O Túmulo do Mestre

 

 

 

Autor: Rui Pinto    
Edição: Abr/2014
Páginas: 360
ISBN: 9789897362682
Editora: Edições Vieira da Silva

 

 

Que segredo escondia a Ordem dos Templários?
Quando Miguel Sousa, estudante de História na Universidade de Lisboa, é confrontado pelo seu professor e conhecido historiador, Jaime Morais, uma investigação é realizada para perceber o que encontrou a Ordem do Templo na Terra Santa. Enquanto as pesquisas avançam numa sala remota da Universidade, torna-se cada vez mais evidente de que um segredo antigo está escondido na cidade de Tomar, por entre castelos templários e criptas seculares.

Uma Ordem medieval, que há vários séculos se pensava extinta, continua a proteger esse segredo secular, permanecendo oculto pela escuridão do passado. Desempenha a sua missão da melhor forma, evitando que informações perigosas acabem por cair nas mãos erradas. No entanto, quando aquilo que protegem aparenta estar em risco de ser descoberto, uma aventura de cortar a respiração tem início.
Desde a cidade templária de Tomar, até vilas históricas na região do norte de França, passando por aldeias medievais em Portugal, Miguel Sousa segue com uma antiga pesquisa iniciada pelo pai. Porém, a Ordem está disposta a tudo para esconder verdades que podem mudar a História tal como nós a conhecemos, incluindo assassinar quem se atravessa no seu caminho.

Autor – Rui Pinto

Autor:

Rui Pinto nasceu em 1994, na cidade de Lisboa e vive em Benavente, local onde viveu a sua infância e adolescência. Desde muito cedo mostrou um gosto particular pela investigação histórica e pela escrita, realizando as suas próprias pesquisas e deslocando-se até aos vários locais do património nacional para adquirir um maior conhecimento.
Terminou o curso científico-humanístico na Escola Secundária de Benavente e frequentou o curso de História na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
É autor do livro “O Túmulo do Mestre“. A sua escrita é influenciada por escritores como Luís Miguel Rocha, Daniel Silva e Dan Brown.

Siga a sua página no Facebook.

8 comentários
1 like
Anterior: Amores e saudades de um português arreliado – Lançamento no PortoSeguinte: Deixem-me Passar – Lançamento

Comments

  • André

    Abril 19, 2020 at 19:03
    Reply

    Ótimo livro para se ler num fim de semana! Li-o em duas tardes. Os capítulos não são grandes, pelo contrário, são bastante compreensíveis e de leitura fácil!A história também é boa (o que ajuda).

  • Nelinha Sousa

    Abril 18, 2020 at 19:56
    Reply

    O escritor de "O Túmulo do Mestre" conseguiu os seus objectivos.Leva-nos a viver uma história muito interessante, recheada de sobressaltos e prende-nos até ao final. Francamente gostei do que li.Transporta-nos a lugares que conhecemos, o que nos faz sentir que pertencemos à história.É um livro sobre a Ordem dos Templários e as pesquisas feitas na descoberta de um segredo.Querem um conselho... Leiam o livro.

  • Ana Isabel Sousa Oliveira

    Abril 18, 2020 at 16:48
    Reply

    Já li o livro há alguns anos. Foi um livro que li em dois dias, e o final deixa-nos na expectativa do próximo, que aguardo já há algum tempo.

