrontada com isso.

O livro é recheado pela vida destas três personagens maravilhosas, paralelamente com a história maravilhosa dos seus pais. A autora conseguiu, de facto, surpreender-me até ao final, revelando pequenos finais que a mim me satisfizeram por completo. Os dramas familiares e os segredos que se escondem no passado, fazem-nos ler o livro de uma assentada, pois esta é uma leitura cheia de acontecimentos, repleta de profundidade e de momentos marcantes.

É uma leitura que recomendo, assim como o livro “Demência” que me fez querer acompanhar a obra de Célia Loureiro.
 
 
+1 #5 PCCST 2013-02-21 16:39
Peguei neste livro pelo seu curioso título, longe de imaginar a belíssima história que se escondia dentro dele.
Passado maioritariament e em Vila Flor, no Alentejo, é após o suicídio de Carolina, de 53 anos, que as suas três filhas, Luísa, Cecília e Inês, se reúnem e tomam conhecimento de todo o passado dos seus pais.
Com uma imagem inicial de como era a sua mãe em vida, as três irmãs vêem-se confrontadas com uma nova realidade, tomando conhecimento de uma faceta de Carolina que desconheciam até então.
Com belíssimas descrições sobre o nosso Alentejo, é sempre um ponto a favor pegar num livro e conhecer locais, simpatizar com nomes bem portugueses e acompanhar toda esta revelação que muitas reviravoltas trará na opinião que temos sobre Carolina.
Gostei muito da escrita, organizada e de fácil acompanhamento, mesmo saltando entre o passado e o presente.
Desconhecia a autora, mas fiquei agradada com o facto de que uma rapariga ainda jovem escreva assim tão bem. Aconselho este livro. Certamente que os segredos de Carolina irão agradar a todos os leitores e ficarão, tal como eu, viciados nesta leitura.
 
 
+1 #4 Catia Silva 2013-01-30 10:30
É o segundo livro que leio desta jovem escritora portuguesa... e adorei, da mesma forma como tinha adorado o primeiro.
Um romance que nos prende logo no primeiro capítulo. Fala-nos de primeiros amores e relações não correspondidas (Luisa/Luc/Marc el; Cecilia/Luis/Vi cente; Inês/João Pedro) e o triângulo amoroso Carolina/Lourenço/Ingrid.
As personagens são muito bem construídas e conseguimos rever-nos em alguns aspetos.
Gosto muito da forma como a escritora descreve os cenários, pois faz-nos viajar no tempo e nas tradições do nosso país... não estamos a ler tradições americanas, estamos a relembrar as nossas tradições e costumes... numa época que se passou há quase 40 anos.
É um livro português de corpo e alma. Gostei muito, de tudo: dos mistérios, dos segredos, dos romances... Aconselho a ler e a seguir esta escritora com muita atenção.
 
 
+1 #3 Helena 2013-01-01 15:49
Um romance suave, pausado, mas surpreendente e próximo, ou não se tratasse de uma jovem autora portuguesa que bem escreve sobre personagens em ambientes que reconhecemos. Alternando passado e presente, são nos revelados segredos de uma família, desde o seu início, com uma trama engendrada pela avó e bem executada por Carolina, para arrebatar Lourenço a Ingrid e assim unir duas famílias. O fulcro da ação está conforme à sinopse, mas é muito mais abrangente, com revelações sobre todas as personagens, que são bem caraterizadas neste romance.

Gostei muito desta leitura, mas não posso deixar de apontar um senão. É muito descritiva e torna-se um tanto extensa, apesar de as revelações criarem picos de renovado interesse e empatia.

Certamente que vou gostar de ler próximas obras desta talentosa autora.
 
 
+1 #2 Cristina Delgado 2012-12-30 17:03
O segundo livro de Célia Loureiro é para ser lido com garra e vontade, tal como o primeiro, pois a história surpreende e prende o leitor. Personagens bem construídas e caracterizadas, cenários que nos fazem visualizar todo o contexto em que a história decorre.
Aconselho vivamente. Ah e façam o favor de ler o primeiro (Demência) que é tão bom como este!!!
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • A Ilustre Casa de Ramires
    NOTA: Este comentário contém spoilers (*** não leia se pretender ainda ler o livro ***) Após 2 ou ...
  • 28.06.2020 09:42
  • Imortal (José Rodrigues dos Santos)
    Acabei (finalmente) de ler o mais recente livro de José Rodrigues dos Santos - Imortal que trata de um ...
  • 01.06.2020 23:30
  • O Túmulo do Mestre
    Ótimo livro para se ler num fim de semana! Li-o em duas tardes. Os capítulos não são grandes, pelo ...
  • 19.04.2020 19:03

Últimos Tópicos

    • Navia
    • Navia, nascida no ano 410 D.C, época em que a Lusitânia encontra-se instável...
    • há 1 semana 1 dia
    • Navia
    • Navia Navia, nascida no ano 410 D.C, época em que a Lusitânia encontra-se...
    • há 1 semana 1 dia

Uma Pequena Palavra...

"Como um dia alguém me ensinou, os bons amigos são como os livros, nunca partem de vez. Sempre ficam no nosso coração."
Alberto S. Santos, in Para lá de Bagdad