Poesia Completa - Ivan Junqueira

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Ivan Junqueira
Género: Poesia
Edição: Fev/2020
Páginas: 452
ISBN: 9789898950390
Editora: Glaciar

 

 


"A lírica junqueiriana, como um todo, reúne o par vida-morte de que fala Paz, podendo ser lida, ainda, como uma elegia única — a elegia de uma despedida sem partida, formada por um sublime e coeso conjunto de textos, incorporados que estão ao cânone da poesia de língua portuguesa."
Do prefácio de Ricardo Vieira Lima

A primeira edição em todo o mundo da obra poética de Ivan Junqueira, na décima segunda parceria entre a Glaciar e a Academia Brasileira de Letras.

Autor:

Ivan Junqueira nasceu no Brasil em 1934. Realizou os seus primeiros estudos na mesma cidade. Posteriormente, ingressou nas faculdades de Medicina e Filosofia, da Universidade do Brasil, cujos cursos, porém, não chegou a concluir. Iniciou-se no jornalismo em 1963, na Tribuna da Imprensa, tendo atuado, ainda, no Correio da Manhã, Jornal do Brasil e O Globo, nos quais exerceria os cargos de redator e subeditor, até o ano de 1987. Entre 1970 e 1977, foi assessor de imprensa e, em seguida, diretor do Centro de Informações das Nações Unidas, no Rio de Janeiro. Tornou-se, mais tarde, supervisor editorial da Editora Expressão e Cultura, e diretor do Núcleo Editorial da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), além de colaborador das enciclopédias Barsa, Britannica, Delta Larousse e Mirador Internacional. No início da década de 1980, assessorou o escritor Rubem Fonseca, na época presidente da Fundação Rio. Como crítico literário e ensaísta, colaborou em todos os grandes jornais e revistas brasileiros, Em 1984, foi eleito "Personalidade do Ano" pela União Brasileira de Escritores (UBE). Trabalhou na Fundação Nacional de Artes Cênicas (FUNDACEN) entre 1987 e 1990. No ano seguinte, transferiu-se para a Fundação Nacional de Arte (FUNARTE), onde foi editor da revista Piracema e chefe da Divisão de Texto da Coordenação de Edições, tendo-se aposentado do serviço público em 1997. Foi, ainda, editor adjunto e editor executivo (1993-2002) da revista Poesia Sempre, da Fundação Biblioteca Nacional. Eleito para a ABL em março de 2000, foi tesoureiro (2001), secretário-geral (2002-2003 e 2008-2009) e presidente dessa instituição (2004-2005). Recebeu vários prémios literários, no Brasil e no exterior, ao longo de sua carreira, seja como poeta, tradutor ou ensaísta. Em 23 de junho de 2005, participou, em Paris, da sessão conjuntada Academia Brasileira de Letras e da Académie Française, ocasião em que lhe foi concedida a Medalha de Richelieu, a mais alta condecoração dessa entidade. Morreu no Rio de Janeiro, em 3 de julho de 2014, aos 79 anos. A sua poesia está traduzida para espanhol, alemão, francês, inglês, italiano, dinamarquês, russo e chinês.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Deixem Passar o Homem Invisível
    Dez anos depois de ter vencido o Grande Prémio de Romance e Novela APE/DGLB 2009, regressa em nova ...
  • 25.03.2020 23:36
  • O Caçador de Brinquedos
    Se gosta de ficção científica, não deixe de ler este livro! João Barreiros é considerado um dos ...
  • 12.03.2020 16:59
  • A Morte do Papa
    Depois de ter lido todos os livros anteriores de Nuno Nepomuceno, este foi o primeiro em que tive ...
  • 24.02.2020 00:22

Últimos Tópicos

    • Frecha
    • - Frecha, toda a magia tem um preço, sabes disso. Tens a certeza que queres...
    • há 1 semana 11 horas
    • Frecha (Saga "Os castros")
    • "- Frecha, toda a magia tem um preço, sabes disso. Tens a certeza que queres...
    • há 1 semana 11 horas
    • Espaço para livros
    • Uma maneira simples e barata é embrulhá-los em rolo autoaderente, daquele que...
    • há 2 meses 4 dias
    • Melhores Livros De Romance
    • Obrigado pela partilha! Diversos desses livros têm nomes diferentes na edição...
    • há 2 meses 6 dias

Uma Pequena Palavra...

“E desde então decidi que a POESIA é a forma mais curta, mais doce, mais explosiva. Para que escrever um romance se é possível dizer o mesmo em dez linhas?”
Charles Bukowski