Sob o Olhar do Amor

FaceBook  Twitter  

 

 

  

 

 

Autora: Janine Boissard
Edição: Out/2010
Páginas: 240
Editora: QuidNovi


Se ela fosse bonita… Se ele não fosse cego… Mas Laura não é bonita e Claudio é cego.
Ele é uma celebridade, ela é a sua guia. E, sem qualquer esperança, Laura vai apaixonar-se pelo grande tenor admirado no mundo inteiro. Porque a voz dele, entre desespero e cinismo, canta-lhe a beleza de um mundo que ele já não consegue ver, porque só ela consegue adivinhá-lo, porque ela o ama com o único verdadeiro amor: aquele que não espera nada em troca.
Uma noite, sem pensar, ele promete-lhe a lua, mas ela é que quer oferecer-lha: convencê-lo a submeter-se a uma operação que sempre recusou fazer e que tem cinquenta por cento de hipóteses de lhe devolver a visão e um grande sonho – interpretar no palco o papel de Alfredo, na ópera La Traviata. Com a plena certeza de que no dia em que puder olhá-la Claudio deixará de precisar dela, Laura está pronta para sacrificar o seu amor, por amor. Mas irá Claudio aceitar essa decisão?
Uma grande e bela história de amor escrita por Janine Boissard, uma das romancistas francesas mais apreciadas pelo grande público.

Autora:
Janine Boissard nasceu em Paris, onde estudou. Publicou o seu primeiro romance, Driss, com apenas 22 anos. Foi também a primeira mulher a escrever para a famosa «Série Noire» com o livro B comme Baptiste. Em 1996, publicou Une Femme en Blanc, que deu azo a uma série televisiva de seis episódios, protagonizada pela actriz Sandrine Bonnaire. Janine Boissard é também cenarista, guionista e argumentista para a televisão. Actualmente tem cerca de trinta livros publicados.

Comentários  

 
#2 Júlia 2011-02-27 02:23
Quem pense que vai ler um obra prima que se desengane: é um livro muito leve, romântico que se lê numa tarde.
Não gostei que estivessem constantemente a chamar "pequena" e "pardal" a Laura, por ela não ser muito bonita e ser pequenina, e a repentina paixão dela logo no início do livro não me convenceu muito. Mas lá para o meio tudo melhora um pouco.
Devo louvar a revisão deste livro: é que não encontrei um único erro ou troca de letras.
Gostei e recomendo!
 
 
#1 veronica silva 2011-02-22 21:20
Um livro que desde o início me chamou a atenção, por causa da estória em si. Uma rapariga que não se acha bonita e um cantor de ópera cego.
Prometia ser uma grande estória, mas ficou muito além das minhas expectativas. Em primeiro lugar, foi logo muito repentina a paixão de Laura por Cláudio. Por sua vez, este é demasiado arrogante e presunçoso, mesmo para quem está a sofrer. Tão depressa está a tratá-la mal, como a seguir quer levá-la para a cama.

Na segunda parte do livro, após a operação que lhe permitiu ver e com o súbito desaparecimento de Laura, Cláudio parece transformar-se numa outra pessoa. Inicia uma busca em saber o paradeiro daquela que lhe deu a oportunidade de voltar a ver, de quem ele sente falta, mas que nunca viu e por isso não a sabe reconhecer. Aqui o livro melhora um pouco. Cláudio mostra-se mais sensível, mais humano. Mas o que mais me irritou no livro foi o facto de, por Laura ser baixinha e ter apenas 26 anos, estarem constantemente a tratá-la por "a pequena" ou "a miúda".
Uma vez que a ópera não é um género de música que aprecie e nem tampouco conheço as obras que a escritora fala e transcreve, não consegui achar os exemplos descritos no livros poéticos nem românticos.
É um livro que se lê depressa, simples, mas que não trás nada de excepcional ou de intenso. É um livro morno.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • A Rainha Descalça
    Caridad, escrava desde que nasceu, viaja com o seu amo em Espanha, vinda de Cuba. Com a morte daquele ...
  • 12.09.2014 13:18
  • Só em Sonhos
    Sherrilyn Kenyon é uma das escritoras de sobrenatural mais aclamadas do mundo. As suas personagens ...
  • 12.09.2014 12:43
  • A Minha Outra Metade
    Este é um livro que fala de almas gémeas, que fala da possibilidade de existir a nossa outra metade ...
  • 12.09.2014 12:42

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Era uma vez uma mulher cujo ofício era contar histórias. Andava por todo o lado oferecendo a sua mercadoria, relatos de aventuras, de suspense, de horror ou de luxúria, tudo a um preço justo. Num meio dia de agosto encontrava-se no centro de uma praça quando viu avançar na sua direção um homem (...) És tu a que conta histórias?, perguntou o estrangeiro. (...) Então vende-me um passado, porque o meu está cheio de sangue e de lamentos e não me serve para percorrer a vida."
Isabel Allende
in Eva Luna