Os 30 - Nada é Como Sonhámos

FaceBook  Twitter  

 

 

  

 

Autora: Filipa Fonseca Silva
Edição: Mai/2011
Páginas: 176
ISBN: 9789895557233
Editora: Oficina do livro

 

 

FILIPE assume-se como um coleccionador de relações falhadas e continua preso à sua paixão de adolescência. MARIA foi deixada pelo namorado três meses antes do casamento e procurou curar-se do desgosto com uma longa viagem; e JOANA, menina do papá controladora e moralista, acabou por dar o nó com o rapaz errado, vivendo um relacionamento de fachada por mero oportunismo. Os três conhecem-se desde os tempos da faculdade, quando faziam parte de um grupo de amigos muito unido e cheio de sonhos e expectativas; mas a vida – com as suas voltas e reviravoltas às vezes ingratas – encarregou-se de os ir afastando, e está na hora de todos se juntarem para, finalmente, falarem do que os une e do que os separa.

Durante um jantar no qual tilintam os cristais e brilham os talheres de uma Joana cada vez mais convencional, demasiadas surpresas ameaçarão, porém, a ordem natural das coisas: revelações e encontros imprevistos, reconciliações e jogos de sedução, transgressões e actos de adultério. No fim, já se vê, nada será como antes. Como uma espécie de “Os Amigos de Alex do século XXI”, este é um romance extremamente lúcido sobre o fim da inocência e os percursos de um grupo de jovens que, entre paixões e desilusões, chegam, mesmo sem querer, à idade adulta. Com doses iguais de humor e realismo, a autora capta de forma perspicaz o sentimento de uma geração a que chamaram «rasca», fazendo o seu retrato ao mesmo tempo indulgente e implacável.

Autora:

Filipa Fonseca Silva nasceu no Barreiro em 1979. Licenciada em Comunicação Social e Cultural pela Universidade Católica, preferiu a publicidade ao jornalismo, tornando-se redatora publicitária em 2004, profissão que ainda exerce. Sonha tornar o mundo mais verde e espalhar histórias bonitas. Os Trinta – Nada é como Sonhámos foi a sua primeira obra publicada, seguindo-se-lhe O Estranho Ano de Vanessa M. e Coisas que uma Mãe Descobre. É a única portuguesa a ter chegado ao Top 100 da Amazon em todo o mundo. Além de escrever, adora pintar, colecionar sapatos e comer melancia. Vive em Lisboa com o marido e os filhos.

Seja um seguidor da autora nas suas páginas do Facebook, do Twitter ou no seu blogue.

Comentários  

 
+1 #2 Cristina Delgado 2011-10-27 18:28
Uma leitura muito agradável e divertida, esta! Num tom fluído, cheio de humor, entramos na vida de um grupo de amigos, "trintões", através dos pensamentos de Filipe, Joana e Maria. Dei comigo a sorrir interiormente com os comentários íntimos desses três amigos.

Uma leitura leve, mas que nos leva a reflectir sobre alguns momentos mais caricatos da vida (da nossa vida, talvez?). Gostei e recomendo!
 
 
+1 #1 Helena 2011-09-25 23:02
Divertidíssimo, inteligente e muito atual.
Para alguém com alguma reticência em ler autores portugueses, mas que já foi agradavelmente surpreendida, este romance foi uma agradável surpresa pelos bons momentos de leitura que me proporcionou.

A ideia não é original, mas as personagens são ricas de conteúdo e de expressividade e todas são estereotipos que tão bem conhecemos. A interação das mesmas, depois de um período de afastamento, em que seguiram percursos distintos, leva-as a confrontos irónicos, críticos e até cínicos, mas também a reflexões e auto-análises.
E como leitora, também foi uma experiência intensa que me deu que pensar.
Merece ser mais divulgado, porque foi um prazer de ler.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • A arte de caçar destinos
    Quando estava a acabar de ler este livro, comecei a ficar cheio de ideias para fazer um extenso ...
  • 11.09.2017 13:43
  • A Sibila
    Em simultâneo com um livro infantil, esta é a primeira grande obra de Agustina Bessa-Luís a ser lançada ...
  • 28.08.2017 09:22
  • Terrarium
    Não sei se todos os que estão a ler este comentário sabem o que é um "Terrarium". Para quem não sabe ...
  • 19.08.2017 23:11

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“Todo o dia, devíamos ler um bom livro, uma boa poesia, ver um quadro bonito, e, se possível, dizer algumas palavras sensatas.”
Johann Goethe