Poesia completa de Maria Alberta Menéres

FaceBook  Twitter  

 


Autora:
Maria Alberta Menéres
Género: Poesia
Edição: Jun/2020
Páginas: 480
ISBN: 9789720032416
Editora: Porto Editora

 

 


A enorme reputação de Maria Alberta Menéres como autora infantojuvenil silenciou, de certa maneira, a sua produção poética. É esse esquecimento injusto que agora se pretende corrigir. Publicam-se, assim, pela primeira vez, não só os seus livros de poemas, Intervalo, Cântico de Barro, A Palavra Impercetível, Água-Memória, O Robot Sensível, A Pegada do Yeti, Os Mosquitos de Suburna e O Jogo dos Silêncios, como ainda textos e poemas dispersos publicados e inéditos. E se, ainda assim, este exemplo de vastíssima erudição não bastar, que se leiam as lúcidas palavras de E. M. de Melo e Castro, posfaciador desta edição: «O melhor é ler e reler, quantas vezes for necessário […]»

Autora:

Maria Alberta Menéres nasceu em Vila Nova de Gaia, em 25 de agosto de 1930.
Licenciada em Ciências Histórico-Filosóficas pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foi professora do Ensino Técnico, Preparatório e Secundário, nas disciplinas de Língua Portuguesa e História (de 1965 a 1973).
Organizou a Antologia da Poesia Moderna Portuguesa (1940/1967), em 1976, e, dois anos mais tarde, a Novíssima Antologia da Moderna Poesia Portuguesa, 2 volumes, pela Moraes Editora, em parceria com o Poeta E. M. de Melo e Castro.
De 1974 a 1986, foi Diretora do Departamento de Programas Infantis e Juvenis da Radiotelevisão Portuguesa, RTP, tendo sido autora e produtora de inúmeros programas televisivos para crianças e jovens, uma vez que nessa época "quem comandava também criava"!!
Foi Assessora do Provedor de Justiça, de 1993 a 1998, sendo da sua responsabilidade as primeiras linhas de apoio a Crianças e Idosos em Portugal.
Poeta e Escritora, Maria Alberta Menéres é autora de mais de 100 livros infantis e juvenis, com merecido destaque para o especialíssimo Ulisses, que conta já com 45 edições e mais de um milhão de exemplares vendidos.
Entre as múltiplas atividades Maria Alberta Menéres foi, também, a criadora do conceito, e deu o nome, ao "Pirilampo Mágico", a convite de José Manuel Nunes da Antena 1. Foi autora durante seis anos das letras das canções dessa campanha solidária "Pirilampo Mágico", campanha que dura até hoje.
Em 1975 adaptou para o Português atual a obra PEREGRINAÇÃO de Fernão Mendes Pinto, (2 volumes, Edições Afrodite) sendo esta adaptação considerada a melhor adaptação desta obra, sendo estudada e editada também no Brasil, pela Editora Nova Fronteira.
Fez traduções, adaptações, dezenas de peças de teatro, para além de uma sólida obra de poesia adulta com 15 livros publicados, e que em breve será totalmente reeditada e organizada pela Porto Editora, com o título "POESIA COMPLETA".
Em 1986 recebeu o Grande Prémio Gulbenkian de Literatura para Crianças, "pelo conjunto da sua obra literária e a manutenção de um alto nível de qualidade".
Em 2010 foi agraciada com a Condecoração da Ordem de Mérito Civil no grau de Comendador.
É Mãe de Alberta Melo e Castro e de Eugénia Melo e Castro, avó de Mariana Melo e bisavó de Mia, com 9 anos.
Maria Alberta Menéres faleceu em Lisboa, a 15 de abril de 2019, com 88 anos de idade.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • A Ilustre Casa de Ramires
    NOTA: Este comentário contém spoilers (*** não leia se pretender ainda ler o livro ***) Após 2 ou ...
  • 28.06.2020 09:42
  • Imortal (José Rodrigues dos Santos)
    Acabei (finalmente) de ler o mais recente livro de José Rodrigues dos Santos - Imortal que trata de um ...
  • 01.06.2020 23:30
  • O Túmulo do Mestre
    Ótimo livro para se ler num fim de semana! Li-o em duas tardes. Os capítulos não são grandes, pelo ...
  • 19.04.2020 19:03

Últimos Tópicos

    • Navia
    • Navia, nascida no ano 410 D.C, época em que a Lusitânia encontra-se instável...
    • há 4 dias 18 horas
    • Navia
    • Navia Navia, nascida no ano 410 D.C, época em que a Lusitânia encontra-se...
    • há 4 dias 18 horas

Uma Pequena Palavra...

“Há livros facilmente consumíveis e que dão um conforto simples às pessoas. Não é o meu negócio.”
Salman Rushdie