  • Sebastião Barata

    Setembro 8, 2014 at 10:57
    Reply

    Depois dos comentários anteriores, pouco mais há para dizer. Os comentários da Cátia e do Fábio já dizem tudo o que eu trazia em mente após ler o livro. Além disso, os esclarecimentos do autor sobre a próxima continuação da saga apagaram as minhas reticências sobre o final. Eu diria que não houve um final, simplesmente o fim de um primeiro volume. Na verdade, tudo ficou por resolver, à exceção da eliminação de Thoreau, o intermediário usado pela Ordem para conseguir os documentos que iriam mudar a vida ao prof. Jaime Morais. Pelo menos, podia ter havido um casamento para […] Ler Mais...Depois dos comentários anteriores, pouco mais há para dizer. Os comentários da Cátia e do Fábio já dizem tudo o que eu trazia em mente após ler o livro. Além disso, os esclarecimentos do autor sobre a próxima continuação da saga apagaram as minhas reticências sobre o final. Eu diria que não houve um final, simplesmente o fim de um primeiro volume. Na verdade, tudo ficou por resolver, à exceção da eliminação de Thoreau, o intermediário usado pela Ordem para conseguir os documentos que iriam mudar a vida ao prof. Jaime Morais. Pelo menos, podia ter havido um casamento para acabar em beleza...Gostei muito do ritmo da narração e da integração dos vários cenários, feita de uma forma que permitia ao leitor seguir sempre o fio da história. Assim, a leitura tornou-se absorvente e prendeu-me. Neste aspeto, só não gostei das frequentes repetições de cenas que já eram do conhecimento do leitor e cortavam um pouco o entusiasmo deste. Veja-se, por exemplo, o flashback da página 285. Para quê contar outra vez a aventura de Jaime Morais em Rennes, se já todos a sabíamos? Bastava ter escrito que "Duarte recordou-se da conversa que tivera com o o seu amigo Morais há três anos, quando este o informou da forma como foi forçado a regressar a Portugal".Também gostei da abordagem ao famoso segredo dos Templários. Contrariamente à opinião de muita gente, também eu acho mais provável que seja um segredo que vá abalar os fundamentos do cristianismo, do que um tesouro material, por mais valioso que seja. O que me parece que continua por esclarecer é o papel que esse segredo desempenhou no imenso poder e riqueza que os Templários acumularam em pouco tempo. Será que Filipe IV destruiu a Ordem por motivos pessoais relacionados com a dívida do estado francês aos Templários, ou o fez a mando do Papa por motivos mais profundos? Note-se que as maiores acusações que lhes lançaram foram de heresia e bruxaria e não de usura ou de apropriação ilegítima de bens.Será que Rui Pinto nos vai desvendar esse mistério em "O Segredo da Ordem"? Ou esta vai sair da crise, recuperar o livro e tudo voltar à estaca zero? É por isso que ficamos ansiosamente à espera da sua publicação.Para finalizar, digo que é pena que autores bastante promissores como este tenham de se socorrer de editoras com poucos recursos. Apesar de tudo, esta até é uma editora que apoia os seus autores e faz algum esforço para a divulgação das obras que publica. Mas faltam pormenores que iriam tornar as obras mais atraentes, como a qualidade das capas (neste caso uma cartolina plastificada que facilmente começa a descascar) ou a falta de paginação (nota-se que o texto foi moldado num simples processador de texto, de que resultam espaçamentos irregulares derivados da falta de hifenização).De qualquer modo, dou os parabéns ao autor por se ter lançado nesta aventura, apesar da sua juventude, e espero que aceite as críticas como construtivas que são e não desista dos seus objetivos. Read Less

