O Mar que a Gente Faz

FaceBook  Twitter  

 

 

 

Autor: João Negreiros
Edição: Mar/2010
Páginas: 104
ISBN: 9789896371944
Editora: Camões & Companhia

 


O Mar que a Gente Faz
leva-nos para o seio de uma família de pescadores, onde todos os dias a faina ainda leva os homens a madrugar e sofrer na pele a força das ondas e a dureza do mar. O menino Sargo – que tem nome de peixe – conta-nos uma história que se lê como uma fábula para pais e filhos. Tudo começa no dia em que Sargo nasce e sorri entre as redes dos pescadores. Daí em diante, é uma narrativa de um brilho e ternura excepcionais.

Recheado de pequenas peripécias que nos levarão do riso às lágrimas, sempre com um forte sentimento de saudade, o menino Sargo vai recordar-nos aquilo que já soubemos e a vida nos fez esquecer; o significado da vida, da morte e do verdadeiro amor. Ninguém ficará indiferente à escrita quase musical, ou à inocência terna da criança que nos conta como tudo acontece, com olhos que tudo observam e tudo sentem.

Autor:

João Negreiros nasceu em Matosinhos a 23 de Novembro de 1976. Foi o primeiro classificado no Prémio Internacional OFF FLIP de Literatura 2009 (Brasil). Em Portugal, entre outros prémios, João Negreiros venceu o Prémio de Poesia Nuno Júdice 2009 e o Prémio Dias de Melo 2012, com o seu romance intitulado “O sol morreu aqui”. Na área do teatro, a sua obra foi crescendo, tendo hoje quatro peças editadas, “Silêncio”, “Os Vendilhões do Templo”, “O segundo do fim” e “Os de sempre”. No âmbito da poesia, publicou quatro livros: “o cheiro da sombra das flores”, seleccionado de entre as melhores obras de poesia ibérica pelo Prémio Correntes d' Escritas 2009, “luto lento”, “a verdade dói e pode estar errada” e “o amor és tu”. Em 2010, foi editado o seu primeiro livro de prosa “O mar que a gente faz”.
Para além de escritor, João Negreiros é actor e tem divulgado a poesia nacional através de espectáculos e vídeos de spoken word. Em 2011, o artista representou a Literatura Portuguesa na 7ª edição do conceituado Festival Internacional das Artes de Castela e Leão.

Comentários  

 
#2 João Teixeira 2010-04-27 16:19
Gostei bastante de ler este livro. João Negreiros escreve com grande sentido poético, o que me faz achar que, em termos de estilo, este livro se inclui na "onda literária" do José Luís Peixoto (espero que, se o João Negreiros alguma vez ler este comentário, não se sinta ofendido com a comparação).
O livro é bastante interessante, mas muito pequenino, pelo que fica a ideia de que se trata de um breve conto que seria interessante ver mais desenvolvido. Em todo o caso, está escrito de uma forma competentíssima e, acima de tudo, bela, apesar de o final ser um pouco prevísivel.
Guardarei boas recordações deste livro, também porque gostei muito das ilustrações que acompanham o texto. Enfim... Uma leitura muito agradável!
 
 
#1 Sebastião Barata 2010-04-18 18:49
Ler João Negreiros foi uma enorme e agradável surpresa. O mar que a gente faz foi o primeiro livro que li do autor, e fiquei deslumbrada.Tan to que vou comprar todos os outros livros do autor.
Um livro delicado e que para mim será uma referência na minha biblioteca.
Um livro que têm de ler ...

Nota: Este comentário foi elaborado por Sónia Areia e colocado a seu pedido.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Uma Mulher Respeitável
    Aqui está a esperada continuação da história de Mariana, "A Filha do Barão", casada com Daniel Turner ...
  • 20.11.2016 19:32
  • O Evangelho segundo Lázaro
    São muitos os evangelhos. Quatro foram aprovados pela Igreja Católica e constam do Novo Testamento, mas ...
  • 10.11.2016 17:34
  • A Irmandade do Santo Sudário
    O thriller religioso é um dos meus géneros literários preferidos. É verdade que nem todos os livros que ...
  • 27.10.2016 22:37

Últimos Tópicos

    • Crônomis 1
    • Olá! Venho divulgar o livro Crônomis, primeiro da trilogia....
    • há 17 horas 36 minutos
    • Compra de Livros
    • Aproveite agora mesmo e compre os melhores livros com cupons de desconto e...
    • há 1 mês 2 dias

Uma Pequena Palavra...

"Não ler, pensei, era como fechar os olhos, fechar os ouvidos, perder sentidos. As pessoas que não liam não tinham sentidos. Andavam como sem ver, sem ouvir, sem falar."
Valter Hugo Mãe in Desumanização