Rendida

FaceBook  Twitter  

 

 

 

Autora: Sylvia Day
Série: Crossfire (Vol. 1)
Edição: Out/2012
Páginas: 352
ISBN: 9789897450006
Editora: 5 Sentidos

 

 

Gideon Cross apareceu na minha vida como uma luz na escuridão.
Um homem lindo, fascinante, um pouco louco e muito sedutor.
A atração que sentia por ele era diferente de tudo o que tinha experimentado até então. Eu desejava-o como a uma droga que me enfraquecia dia após dia.
Gideon encontrou-me fragilizada e carente e entrou facilmente na minha vida.

Descobri que também ele tinha os seus próprios demónios. Tornámo-nos o espelho um do outro; éramos o reflexo das nossas mais profundas cicatrizes e... desejos.
Este amor transformou-me, mesmo que ainda hoje continue a rezar para que os pesadelos do passado não voltem para nos atormentar.

"Sendo verdade que Rendida tem muito em comum com As cinquenta sombras de Gray, Rendida é uma história mais completa, mais bem escrita. As personagens são mais sólidas e o enredo é mais sensual. É um romance erótico que não pode perder" (Romance Novel News)

Autora:

Sylvia Day é uma autora norte-americana bestseller que atingiu o 1º lugar do topo de vendas do New York Times e os seus romances já venceram mais de uma dezena de prémios e foram traduzidos para mais de trinta línguas, com dezenas de milhões de livros vendidos. Entre inúmeros prémios, destaca-se a Nomeação para Melhor Autora do Goodreads Choice Award e a sua obra foi considerada pela Amazon como Melhor do Ano na literatura romântica. Os direitos televisivos da série Crossfire foram vendidos à Lionsgate (produtora das séries Twilight e Jogos da Fome), aguardando-se o início da 1ª série com o tema do livro Rendida.

Saiba mais sobre a autora em www.sylviaday.com

Comentários  

 
#6 Maria João 2013-04-21 20:06
Honestamente, não compreendo o porquê de tanto burburinho à volta do livro. Gostei, acho que a história está bem construída e que nos deixa com curiosidade para saber mais, mas tinha demasiado "erotismo". Acho que a vontade de o inserir num determinado patamar fez com que o romance ficasse saturado de referências eróticas. Eu, pessoalmente, passei algumas à frente.
Quero ler o segundo, pois gostei da referência à violência infantil e quero saber como a história se desenrola e ver se realmente ficam juntos.
 
 
#5 Helena 2013-03-04 13:48
Um romance da nova vaga. Erótico.
São muitas páginas de uma letra miudinha a descrever atos sexuais, ou não fosse a ligação entre as personagens principais uma ligação carnal.

Escrita forte (com muito calão) e fluída, sobre uma relação que começou de uma forte atração física, mas sobre a qual se vão desvendando tabus e traumas do passado, em que os sentimentos tomam lugar. Personagens tiradas de um qualquer conto de encantar moderno - muito ricos e muito belos, jovens e poderosos. Distantes do real, ou então uma elite fora do alcance.

Um romance que prende o leitor pelo carisma e envolvimento das personagens, em que, de tão volátil e fogosa, há muita ação/ conflito.
 
 
#4 Sandra Nunes 2013-02-14 18:29
Rendida é mais um entre os muitos livros eróticos que têm surgido no mercado nacional, muito em voga após o sucesso estrondoso do Cinquenta Sombras de Grey, de James. Comparações são inevitáveis à partida, mas, à medida que o enredo se vai dando a descobrir, o Rendida de Sylvia Day vai-se destacando por mérito próprio. A escrita de Day é fluída, encadeada e um pouco mais madura, o que poderá dever-se à experiência anterior da escritora, uma vez que a série Crossfire não é a primeira que publica. Uma particularidade da escrita desta autora é o seu discurso direto, cru e por vezes até rude; subtileza decididamente não é o estilo de Day. Por isso, se estão à espera de discursos romanceados, doces e cheios de floreados, este não é o livro certo. É sim o livro certo para quem procura um romance tórrido, intenso e completamente gráfico, deixando pouco espaço para a imaginação. Contudo, algum mérito tem de ser concedido a Day por ter desenvolvido simultaneamente personagens sólidas, com forte carga emocional e um passado traumatizante, dando ao leitor algo mais por que esperar, para além do conteúdo sexual.
Não havia como não me prender da primeira à última página. Eva é uma mulher complexa, credível, consensual e assertiva. Quanto a Cross, é lindo de morrer, seriamente perturbado e incrivelmente sensual. Juntos, têm imensa química, uma relação intempestiva, possessiva e intensa. Espero sinceramente que a autora mantenha o nível e não me desiluda, como aconteceu com os livros de James.
 
 
#3 Vera Mouta 2013-02-10 23:04
Bem, já li este livro. Uma vez que, da onda erótica que saiu recentemente, foi o único que li, só posso comentar a sua história, sem fazer comparações com o resto que aí anda.

É um livro erótico, tem uma forte componente sexual, não sendo nada fora do habitual noutro livros que já li, a não ser em termos de quantidade.
Há sim um forte sentimento de posse, ciúmes à mistura e dois protagonistas com passados traumáticos, que tentam que o que têm dê certo.

Neste livro, temos revelações sobre o passado de Eva, mas não do de Gideon e, provavelmente, será sobre isso que a autora se irá debruçar nos próximos livros da trilogia.