  • Fábio Gonçalves

    Junho 18, 2014 at 0:03
    Reply

    O Túmulo do Mestre é uma obra que nos tira muita coisa: tira-nos a nossa realidade e transporta-nos para uma realidade emocionante e cheia de peripécias que nunca nos deixam sossegados; tira-nos o nosso tempo, pois torna-se quase viciante saber o que Miguel fará a seguir e como Hugue o combaterá; tira-nos preconceitos, uma vez que a ideia que temos de que esta escrita só pode ser elaborada pelos mediatizados e conhecidos escritores, é rapidamente extinta, ao deliciarmo-nos com cada parágrafo escrito por Rui Pinto; tira-nos stress e preocupações, dado que o autor envolve-nos na história, somos levados pelos mistérios […] Ler Mais...O Túmulo do Mestre é uma obra que nos tira muita coisa: tira-nos a nossa realidade e transporta-nos para uma realidade emocionante e cheia de peripécias que nunca nos deixam sossegados; tira-nos o nosso tempo, pois torna-se quase viciante saber o que Miguel fará a seguir e como Hugue o combaterá; tira-nos preconceitos, uma vez que a ideia que temos de que esta escrita só pode ser elaborada pelos mediatizados e conhecidos escritores, é rapidamente extinta, ao deliciarmo-nos com cada parágrafo escrito por Rui Pinto; tira-nos stress e preocupações, dado que o autor envolve-nos na história, somos levados pelos mistérios medievais, somos parte de uma família que quer justiça e faremos aquilo que for necessário para a ter, ajudando Miguel na sua cruzada; e tira-nos, sobretudo, certezas, ao repensarmos as fundações do Cristianismo e o papel que a Ordem dos Templários teve na História Ocidental, assim que começamos a nossa demanda em busca do Segredo. O certo é que o Túmulo do Mestre nos dá imenso. Dá-nos uma obra que se encontra ao nível de grandes escritores. Dá-nos uma obra que nunca se torna maçadora ou aborrecida de ler, tendo sempre algo que nos puxa a ficar, a devorar mais um capítulo, ou dois... ou todos. Dá-nos uma obra que nos acrescenta algo ao nosso “eu”, assuntos para debater entre amigos, algo para ler nas deslocações para o trabalho ou para a escola, algo para ler na praia ou no café, até mesmo antes de dormir, na penumbra da noite, enquanto nos tornamos nós mesmos um pouco Templários. Uma obra que nos dá a conhecer um escritor promissor que, com o seu talento, continuará a surpreender-nos com a sua escrita e a rechear as nossas bibliotecas pessoais, com o seu cunho característico e a sua escrita emocionante, durante muitos anos. Ao terminar a minha leitura, encontro-me agora perdido em mistérios medievais, membro da família Sousa, um entusiasta pela História e pelo surf, na expectativa pelo Segredo!As maiores felicidades na sua cruzada. Que, entre a penumbra do Medievalismo e a iluminação da sua escrita, chegue aos topos internacionais, Rui Pinto! Um grande abraço! Read Less

  • Rui Pinto

    Junho 5, 2014 at 11:03
    Reply

    Cátia Silva, fico contente por ter gostado de ler "O Túmulo do Mestre".Agradeço também a chamada de atenção para o erro da página 318, onde refiro o Comandante Denim quando este se encontra no hospital. Falarei com a editora para que o erro seja emendado na próxima edição.Em relação à questão do colete à prova de bala, passo a dar uma pequena explicação. Um colete à prova de bala utilizado por uma força policial tem capacidade para proteger de armas até 9mm. No entanto, nesse episódio em Troyes, a arma que foi disparada contra o Comandante Denim era uma espingarda […] Ler Mais...Cátia Silva, fico contente por ter gostado de ler "O Túmulo do Mestre".Agradeço também a chamada de atenção para o erro da página 318, onde refiro o Comandante Denim quando este se encontra no hospital. Falarei com a editora para que o erro seja emendado na próxima edição.Em relação à questão do colete à prova de bala, passo a dar uma pequena explicação. Um colete à prova de bala utilizado por uma força policial tem capacidade para proteger de armas até 9mm. No entanto, nesse episódio em Troyes, a arma que foi disparada contra o Comandante Denim era uma espingarda de maior calibre. O que aconteceu foi que o colete conseguiu travar a bala, mas não impediu que este fosse atingido, uma vez que é uma bala perfurante, ao contrário das pistolas, que são balas derrubantes. Nas situações policiais do livro, tive o auxílio de um militar conhecido que me ajudou a dar veracidade à história. Ele disse-me que uma espingarda daquele calibre, disparada de uma torre, e acertando naquele ângulo, é travada pelo colete, mas pode causar hemorragias, partir costelas...Sobre o final aberto da história, aproveito para dizer que a continuação de "O Túmulo do Mestre" já está a ser escrita e não vai tardar até chegar às bancas..."O Segredo da Ordem" já tem vários dos seus capítulos escritos... Read Less

