Quem Assim Falou - Grandes Frases de Todos os Tempos

FaceBook  Twitter  

 

  

 

Autor: José Jorge Letria
Edição: Out/2011
Páginas: 216
ISBN: 9789895558179
Editora: Oficina do Livro

 

 


Ao longo dos tempos, têm sido proferidas frases por grandes figuras da história da Humanidade que a memória colectiva registou e imortalizou. Apenas dois exemplos: «Não sois vós que me expulsais, sou eu que vos condeno a ficar», pronunciada por Demóstenes, na Grécia Antiga, e «os tempos que nos esperam serão de sangue, suor e lágrimas», da autoria de Winston Churchill, ao anunciar a entrada do Reino Unido na II Guerra Mundial.

Como estas, existem centenas de frases, incluindo várias de origem portuguesa («Obviamente, demito-o!», de Humberto Delgado, ou «Sou socialista, republicano e laico», de Mário Soares, entre outras), que merecem ser recordadas e recontextualizadas de uma forma criativa, colocando em cena os autores e as circunstâncias históricas em que foram pronunciadas. Até já temos o «Porreiro, pá», dito pelo (nosso) Sócrates…

Autor:

José Jorge Letria, nascido em 1951, autor de uma vasta obra literária que começou a ser publicada em livro em 1973, é um dos mais destacados criadores de livros para crianças e jovens em Portugal, com numerosos prémios recebidos. Traduzido para mais de dez idiomas, recebeu dois Grandes Prémios da Associação Portuguesa de Escritores, dois prémios Eça de Queirós - Município de Lisboa, o Prémio Internacional UNESCO, o Prémio Nacional «O Ambiente na Literatura Infantil» (três vezes), o Prémio Aula de Poesia de Barcelona, o Prémio da Associação Paulista de Críticos de Arte e ainda o Prémio da Fundação Nacional do Livro Infantil (Brasil).
Integrou, com José Afonso, Adriano Correia de Oliveira e Manuel Freire, entre outros, o movimento da canção de resistência, tendo sido agraciado em 1997 com a Ordem da Liberdade.
É presidente da Direção e do Conselho de Administração da Sociedade Portuguesa de Autores, presidente do Comité Europeu da Confederação Internacional de Sociedades de Autores e Compositores e membro da Direção do Grupo Europeu de Sociedades de Autores e do Comité Executivo do Writers and Directors Worldwide.

Saiba mais em www.josejorgeletria.net

Comentários  

 
#1 Sebastião Barata 2013-12-17 16:03
Este livro do conhecido jornalista e escritor José Jorge Letria é uma pequena enciclopédia com perto de cem frases que ficaram na história, muitas das quais repetimos com frequência, sem sabermos quem as terá proferido, em que que circunstâncias e o que levou a não serem esquecidas até hoje. Cada capítulo tem a dita palavra ou expressão como título e faz seguidamente a explicação da sua origem, (provável) autor, o seu significado e as circunstâncias em que foi proferida, que terão motivado a sua fixação na memória coletiva até hoje.
Cito, a título de exemplo, a frase "Soldados, do alto destas pirâmides, 40 séculos vos contemplam" que, como (quase) toda a gente sabe, foi proferida por Napoleão junto às pirâmides de Giza, como incentivo às tropas horas antes da batalha que lhe permitiu a conquista do Egipto.
Podia citar muitas outras, "Olho por olho, dente por dente", "Penso, logo existo", "Eureka!", "Noblesse oblige", "Vae victis!", etc. Se pensa que o slogan "O povo unido jamais será vencido" foi inventado em Portugal, desengane-se. Limitámo-nos a copiar...

É uma obra de qualidade com muita informação, apresentada de uma forma informal e muito agradável de ler, cuja leitura recomendo vivamente.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03
  • A Aluna Americana
    Este é o mais recente romance de João Pedro Marques, autor de, entre outros, "Uma Fazenda em África" ...
  • 25.04.2019 20:42
  • O Último Cabalista de Lisboa
    Consegui, finalmente, ler este livro que foi o primeiro romance de Richard Zimler. Publicado em 1996 ...
  • 07.04.2019 23:56

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Era uma vez uma mulher cujo ofício era contar histórias. Andava por todo o lado oferecendo a sua mercadoria, relatos de aventuras, de suspense, de horror ou de luxúria, tudo a um preço justo. Num meio dia de agosto encontrava-se no centro de uma praça quando viu avançar na sua direção um homem (...) És tu a que conta histórias?, perguntou o estrangeiro. (...) Então vende-me um passado, porque o meu está cheio de sangue e de lamentos e não me serve para percorrer a vida."
Isabel Allende
in Eva Luna