Quantas vidas temos?

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: João da Silva
Género: Desenvolvimento pessoal / Testemunhos
Edição: Abr/2019
Páginas: 320
ISBN: 9789897662034
Editora: Coolbooks

 

 

 

Cresci a ouvir dizer que «só se vive uma vez», mas muitas vezes me pergunto se será mesmo assim.
A experiência do confronto com situações-limite suscitou em mim uma dúvida fundamental: não será a nossa existência preenchida por várias vidas que vamos descobrindo e vivendo, à medida que avançamos?

O livro que agora lhe trago é um relato da minha busca por respostas e um convite a desvendar este mistério através de uma viagem ao nosso interior, procurando responder às grandes questões da nossa existência, bem como a descobrir quem somos e o que fazemos aqui.
Afinal de contas, quantas vidas temos?
Prefácio de Júlia Pinheiro

Autor:

João da Silva nasceu em Cascais, em 1975, e formou-se em Comunicação Social na Universidade Católica Portuguesa. Enveredou pela carreira jornalística em 1999, estreando-se no jornal A Bola, onde se especializou na cobertura das modalidades ditas amadoras. Mais tarde apostou noutra área, ingressando na revista Auto Foco, publicação especializada no setor automóvel que pertence ao mesmo grupo editorial. 
Em 2016 publicou o livro O sofrimento pode esperar com a Albatroz, do Grupo Porto Editora, e atualmente faz palestras sobre o Sentido da Vida.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03
  • A Aluna Americana
    Este é o mais recente romance de João Pedro Marques, autor de, entre outros, "Uma Fazenda em África" ...
  • 25.04.2019 20:42
  • O Último Cabalista de Lisboa
    Consegui, finalmente, ler este livro que foi o primeiro romance de Richard Zimler. Publicado em 1996 ...
  • 07.04.2019 23:56

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Apenas se deveriam ler os livros que nos picam e que nos mordem. Se o livro que lemos não nos desperta como um murro no crânio, para quê lê-lo?"
Franz Kafka