Portugal: 1974-2019 - 45 Anos de Democracia

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Adelino Cunha
Género: História Contemporânea de Portugal
Edição: Abr/2019
Páginas: 256
ISBN: 9789724079127
Editora: Almedina

 

 


Portugal: 1974-2019 - 45 anos de democracia
aborda temas de interesse alargado que respondem à questão: Como mudou Portugal e como mudaram os Portugueses após a rutura do regime político e a construção de um novo ciclo histórico?

Não existem respostas únicas e definitivas. Não existem certezas que anulem todas as dúvidas. As perspetivas comparadas criam uma abordagem que reflete o próprio carácter imprevisível das dinâmicas do mundo contemporâneo.

Deste autor no Segredo dos Livros:
Júlio de Melo Fogaça

Autor:

Adelino Cunha é jornalista, historiador e professor de História Contemporânea e de Jornalismo da Universidade Europeia – Laureate Internation Universities. Nasceu em 11 de Maio de 1971, em Lisboa. Licenciou-se em História na Universidade Lusíada e doutorou-se em História Contemporânea na Universidade de Lisboa, no âmbito do Programa Interuniversitário de Doutoramento em Lisboa (Universidade de Lisboa, Universidade Católica Portuguesa, Universidade de Évora, Instituto de Ciências Sociais e ISCTE). É também autor dos livros A Ascensão ao Poder de Cavaco Silva (Edeline, 2005), Álvaro Cunhal – Retrato Pessoal e Íntimo (Esfera dos Livros, 2010) e António Guterres – Os Segredos do Poder (Alêtheia, 2013).

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Autobiografia
    "Autobiografia" , o novo romance de José Luís Peixoto, é o 3º livro que leio deste autor. Os anteriores ...
  • 18.08.2019 17:41
  • A Dama do Quimono Branco
    Com este volume, termina a saga do Samurai Negro, constituída por uma trilogia de romances históricos ...
  • 29.07.2019 17:54
  • Crash
    Depois de ter lido "Arranha-Céus" de J. G. Ballard, um romance que me deixou a pensar seriamente nos ...
  • 10.07.2019 22:32

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“Há livros facilmente consumíveis e que dão um conforto simples às pessoas. Não é o meu negócio.”
Salman Rushdie