Pela Terra Alheia. Notas de Viagem

Autor: Ramalho Ortigão
Género: Viagens
Edição: Set/2020
Páginas: 280
ISBN: 9789897226786
Editora: Quetzal

 

 

A invenção da moderna literatura portuguesa de viagens
As grandes descrições e narrativas de Ramalho Ortigão inventaram a moderna literatura portuguesa de viagens, emprestando-lhe cosmopolitismo, alegria e luxúria – e um picante de humor e ironia que só Ramalho pôde conhecer.
Condensando num só volume os dois tomos da edição original que reúne textos escritos entre 1867 e 1910, esta edição de Pela Terra Alheia percorre a Espanha, a Argentina, a França, a Alemanha e a Itália. São evidentes o apreço pelo detalhe, a notável ironia de Ramalho Ortigão, bem como o seu deslumbramento pelas cidades e paragens que visita. Simultaneamente romântico e cosmopolita — o autor de Praias de Portugal é um viajante culto e informado, desejoso da companhia do leitor; por isso, os seus textos são visuais, enaltecem a paisagem (descrevendo-a em pinceladas fortes), elogiam os costumes e os hábitos estranhos, constroem um ideal de civilização onde o homem é substituído pelo gentleman e a curiosidade é tão eterna como as paragens por onde nos leva, concebendo-se a si mesmo como «um risonho fantasma de pé leve».
O final é digno de uma grande ópera, à vista da Sicília, a súmula do espírito da civilização.

Deste autor no Segredo dos Livros:
Banhos de Caldas e Águas Minerais

Autor – Ramalho Ortigão

Autor:

Ramalho Ortigão foi escritor e jornalista. Nasceu no Porto, onde foi criado pela avó, e estudou Direito em Coimbra, não tendo, porém, acabado o curso. Foi professor de Eça de Queirós, com quem escreveu um dos primeiros livros policiais da literatura portuguesa. Com Eça também fundou mais tarde As Farpas. Com Antero de Quental bateu-se em duelo, à espada, por causa de uma contenda decorrente da Questão Coimbrã. Figura destacada do século XIX, literário e intelectual português, e, em particular, da Geração de 70, foi um ilustre membro do grupo dos “Vencidos da Vida”.

0 comentários
0 likes
Anterior: TorporSeguinte: O Conselho de Estado no Antigo Regime e no Liberalismo – Portugal, Espanha e França

Comentar