Seria Sempre Tarde

 

 

Autor: Manuel Afonso Costa
Género: Poesia
Edição: Set/2019
Páginas: 184
ISBN: 9789723720976
Editora: Assírio & Alvim

 

 


Seria sempre tarde
apresenta-nos um olhar nostálgico sobre cidades e aldeias que a memória preservou, povoadas de alegria e inocência, mas também de fantasmas e desolação.

Continuar...

No rasto dos duendes eléctricos (Poesia 1978 – 2018)

 

 

Autor: Adolfo Luxúria Canibal
Género: Poesia
Coleção: Elogio da sombra
Edição: Set/2019
Páginas: 448
ISBN: 9789720032294
Editora: Porto Editora

  



O rock é sobretudo contracultura, oposição à padronização ou higienização social. Na sua mais elementar definição, o rock está como um convite à liberdade, defendendo a oportunidade para a informalidade e para a mais desabrida emoção. Há um arrebatamento esperado no seu som, uma entrega que pressupõe a reeducação para a dimensão sensorial, profundamente animal, sem pudor ou crime.
O trabalho de Adolfo Luxúria Canibal é um dos mais cultos no panorama do rock português. Exímio à frente dos Mão Morta, o seu carisma justifica parte da contínua vigência da sua grande banda, carisma que adensa com letras frontais, sempre colocadas como golpe perante um mundo de seduções, vícios e falhas virtudes.

Continuar...

Estrutura da Antiga Sociedade Portuguesa

 

 

Autor: Vitorino Magalhães Godinho
Género: História de Portugal / Sociologia
Edição: Set/2019
Páginas: 262
ISBN: 9789724417295
Editora: Edições 70

 

 


Com quatro edições entre 1971 e 1980, esta obra - fundamental para se compreender Portugal - volta a ser reeditada. Trata-se do ensaio mais importante sobre a história e a sociedade portuguesa, publicado na segunda metade do século XX. Nele, o seu autor desenvolve um método de análise das estruturas, situadas no tempo longo. Estruturas arcaicas, de uma sociedade de antigo regime que teima em permanecer, apesar dos esforços de modernização. O resultado é uma obra-prima, que continua a merecer ser lida e discutida.

Continuar...

Obras Completas Maria Judite de Carvalho - Volume V

 

 

Autora: Maria Judite de Carvalho
Género: Contos
Edição: Set/2019
Páginas: 274
ISBN: 9789898866660
Editora: Minotauro

 

 


Este Tempo | Seta Despedida | A Flor que Havia na Água Parada | Havemos de Rir!

Maria Judite de Carvalho foi a escritora da solidão e do silêncio das «palavras poupadas». Fez nas suas novelas e contos o retrato irónico e desencantado da pequena burguesia lisboeta, das frustrações e desistências das mulheres e dos velhos, de toda uma sociedade lentamente envenenada pela moral hipócrita do fascismo português. Aliando o humor à arte da concisão e da reticência, convidou o leitor a entrar nas suas histórias e a completá-las, a vivê-las de algum modo.

Continuar...

O Camões Conseguiu Escrever Muito para Quem Só Tinha um Olho E outras respostas disparatadas em aulas e testes de Português

 

 

Autora: Lúcia Vaz Pedro
Género: Linguística
Edição: Set/2019
Páginas: 288
ISBN: 9789898975249
Editora: Manuscrito

 

 


À pergunta «Qual a função do apóstrofo?» o aluno responde: «Os apóstrofos são os discípulos de Jesus e andavam sempre com ele.»
A meio da aula há um aluno que levanta uma dúvida: «Professora, como é que Camões conseguia escrever tanto só com um olho?»
Honestidade acima de tudo! O que fazer quando um aluno escreve na pergunta de um teste: «Não estudei. Ou tive uma branca. Não me lembro da matéria. Pode dar nega»?

Continuar...

Últimas Opiniões

  • A Recriação do Mundo
    Não é segredo que a Alemanha e a URSS correram contra o tempo e contra os Estados Unidos da América para ...
  • 22.09.2019 13:21
  • Hugo Chávez, o colapso da Venezuela
    Gosto de estar bem informado e não fazer juízos sem conhecimento de causa. O governo da Venezuela tem ...
  • 02.09.2019 14:09
  • Autobiografia
    "Autobiografia" , o novo romance de José Luís Peixoto, é o 3º livro que leio deste autor. Os anteriores ...
  • 18.08.2019 17:41

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Apenas se deveriam ler os livros que nos picam e que nos mordem. Se o livro que lemos não nos desperta como um murro no crânio, para quê lê-lo?"
Franz Kafka