Ronda

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Modesto Navarro
Género: Poesia
Edição: Mai/2019
Páginas: 256
ISBN: 9789728140748
Editora: Página a Página

 

 


Novo livro de poemas de Modesto Navarro, que atravessa Lisboa de antes e de depois do 25 de Abril, Trás-os-Montes, o Alentejo da Reforma Agrária e a Prisão de Caxias.

Autor:

Modesto Navarro nasceu em Vila Flor, Trás-os-Montes, em 1942. O seu primeiro livro, Libelo Acusatório, foi publicado em 1968. Em 1972 publicou um impressivo livro de contos sobre a guerra colonial, História do soldado que não foi condecorado, que foi apreendido pelo regime fascista.
O tema merece-lhe outros livros como Ir à Guerra, A Oitava Colina e A Capital do Império. Foi um dos fundadores da Associação Portuguesa de Escritores. Autarca eleito desde 1976, em Vila Flor, e desde 1985 em Lisboa. Recebeu a Medalha Municipal de Mérito, Grau Ouro da Cidade de Lisboa, em 2002. Foi presidente da Assembleia Municipal desta cidade de 2003 a 2005. Para além da sua ação associativa, cultural e política, Modesto Navarro é um dos escritores mais fecundos da sua geração.
Autor de 41 livros, dividem-se estes pelos mais variados temas, nomeadamente romances, contos, poesia e levantamentos sobre emigração, cultura popular e situações no interior do país (Trás-os-Montes, Beira Alta e Alentejo).

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Autópsia
    Lê-se na contrapaca deste livro que se trata de "uma arrepiante distopia, retrato de uma humanidade náufraga".
  • 21.10.2019 22:21
  • A Recriação do Mundo
    Não é segredo que a Alemanha e a URSS correram contra o tempo e contra os Estados Unidos da América para ...
  • 22.09.2019 13:21
  • Hugo Chávez, o colapso da Venezuela
    Gosto de estar bem informado e não fazer juízos sem conhecimento de causa. O governo da Venezuela tem ...
  • 02.09.2019 14:09

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“E desde então decidi que a POESIA é a forma mais curta, mais doce, mais explosiva. Para que escrever um romance se é possível dizer o mesmo em dez linhas?”
Charles Bukowski