Portugal: 1974-2019 - 45 Anos de Democracia

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Adelino Cunha
Género: História Contemporânea de Portugal
Edição: Abr/2019
Páginas: 256
ISBN: 9789724079127
Editora: Almedina

 

 


Portugal: 1974-2019 - 45 anos de democracia
aborda temas de interesse alargado que respondem à questão: Como mudou Portugal e como mudaram os Portugueses após a rutura do regime político e a construção de um novo ciclo histórico?

Não existem respostas únicas e definitivas. Não existem certezas que anulem todas as dúvidas. As perspetivas comparadas criam uma abordagem que reflete o próprio carácter imprevisível das dinâmicas do mundo contemporâneo.

Deste autor no Segredo dos Livros:
Júlio de Melo Fogaça

Autor:

Adelino Cunha é jornalista, historiador e professor de História Contemporânea e de Jornalismo da Universidade Europeia – Laureate Internation Universities. Nasceu em 11 de Maio de 1971, em Lisboa. Licenciou-se em História na Universidade Lusíada e doutorou-se em História Contemporânea na Universidade de Lisboa, no âmbito do Programa Interuniversitário de Doutoramento em Lisboa (Universidade de Lisboa, Universidade Católica Portuguesa, Universidade de Évora, Instituto de Ciências Sociais e ISCTE). É também autor dos livros A Ascensão ao Poder de Cavaco Silva (Edeline, 2005), Álvaro Cunhal – Retrato Pessoal e Íntimo (Esfera dos Livros, 2010) e António Guterres – Os Segredos do Poder (Alêtheia, 2013).

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03
  • A Aluna Americana
    Este é o mais recente romance de João Pedro Marques, autor de, entre outros, "Uma Fazenda em África" ...
  • 25.04.2019 20:42
  • O Último Cabalista de Lisboa
    Consegui, finalmente, ler este livro que foi o primeiro romance de Richard Zimler. Publicado em 1996 ...
  • 07.04.2019 23:56

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Não ler, pensei, era como fechar os olhos, fechar os ouvidos, perder sentidos. As pessoas que não liam não tinham sentidos. Andavam como sem ver, sem ouvir, sem falar."
Valter Hugo Mãe in Desumanização