  • Catia Silva

    Junho 4, 2014 at 8:50
    Reply

    Não conhecia o escritor Rui Pinto, pois esta é a sua primeira obra, mas fiquei deveras surpreendida por termos escritores portugueses com uma excelente capacidade para conseguirem criar uma obra literária tão boa. Vi no resumo biográfico do escritor que é bastante novo e, só por isso, já merece os meus parabéns pelo seu início de uma carreira tão promissora. A sua escrita é influenciada por escritores como Luís Miguel Rocha, Daniel Silva e Dan Brown, autores que eu também aprecio muito. Escolhi ler este livro pela simples razão de ter um interesse já muito antigo sobre o tema da […] Ler Mais...Não conhecia o escritor Rui Pinto, pois esta é a sua primeira obra, mas fiquei deveras surpreendida por termos escritores portugueses com uma excelente capacidade para conseguirem criar uma obra literária tão boa. Vi no resumo biográfico do escritor que é bastante novo e, só por isso, já merece os meus parabéns pelo seu início de uma carreira tão promissora. A sua escrita é influenciada por escritores como Luís Miguel Rocha, Daniel Silva e Dan Brown, autores que eu também aprecio muito. Escolhi ler este livro pela simples razão de ter um interesse já muito antigo sobre o tema da Ordem dos Templários e a sua presença na história de Portugal e sobre alguns mistérios que ainda persistem sobre eles até hoje. Um deles é o facto de não se saber o que aconteceu ao grande tesouro que os Templários possuíam e que se pensa estar escondido no Convento de Cristo em Tomar. Gostei muito da abordagem que o escritor Rui Pinto fez ao segredo secular da Ordem do Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão e sobre uma verdade que pode mudar a História tal como nós a conhecemos.Cheio de ação com bastante história à mistura, este é um livro a não perder. Um enredo espetacular, com um conjunto de personagens bastante interessantes e bem estruturadas.O final é que ficou por desvendar. Fiquei com a sensação de que o escritor deixou de propósito o final por escrever para que possa existir continuação da história. O que vai acontecer aos irmãos da Ordem dos Templários que se encontram presos? Qual o segredo que se encontra escondido no diário dos primeiros 9 irmãos da Ordem? Vai o Miguel conseguir desvendar o código contido nas páginas do diário? Ficamos a aguardar uma sequela para estes mistérios.Umas breves notas a ter em conta em próximas edições: Encontrei um pequeno erro na página 318. O escritor faz referência ao Comandante da polícia francesa Denim, a colocar o auricular, numa operação policial na Abadia de Claraval, mas sabemos que este polícia foi baleado e que se encontra no hospital. O polícia a que se queria referir seria o Francis.Uma incoerência na história. O comandante Denim levou um tiro enquanto usava um colete protetor anti-balas; a bala ficou presa no colete, mas informam que teve uma grande hemorragia. Como é possível sofrer de uma grande hemorragia quando a bala ficou presa no colete? O pior que podia acontecer seria sofrer de uma grande pisadura.No decorrer da história, o escritor repete várias vezes a situação sobre a morte dos pais de Fernando e Miguel. Repete também muitas vezes o facto de os irmãos da Ordem terem a cara tapada por causa do capuz das suas vestimentas pretas. Read Less

  • Ana Rita Silva

    Maio 18, 2014 at 20:59
    Reply

    O livro "O Túmulo do Mestre" é excelente, tive o prazer de o ler em apenas uma tarde... É um livro de fácil leitura, em que parece que estamos na história. Adorei, só queria desvendar o segredo e saber mais e mais! Desejosa de conhecer o segredo! Continue a escrever! Parabéns :)

Comentar