Reis no Exílio

 

 

  

Autor: Charles-Philippe d’Orléans
Edição: Out/2011
Páginas: 304 + 16 extratextos
ISBN: 9789896263454
Editora: Esfera dos Livros

 

 

A Europa era devastada por uma guerra cruel e mortífera, Portugal, país neutral, torna-se num destino apetecível para milhares de refugiados que procuram fugir dos horrores da ameaça nazi. Entre estes estão príncipes, reis sem coroa e membros das grandes monarquias europeias que encontram em Portugal um refúgio real. Em 1940, Wallis Simpson e o duque de Windsor e o rei Carol da Roménia que acabava de ser deposto, chegam a Portugal. Seis anos depois é a vez da família real espanhol se instalar no Estoril. Segue-se o rei Humberto e a rainha Maria José de Itália e a família real francesa. Cascais, Estoril e Sintra, o chamado Triângulo Dourado, locais que recebem estes visitantes de luxo.

O bar do Hotel Palácio serve o conde de Barcelona e o conde de Paris, as águas do Guincho acolhem as proezas dos jovens príncipes espanhóis e franceses, o restaurante «O Pescador» é o eleito da condessa de Barcelona que adora os «santiaguinhos», o São Carlos acolhe o rei Humberto ávido de divertimento. O autor Charles-Philippe d’Orléans, duque de Anjou, não viveu estes tempos, mas tem-nos bem presentes na memória graças às histórias que a sua avô, a condessa de Paris, lhe contava sobre a Quinta do Anjinho, a casa da felicidade, refúgio da família real francesa. Aqui se casaram as infantas espanholas Pilar e Marguerita num ambiente de festa nunca antes visto. Maria Pia elegeu Cascais, a vila onde cresceu, como cenário de um matrimónio que encheu as primeiras páginas dos jornais europeus. Foi na Villa Giralda, no Estoril, que morreu, em circunstâncias trágicas, Alfonsito irmão de Juan Carlos, atual rei de Espanha.

 

Autor – Charles-Philippe d’Orléans

Autor:

O príncipe Charles-Philippe d’Orléans, duque de Anjou, descende em linha direta dos reis de França. Nasceu em França e vive atualmente em Portugal. Charles-Philippe d’Orléans estudou Ciências Políticas, Relações Internacionais, Comunicação Institucional e Inteligência Económica em Madrid, Paris e Genebra. Atualmente, a luta contra as minas antipessoais e a problemática da água norteiam a sua atividade caritativa internacional. Primo do atual chefe da casa real portuguesa, Dom Duarte, duque de Bragança, Charles-Philippe d’Orléans é casado com Diana de Cadaval, e tem laços familiares ou de amizade com todas as casas reais europeias.

1 comentários
0 likes
Anterior: Biografia de LisboaSeguinte: Amigas para Sempre

Comentários

  • João Teixeira

    Março 16, 2012 às 13:06
    Responder

    Após ter lido este livro com muita atenção, e para poder alargar-me nos elogios na segunda parte do comentário, prefiro começar pelo único ponto "negativo" que lhe posso apontar. É ele o de que o autor dá, por vezes, a ideia de que era maravilhoso viver em Portugal nos anos 40 a 60 do século XX, nomeadamente na região a que ele denomina "Riviera Portuguesa" (Cascais e Estoril) ou até mesmo "Triângulo Dourado" (Cascais, Estoril e Sintra). Talvez até o tenha sido para aquelas famílias reais ou para as famílias portuguesas referidas (Espírito Santo, Pereira Coutinho, Pinto Balsemão, etc.), mas […] Ler Mais...Após ter lido este livro com muita atenção, e para poder alargar-me nos elogios na segunda parte do comentário, prefiro começar pelo único ponto "negativo" que lhe posso apontar. É ele o de que o autor dá, por vezes, a ideia de que era maravilhoso viver em Portugal nos anos 40 a 60 do século XX, nomeadamente na região a que ele denomina "Riviera Portuguesa" (Cascais e Estoril) ou até mesmo "Triângulo Dourado" (Cascais, Estoril e Sintra). Talvez até o tenha sido para aquelas famílias reais ou para as famílias portuguesas referidas (Espírito Santo, Pereira Coutinho, Pinto Balsemão, etc.), mas não esqueçamos que se vivia num regime ditatorial. Apesar de o autor fazer o enquadramento político da época em causa num tom relativamente objectivo, não nos podemos esquecer que esta é uma visão feita a partir dos "privilegiados" da época, os quais estavam permanentemente em festas, a divertirem-se na praia ou a jogar golf e que, como tal, não dá uma visão absolutamente global do país que era Portugal antes de Abril de 1974. Em todo o caso, concedo que não era esse o objectivo de Charles-Philippe d'Orleáns e é por essa razão que o autor se limitou a reunir as histórias (algumas tristes, outras bem mais alegres) das famílias reais europeias que procuraram refúgio em Portugal num período conturbado da História da Europa (Segunda Guerra Mundial) e nos anos que se lhe seguiram: como aqui chegaram, por que permaneceram, onde habitavam, como conviviam entre si.É um livro que, mesmo sendo sobre História, está escrito num estilo fluído, o que torna a sua leitura muito agradável. Vê-se que o autor fez uma aturada pesquisa em arquivos públicos e privados, em artigos de jornais e revistas da época, além de ter feito inúmeras entrevistas a algumas personalidades que viveram aqueles acontecimentos. Mas aquilo que devemos destacar é o facto de estas histórias ganharem vida perante os nossos olhos, graças ao entusiasmo que Charles-Phillipe lhes soube imprimir. Escrever este livro deve ter sido trabalhoso para o autor, mas, mais do que isso, deve ter sido, acima de tudo, um grande prazer para ele.Um livro que recomendo para todos os que têm interesse em conhecer umas histórias engraçadas relativas às famílias reais europeias, de uma forma ligeira e, quem sabe, até inspirar-se nelas para escrever um romance. Matéria para isso não falta nestas páginas! Read Less

Comentar

Siga-nos no Facebook
Facebook Pagelike Widget
Últimos Livros Comentados
Tópicos recentes