Sob o Olhar do Amor

FaceBook  Twitter  

 

 

  

 

 

Autora: Janine Boissard
Edição: Out/2010
Páginas: 240
Editora: QuidNovi


Se ela fosse bonita… Se ele não fosse cego… Mas Laura não é bonita e Claudio é cego.
Ele é uma celebridade, ela é a sua guia. E, sem qualquer esperança, Laura vai apaixonar-se pelo grande tenor admirado no mundo inteiro. Porque a voz dele, entre desespero e cinismo, canta-lhe a beleza de um mundo que ele já não consegue ver, porque só ela consegue adivinhá-lo, porque ela o ama com o único verdadeiro amor: aquele que não espera nada em troca.
Uma noite, sem pensar, ele promete-lhe a lua, mas ela é que quer oferecer-lha: convencê-lo a submeter-se a uma operação que sempre recusou fazer e que tem cinquenta por cento de hipóteses de lhe devolver a visão e um grande sonho – interpretar no palco o papel de Alfredo, na ópera La Traviata. Com a plena certeza de que no dia em que puder olhá-la Claudio deixará de precisar dela, Laura está pronta para sacrificar o seu amor, por amor. Mas irá Claudio aceitar essa decisão?
Uma grande e bela história de amor escrita por Janine Boissard, uma das romancistas francesas mais apreciadas pelo grande público.

Autora:
Janine Boissard nasceu em Paris, onde estudou. Publicou o seu primeiro romance, Driss, com apenas 22 anos. Foi também a primeira mulher a escrever para a famosa «Série Noire» com o livro B comme Baptiste. Em 1996, publicou Une Femme en Blanc, que deu azo a uma série televisiva de seis episódios, protagonizada pela actriz Sandrine Bonnaire. Janine Boissard é também cenarista, guionista e argumentista para a televisão. Actualmente tem cerca de trinta livros publicados.

Comentários  

 
#2 Júlia 2011-02-27 02:23
Quem pense que vai ler um obra prima que se desengane: é um livro muito leve, romântico que se lê numa tarde.
Não gostei que estivessem constantemente a chamar "pequena" e "pardal" a Laura, por ela não ser muito bonita e ser pequenina, e a repentina paixão dela logo no início do livro não me convenceu muito. Mas lá para o meio tudo melhora um pouco.
Devo louvar a revisão deste livro: é que não encontrei um único erro ou troca de letras.
Gostei e recomendo!
 
 
#1 veronica silva 2011-02-22 21:20
Um livro que desde o início me chamou a atenção, por causa da estória em si. Uma rapariga que não se acha bonita e um cantor de ópera cego.
Prometia ser uma grande estória, mas ficou muito além das minhas expectativas. Em primeiro lugar, foi logo muito repentina a paixão de Laura por Cláudio. Por sua vez, este é demasiado arrogante e presunçoso, mesmo para quem está a sofrer. Tão depressa está a tratá-la mal, como a seguir quer levá-la para a cama.

Na segunda parte do livro, após a operação que lhe permitiu ver e com o súbito desaparecimento de Laura, Cláudio parece transformar-se numa outra pessoa. Inicia uma busca em saber o paradeiro daquela que lhe deu a oportunidade de voltar a ver, de quem ele sente falta, mas que nunca viu e por isso não a sabe reconhecer. Aqui o livro melhora um pouco. Cláudio mostra-se mais sensível, mais humano. Mas o que mais me irritou no livro foi o facto de, por Laura ser baixinha e ter apenas 26 anos, estarem constantemente a tratá-la por "a pequena" ou "a miúda".
Uma vez que a ópera não é um género de música que aprecie e nem tampouco conheço as obras que a escritora fala e transcreve, não consegui achar os exemplos descritos no livros poéticos nem românticos.
É um livro que se lê depressa, simples, mas que não trás nada de excepcional ou de intenso. É um livro morno.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • 1640 - O poeta, A professa, O Prosador, O pregador
    Ao iniciar o comentário a este livro, lanço um desafio matemático ao meus leitores: dividam o título ...
  • 13.01.2018 22:52
  • O Veleiro de Cristal
    Neste livrinho, José Mauro de Vasconcelos retoma o género de histórias de "O Meu Pé de Laranja Lima" ...
  • 09.01.2018 12:49
  • Sinal de Vida
    Desconheço se o tipo de comentários que se fazem neste forum são do mesmo género dos existentes, por ...
  • 27.12.2017 21:26

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Não ler, pensei, era como fechar os olhos, fechar os ouvidos, perder sentidos. As pessoas que não liam não tinham sentidos. Andavam como sem ver, sem ouvir, sem falar."
Valter Hugo Mãe in Desumanização