O Homem da Nave

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Aquilino Ribeiro
Género: Crónicas
Edição: Abr/2017
Páginas: 232
ISBN: 9789722533454
Editora: Bertrand Editora

 

 

 

Nestas crónicas da Serra da Nave, Aquilino Ribeiro descreve o camponês serrano ardiloso, orgulhoso e batalhador, que segue os ritmos do ano e da terra, vivendo da caça (por vezes furtiva), do campo, dos pequenos episódios do dia a dia. Lê-lo é sermos transportados para aqueles brejos e montes, para aquelas estações inclementes, para a sensualidade da Serra a pulsar de vida em nosso redor e para os dramas e alegrias das pequenas aldeias do interior de Portugal.

Deste autor no Segredo dos Livros:
Príncipes de Portugal
A Retirada dos Dez Mil de Xenofonte (tradução e prefácio)

Autor:

Aquilino Ribeiro nasceu na Beira Alta, concelho de Sernancelhe, no ano de 1885 e morreu em Lisboa em 1963. Deixou uma vasta obra em que cultivou todos os géneros literários, partilhando com Fernando Pessoa, no dizer de Óscar Lopes, o primado das letras portuguesas no século XX. 
Foi sócio de número da Academia das Ciências e, após o 25 de Abril, reintegrado, a título póstumo, na Biblioteca Nacional, condecorado com a Ordem da Liberdade e homenageado, aquando do seu centenário, pelo Ministério da Cultura. Em Setembro de 2007, por votação unânime da Assembleia da República, o seu corpo foi depositado no Panteão Nacional.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Imortal (José Rodrigues dos Santos)
    Compro e leio os livros de José Rodrigues dos Santos que considero de ficção científica, porque gosto ...
  • 15.11.2019 22:00
  • Autópsia
    Lê-se na contrapaca deste livro que se trata de "uma arrepiante distopia, retrato de uma humanidade náufraga".
  • 21.10.2019 22:21
  • A Recriação do Mundo
    Não é segredo que a Alemanha e a URSS correram contra o tempo e contra os Estados Unidos da América para ...
  • 22.09.2019 13:21

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Acredito que, assim como na nossa vida se vão sucedendo acontecimentos de todo o tipo, também na literatura se sucedem esses acontecimentos, que são expressão do que sentimos e pensamos: a criação é a forma que temos de colocar cá fora as nossas esperanças, as nossas certezas, dúvidas, as nossas ideias."
José Saramago in A Estátua e a Pedra