Sinceramente, não posso dizer que não gostei de ler. É um livro intenso, como se refere na capa. No entanto, acho exagerado fazer uma trilogia em que se anda sempre à volta de sexo e mais sexo, até que (provavelmente, digo eu) ficam juntos e conseguem combater os demónios passados. Se a autora tivesse incorporado tudo num só livro, acho que chegaria perfeitamente.
 
 
#2 Vanessa Montês 2012-12-01 15:16
Numa altura em que os romances eróticos estão na moda, não podia deixar de ler este livro, um livro muito falado pela blogosfera, até mesmo pela portuguesa, antes mesmo de chegar a Portugal, e que me andou a deixar demasiado curiosa! Só tenho pena de o ter lido imediatamente a seguir ao primeiro romance da trilogia de E. L. James.

Eva é uma mulher sexy e ela sabe-o. Mas não é apenas essa a sua grande característica. É também uma mulher inteligente, forte, determinada e confiante. E também uma mulher no seu início de carreira. Num dia como qualquer outro, é contactada para uma das incontáveis entrevistas de emprego a que se candidatou e é aceite num trabalho de sonho, fazendo o que sempre quis. Mas quando tudo parecia bem, as coisas mudam e numa reunião de trabalho conhece Gideon, um homem com H grande! Sexy, masculino, lindíssimo. Ele também sabe disso e não deixa de usar essas suas características em Eva, uma mulher que, apesar de se mostrar como alguém forte e que nada a consegue atingir, acaba por provar ter um passado demasiado difícil.

Tendo sentido uma atração imediata, Eva e Gideon começam a envolver-se. E, sendo Gideon um homem que tem tudo o que quer, este é que começa o jogo do gato e do rato, de uma maneira demasiado directa e até mesmo brusca, deixando Eva de pé atrás. Mas é quando este começa a compreendê-la realmente, que a sua relação cresce, não apenas a nível sexual como emocional. Acontece que Eva tem mais segredos do que quer mostrar e Gideon acaba por descobrir que estes são o principal factor para que a sua linguagem directa e brusca a tivesse assustado e posto fora de si.

Este livro fez-me lembrar demasiado "As Cinquenta Sombras de Grey". Porque é que digo isso? Para começar, tinha acabado de ler o primeiro volume da saga de E. L. James quando peguei neste livro e aparecem logo as características de uma mulher sexy e um chefe ainda mais sexy. Mulher demasiado atraída pelo homem para fazer tudo o que este quer (até mesmo fazer sexo nos sítios mais estranhos), homem demasiado atraído pela mulher para fazer o que esta quer (até mesmo começarem uma relação a sério). Homem com estranhos problemas emocionais (quase a mata quando dorme com ela!), mulher com problemas emocionais ainda mais sérios (bem, parece que aqui temos algo distintivo!). E foi este o meu grande problema com o livro, as inúmeras semelhanças. Mas, muito sinceramente, embora este livro tenha demasiadas parecenças com o de E. L. James, na minha opinião consegue ser bem melhor. As personagens são mais aprofundadas. A relação não se centra num homem possessivo e numa mulher que não sabe o que está a fazer, mas sim num homem possessivo com uma mulher igualmente possessiva e madura. E muitas outras coisas. Por isso sim, achei este livro melhor que o de E. L. James, achei que a chama entre as personagens era mais evidente e que elas se completavam melhor uma à outra. A escrita também é melhor e nota-se uma evolução da história que não se centra apenas no sexo.

Acho que me resta ler os segundos volumes de ambas as coleções, para poder tirar melhores conclusões.

Um livro que irá apaixonar fãs de E. L. James e não só!
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • A Ilustre Casa de Ramires
    NOTA: Este comentário contém spoilers (*** não leia se pretender ainda ler o livro ***) Após 2 ou ...
  • 28.06.2020 09:42
  • Imortal (José Rodrigues dos Santos)
    Acabei (finalmente) de ler o mais recente livro de José Rodrigues dos Santos - Imortal que trata de um ...
  • 01.06.2020 23:30
  • O Túmulo do Mestre
    Ótimo livro para se ler num fim de semana! Li-o em duas tardes. Os capítulos não são grandes, pelo ...
  • 19.04.2020 19:03

Últimos Tópicos

    • Frecha Trailer
    • [image] Frecha, Teresa Durães, e-book gratuito para download na loja kobo.com
    • há 1 mês 4 dias
    • Há procura de opiniões
    • Boms dias a todos, Envio um inicio de livro que para aqui tenho já há talvez...
    • há 1 mês 3 semanas
    • o final tem um ritual
    • O meu ritual é uma tortura, mas pra um TOC. Eu tenho que ler o final várias e...
    • há 2 meses 4 dias

Uma Pequena Palavra...

"Era uma vez uma mulher cujo ofício era contar histórias. Andava por todo o lado oferecendo a sua mercadoria, relatos de aventuras, de suspense, de horror ou de luxúria, tudo a um preço justo. Num meio dia de agosto encontrava-se no centro de uma praça quando viu avançar na sua direção um homem (...) És tu a que conta histórias?, perguntou o estrangeiro. (...) Então vende-me um passado, porque o meu está cheio de sangue e de lamentos e não me serve para percorrer a vida."
Isabel Allende
in Eva Luna