Poesia Completa de Mário de Sá-Carneiro

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Ricardo Vasconcelos
Género: Poesia
Edição: Abr/2017
Páginas: 696
ISBN: 9789896713720
Editora: Tinta da China

 

 

FINALMENTE, A EDIÇÃO DE REFERÊNCIA DA POESIA COMPLETA DE MÁRIO DE SÁ-CARNEIRO.
Primeira edição crítica e anotada da obra de um dos maiores vultos a literatura portuguesa, desde a juvenília até à obra adulta. Cem anos passados sobre a morte do escritor, Poesia Completa de Mário de Sá-Carneiro reúne pela primeira vez toda a sua obra poética. Inclui: A juvenília poética, com os poemas escritos entre 1902 e 1913; A obra entre 1913 e 1916, data da sua morte; Um apreciável conjunto de fac-símiles a cores, muitos deles inéditos; Cartas inéditas (de autoria diversa) enviadas a Fernando Pessoa depois da morte de Sá-Carneiro, revelando novos dados sobre os poemas encontrados no quarto de Paris.

"Quem nunca se sentiu um «dúbio mascarado», ou nunca temeu passar «na vida incógnito», que atire a Sá-Carneiro a primeira pedra, ou aproveite a sua ajuda para se sentir mais humano."
Ricardo Vasconcelos, Apresentação.

Autor:

Ricardo Vasconcelos é professor de Literatura Portuguesa e Brasileira na Universidade Estadual de San Diego (Califórnia), onde dirige o programa de português. As suas áreas de investigação sobre literatura moderna e contemporânea incluem as relações entre os modernismos português e brasileiro e as vanguardas europeias, e neste contexto tem dedicado particular atenção à obra de Mário de Sá-Carneiro. Coordena, na Tinta-da-China, as edições críticas dos trabalhos de Mário de Sá-Carneiro.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

Últimos Tópicos

    • 16 de julho
    • Sou a Joana e faço anos a 16 de julho. Sou caranguejo...
    • há 3 semanas 6 dias
    • Livros infantis
    • Olá a todos!!! Sei que tem por aqui muitas mamães que têm filhos que adoram...
    • há 1 mês 1 semana

Uma Pequena Palavra...

"A leitura é uma fonte inesgotável de prazer mas, por incrível que pareça, a quase totalidade não sente esta sede."
Carlos Drummond de Andrade