A Célula de Lisboa

 

 

Autor: Jorge Almeida
Género: Romance policial
Edição: Mai/2019
Páginas: 236
ISBN: 9781095789452
Editora: Ego

 

 


O pior inimigo é o que vê na sua morte a vitória.

Mohamed, um operacional de uma perigosa célula terrorista islâmica está a ser vigiado no seu apartamento em Lisboa pelos serviços secretos portugueses. Alexandre, um dos agentes do SIS, acaba por se envolver numa relação amorosa com uma vizinha do terrorista, sem nunca desconfiar que, na verdade, Michelle é uma espia britânica ao serviço do MI 6 à procura de informações sobre a mesma célula.

Continuar...

Minuto do Palhaço Frente ao Espelho

 

 

Autor: Manuel Andrade
Género: Romance
Edição: Mai/2019
Páginas: 152
ISBN: 9789895400867
Editora: Idioteque

 

 


Esta nova obra de Manuel Andrade, introduzida na contracapa pela frase quase naïf "é um livrinho pequeno que se lê numa noite, é uma obra maior que se carrega uma vida - disse um dia um carpinteiro", questiona, não obstante e de fio a pavio "não raramente no fio da navalha" o risível de uma existência que é afinal a de todos nós.

Continuar...

Assim Escrevia Bento Kissama

 

 

Autor: Carlos Taveira
Género: Romance
Edição: Mai/2019
Páginas: 296
ISBN: 9789897024764
Editora: Guerra & Paz

 

 


De aguardente velhíssima em punho, Bento Kissama metralha o teclado, acordando memórias da guerra civil angolana onde se bateu, disparou obuses e matou sem vontade. Escreve-as no seu refúgio de Olhão, um albergue comprado com dinheiros herdados e lavados onde enriquece, engorda e seduz turistas em cio. O acaso, porém, coloca-o na encruzilhada de uma correspondência tão inesperada como inquietante, provocando-lhe delírios filosófico-etílicos que rondam a loucura. Para reconquistar o equilíbrio perdido regressa a Angola, onde desaparece, deixando três cadernos nas mãos de um editor.

Continuar...

Anatomia dos Mártires

 

 

Autor: João Tordo
Género: Romance
Edição: Mai/2019
Páginas: 336
ISBN: 9789896656133
Editora: Companhia das Letras

 

 

 

No epicentro da crise financeira em Portugal, um jornalista demasiado ambicioso decide provar ao seu editor - Raul Cinzas, o inveterado comunista que os leitores de Tordo conhecerão de Biografia Involuntária dos Amantes - que é capaz de muito mais do que ser um mero repórter.
Aproveitando a entrevista a um biógrafo de um mártir religioso, o jornalista faz uma analogia com a história de Catarina Eufémia, a camponesa assassinada, em 1954, por um tenente da GNR a mando da PIDE.

Continuar...

Pratas Conquistador

 

 

Autor: Paulo M. Morais
Género: Biografias
Edição: Mai/2019
Páginas: 264
ISBN: 9789897801228
Editora: Casa das Letras

 

 


A história desconhecida de um Charlot português

No meio da tarefa de esvaziar uma casa de família, a descoberta inesperada de um conjunto de cartas, fotografias e recortes revela ao narrador a existência de um tio-bisavô pioneiro do cinema em Portugal. Será o misterioso tio Emídio, curiosa personagem das anedotas familiares, o mesmo Emygdio Ribeiro Pratas, autor e intérprete, em 1917, da primeira comédia cinematográfica portuguesa ao estilo de Charlot? Que destino foi, afinal, o deste homem que teve uma vida absolutamente aventurosa? E porque terá sido votado ao esquecimento?

Continuar...

Últimas Opiniões

  • Crash
    Depois de ter lido "Arranha-Céus" de J. G. Ballard, um romance que me deixou a pensar seriamente nos ...
  • 10.07.2019 22:32
  • Amantes de Buenos Aires
    Amantes de Buenos Aires, o novo romance de Alberto S. Santos, baseia-se numa história real e segue a ...
  • 08.07.2019 16:24
  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Algumas obras morrem porque nada valem; estas, por morrerem logo, são natimortas. Outras têm o dia breve que lhes confere a sua expressão de um estado de espírito passageiro ou de uma moda da sociedade; morrem na infância. Outras, de maior escopo, coexistem com uma época inteira do país, em cuja língua foram escritas, e, passada essa época, elas também passam; morrem na puberdade da fama e não alcançam mais do que a adolescência na vida perene da glória. Outras ainda, como exprimem coisas fundamentais da mentalidade do seu país, ou da civilização, a que ele pertence, duram tanto quanto dura aquela civilização; essas alcançam a idade adulta da glória universal. Mas outras duram além da civilização, cujos sentimentos expressam. Essas atingem aquela maturidade de vida que é tão mortal como os Deuses, que começam mas não acabam, como acontece com o Tempo."
Fernando Pessoa, in Heróstrato