O Vale das Bonecas

FaceBook  Twitter  

Autora: Jacqueline Susann
Páginas: 480
Editor: Edições Contraponto

Leia aqui um excerto do livro

Anne, Neely e Jennifer são três jovens fortes, independentes e com muita sede de viver. Mas quando os sonhos da vida se despenham contra os rochedos da desilusão , precisam de algumas «bonecas» -comprimidos calmantes, excitantes, ansiolíticos ou opiáceos - para sobreviver…
Anne: ingénua e doce, mas ansiosa por descobrir tudo o que a vida tem para oferecer…
Neely: um espírito rebelde. Órfã desde a mais tenra idade, só ambiciona uma coisa na vida - rios de dinheiro!
Jennifer: com um corpo de fazer parar o trânsito, este imã sexual só deseja uma coisa - casa e assentar.
Amor, traição, desejo e dependência são retratados em toda a sua crueza neste romance inesquecível, considerado um clássico da literatura norte-americana.

Autora:
Jacqueline Susann nasceu em Filadélfia em 1918. Antes de se dedicar à escrita foi actriz de televisão e teatro. Faleceu em 1974.
O Vale das Bonecas é considerado o livro mais vendido de todos os tempos. Foi adaptado ao cinema, ao teatro e à televisão e conta com mais de 30 milhões de exemplares vendidos só nos EUA.

Comentários  

 
#6 Fátima Rodrigues 2012-06-19 14:02
Este livro apanhou-me completamente desprevenida. Pensava que me sairia uma coisa e saiu-me outra muito melhor. Trata-se de um livro ainda hoje muito atual que nos traz três mulheres, Anne, Neely e Jennifer, cujas vidas se cruzam pelos meandros da fama de NY, retratando-nos a vida de altos e baixos do mundo do espetáculo. De NY a Hollywood, passando pela Europa, muitos são os altos e baixos, as loucuras, os desafios, a podridão, o aproveitamento, os vícios - as "bonecas" de alívio imediato -, o álcool, o sexo, entre tantos outros.
Um livro que nos prende e rapidamente chega ao fim. Mas não se deixem iludir pelo mundo do espetáculo, pois nem tudo é o que parece e nem tudo acaba como gostaríamos.
 
 
+1 #5 Júlia 2010-09-24 21:50
Tinha muitas expectativas sobre este livro e posso dizer que não me desiludiu, apesar de o continuar a achar um pouco morno.
A autora pegou em três mulheres, Anne, Neely e Jennifer, que não eram ninguém, mas cada qual com o seu sonho "americano" e muita ambição. Ao logo de mais ou menos três décadas, assistimos ao sucesso de cada uma e ao seu desmoronamento, aos amores e desamores, como passaram de humildes a cruéis, como passaram de mandadas a mandar e como o sucesso e o trabalho lhes subiram à cabeça, refugiando-se no sexo gratuito, álcool, traição e drogas, as famosas bonecas... para conseguirem suportar mais um dia.
Um livro fácil de ler e que, apesar de ter sido escrito há mais de quarenta anos, continua actual, e é neste aspecto que para mim "É de se lhe tirar o chapéu"!
 
 
+1 #4 Catia Silva 2010-08-05 22:41
Apesar deste livro ter sido escrito em 1966, fala sobre temas bastantes actuais.
Uma excelente escritora, uma escrita fácil de acompanhar.
Este livro foi lido nas minhas "pausas" e "esperas" durante as minhas férias ao Cairo e Jordânia.
 
 
#3 Ana 2010-07-08 18:32
Este livro chamou-me a atenção pela designação de "O maior best seller feminino de todos os tempos".
O livro foi escrito nos anos 60 e retrata a vida glamourosa (ou não) das vedetas de Tv, teatro, com temperamentos extremamente difíceis, pois eram mimados, mal educados, etc.
No geral, gostei da escrita, é fácil de acompanhar, mas, por outro lado, não gostei da mentalidade retratada (sei que retrata a época).
O escape utilizado pelas personagens eram todo o género de comprimidos, o que hoje em dia todos fazem sem qualquer problema ou pudor.

Acho fantástico que um livro com tantos anos ainda hoje marque a diferença.
 
 
#2 Vera Mouta 2010-06-09 23:10
Este é um livro que foi escrito há algum tempo e que continua intemporal. A autora escreve sobre um tema que conhece bem, visto que viveu nesse meio – o do cinema e da televisão.
Neste livro acompanhamos a vida de 3 jovens – Anne, Neely e Jennifer - desde meados dos anos 40 até à década de 60, as suas perspectivas de vida, frustrações, infelicidades, amores e desamores e o porquê de terem começado a ingerir “bonecas” de todas as cores e feitios.

Este livro despertou em mim sentimentos ambíguos.
No geral gostei, só que não gostei da forma como a autora descreveu estas personagens.
Na minha opinião só mostra os “podres” que existem neste mundo. Por isso, antigamente o mundo do espectáculo era tão mal visto e nenhum pai queria que a filha fosse para esse mundo e este livro só vem confirmar esse ponto de vista.
Estas personagens são mentirosas, superficiais, interesseiras, mimadas, parece que não têm auto estima. Tanto podem ser amigas umas das outras, como para seguir estar a apunhalarem-se pelas costas. Aguentam coisas só para as outras pessoas não comentarem e tal… enfim acho que pode ser um reflexo da sociedade da altura e creio que ainda nos dias de hoje acontece, mas não desta forma tão excessivamente negativa.

O título do livro é referente às drogas que estas mulheres tomavam para as ajudarem a passar os dias, comprimidos que as ajudam a abstrair-se do mundo em que viviam.

Eu não digo que o que é retratado aqui neste livro não exista hoje em dia, porque existe, e não é preciso ser do mundo do espectáculo para as pessoas se “encharcarem” de comprimidos, só que cheguei ao fim do livro e nenhuma destas mulheres criou simpatia e vi este mundo como um mundo de podridão.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • A Ilustre Casa de Ramires
    NOTA: Este comentário contém spoilers (*** não leia se pretender ainda ler o livro ***) Após 2 ou ...
  • 28.06.2020 09:42
  • Imortal (José Rodrigues dos Santos)
    Acabei (finalmente) de ler o mais recente livro de José Rodrigues dos Santos - Imortal que trata de um ...
  • 01.06.2020 23:30
  • O Túmulo do Mestre
    Ótimo livro para se ler num fim de semana! Li-o em duas tardes. Os capítulos não são grandes, pelo ...
  • 19.04.2020 19:03

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“Há livros facilmente consumíveis e que dão um conforto simples às pessoas. Não é o meu negócio.”
Salman Rushdie