Materiais para Confecção de um Espanador de Tristezas

 

  

 

Autor: Ondjaki
Género: Poesia
Edição: 2009
Páginas: 88
ISBN: 9789722120296
Editora: Caminho

 


...Segundo Paulinho Assunção (escritor brasileiro):
«Você pode imaginar uma esquina do mundo onde Ondjaki encontra Manoel de Barros, Luandino Vieira, Guimarães Rosa, Adélia Prado, Raduan Nassar. [...] Você também pode imaginar o que eu imagino ao ler este novo livro de Ondjaki. É um livro que tem um jeito de apalpar a língua como quem apalpa o dorso de um rio. Ou tem um jeito de escrever as palavras da língua como quem rumoreja sussurros para não assustá-las.

Continuar...

98 Tiros de Audiência

 

 

 

 

Autor: Aguinaldo Silva
Páginas: 333
Editora: Contraponto

 

 


Um romance surpreendente do criador de personagens como Tieta do Agreste, Roque Santeiro, Senhozinho Malta e Viúva Porcina
Quem matou a estrela da novela das oito, a amada e odiada Aurora Constanti?
“Aurora Constanti era o meu nome. A italianona como meus antigos colegas de escola me chamavam, na verdade apenas filha de oriundi, nascida num rincão distante, um cu-de-judas qualquer do Rio Grande do Sul. Ex meia dúzia de coisas antes de descobrir minha única e verdadeira vocação: (a de destruidora de lares, diziam outras mulheres cujos maridos, até mesmo sem querer, eu desvirtuara) modelo, manequim, jornalista ainda que semi-analfabeta (mas aprendi a ler e reflectir com o tempo), quase candidata a vereadora, destaque de escola de samba e finalmente actriz.”

Continuar...

marés de inverno

 

 

 

Autor: Luís Miguel Raposo
Edição: 2009
Páginas: 151
ISBN: 9789896131067
Editora: Quinto Selo

 

 

« - A minha memória tem buracos que não consigo preencher - disse-me em tom triste. Quero recordar a nossa juventude, mas tudo parece desligado. Tu podias escrever acerca de nós, Vasco, sempre tiveste jeito para essas coisas.» Deitado numa cama de hospital para morrer, Michael vai perdendo a clareza das memórias de rapaz, quando o seu mundo era apenas um grupo de amigos surfistas e a enorme paixão pelo mar que os mantinha unidos.

Continuar...

Jane-Emily

Autor: Patricia Clapp
Editora: Bico de Pena
Páginas: 122


Emily era uma criança mimada, teimosa e egoísta que morreu pouco antes de fazer treze anos. Mas isso foi há muito tempo… Jane é uma órfã de nove anos que vai passar o Verão a casa da avó, uma misteriosa mansão no Massachusetts. Jane é introvertida triste, e, pouco dada a brincadeiras de criança. Um dia, ao olhar para uma bola espelhada que enfeita o jardim, vê reflectido um rosto que não é o seu…

Continuar...

Um Obscuro Objecto de Desejo

Autor: Pierre Louÿs
Editora: Bico de Pena
Páginas: 109


Um Obscuro Objecto de Desejo é uma narrativa que transcende o desejo; através da história de Don Mateo e da sua paixão por uma jovem sedutora, Conchita Pérez. O que começa como uma amizade semicaridosa rapidamente se transforma num tortuoso jogo de sedução. Conchita, virginal e devassa, arrebatadora e distante, afectuosa e fria, é um irresistível poço de contradições. Mateo passa de rico protector a mero joguete nas mãos desta menina-mulher, que domina com uma mestria surpreendente a arte da inocência fingida. Este livro retrata a marcante história de um amor tempestuoso, e Conchita Pérez – a quem Marlene Dietrich e Brigitte Bardot deram corpo, e cuja tortuosa história fascinou Luis Buñuel e Josef von Sternberg – é uma das mais inesquecíveis femmes fatales da literatura ocidental.

Últimas Opiniões

  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03
  • A Aluna Americana
    Este é o mais recente romance de João Pedro Marques, autor de, entre outros, "Uma Fazenda em África" ...
  • 25.04.2019 20:42
  • O Último Cabalista de Lisboa
    Consegui, finalmente, ler este livro que foi o primeiro romance de Richard Zimler. Publicado em 1996 ...
  • 07.04.2019 23:56

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Apenas se deveriam ler os livros que nos picam e que nos mordem. Se o livro que lemos não nos desperta como um murro no crânio, para quê lê-lo?"
Franz Kafka