Stonehenge

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Bernard Cornwell
Edição: 2000
Páginas: 390
ISBN: 9789727311019
Editora: Planeta

 

 


Na Idade da Pedra há cerca de quatro mil anos, homens e mulheres hoje desconhecidos ergueram construções imensas, monumentais, em pedra. A imagem das pedras de Stonehenge, dispostas em círculo, é hoje amplamente conhecida. Cornwell deitou mãos ao tema e ofereceu ao leitor este magnífico romance.
No centro da narrativa estão dois irmãos. Um que honra o seu pai, o antigo chefe da tribo, sendo moderado e sábio; outro, feiticeiro, parricida, toma o poder pela força e obriga a tribo a perseguir uma visão religiosa que culmina na construção de Stonehenge.

Comentário:
Pois bem, este romance histórico foi o primeiro que li deste autor e posso afirmar sem dúvidas que foi um dos melhores que li este ano, senão o melhor.
Eu achei fantástico ler no final do livro a Nota Histórica e saber que o autor, como base para aquele livro teve um esqueleto com mais de 4000 anos de idade, com uma pulseira no pulso.
O primeiro capítulo deste livro relaciona-se directamente com o homem ao qual pertence esse esqueleto. Nele, ele aparece montado num cavalo, quase morto de cansaço. O cavalo vai andando sozinho e vai parar no Velho Templo, local onde actualmente está aquilo que que hoje chamamos de Stonehenge. Aí, ele desmonta o cavalo e cai no chão e Lengar e Saban, dois filhos de Hengall, o chefe da tribo de Ratharryn, que o haviam estado a seguir, aparecem. O fugitivo, pertencente ao longínquo Povo da Fronteira começa a chamar por Sannas, numa língua que os dois jovens não compreendiam.
Sannas era a mais famosa feiticeira de todo o mundo conhecido, a feiticeira de Cathallo, a tribo rival de Ratharryn.
Mas Lengar não entendia o que o fronteiriço dizia, e mesmo com todas as suplicas por piedade, matou o miserável homem. Teve de lhe perfurar a carne com 4 setas até ele morrer.
Como o homem bem morto, Lengar aproximou-se e "roubou" a bolsa do cadáver. Ao ver o que estava lá dentro, gritou de euforia. Eram losangos de ouro. O losango de Lahanna, a Deusa Lua, e o ouro de Slaol, o Deus Sol. Juntos. Certamente, e tendo aparecido eles no templo de Slaol, seriam uma mensagem dos Deuses.
Saban afirma que se devem levar os losangos ao pai deles, chefe da tribo, para que depois os sacerdotes pudessem analisá-los e decifrar a mensagem dos deuses mas Lengar contraria-o, controlado pela ganância e, perante a insistência do irmão mais novo, perseguiu-o, ameaçando-o com o arco, até que Saban avista o seu tio e desata a correr para ele, expondo-lhe a situação.
No dia seguinte, Lengar é obrigado por Hengall a entregar os tesouros.
Depois disso "programa-se" um sacrificio em honra do deus Slaol, e Camaban, a criança-torta, é escolhida mas o Deus recusa-a.
Posteriormente muitas mais desgraças se abatem sobre a tribo de Ratharryn, periodo durante o qual se dão acontecimentos que porventura parecem quase insignifantes na altura mas que são importantes para o decorrer da história.
Até que é decidido que é preciso fazer "voltar ao activo" o Velho Templo, para que Slaol faça as pazes com os homens.
Mas nem tudo é fácil. Passando diversas vezes por mudanças de chefia, matanças, batalhas, periodos de escravidão, viagens de centenas (?) de quilómetros, alianças, reviravoltas, traições e muito mais, a tribo de Ratharryn vai construir uma das mais incríveis obras da humanidade, que se mantém erguida através dos milénios.
É estranho como, numa sociedade muito mais "primitiva" que a nossa, Bernard Cornwell consegue criar personagens extremamente verosímeis e humanas, com as quais nos identificamos, mesmo sendo 4000 anos mais antigas que nós.
Personagens cheias de qualidades e ao mesmo tempo com tantos defeitos e inseguranças, que nos apaixonam e desiludem.
E depois a escrita dele. É fabulosa. Agarra-nos completamente, tendo descrições suficientes para podermos criar imagens complexas e completas nas nossas cabeças, mas nada maçudas. Períodos de narração excelentes e diálogos extremamente verosímeis.
Aconselho a toda a gente.

Autor:

Bernard Cornwell nasceu em Londres e cresceu em Essex. Trabalhou para a BBC antes de conhecer a sua esposa americana, tendo-se mudado para os EUA onde iniciou a sua carreira de escritor. O seu primeiro romance, Sharpe's Eagle, sobre um soldado nas Guerras Napoleónicas, tornou-se um sucesso e originou uma série com mais de vinte livros e subsequente adaptação televisiva. É também o autor de várias séries históricas como The Warlord Chronicles, Starbuck Chronicles e outros thrillers e romances de grande reputação.

Comentários  

 
#1 Maria João 2009-02-25 14:36
O único livro que consegui ler deste autor. Transporta-nos para uma outra realidade e dá uma solução prática ao mistério de Stoneheadge.
Bastante bem escrito, consegue nos envolver.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • A Recriação do Mundo
    Não é segredo que a Alemanha e a URSS correram contra o tempo e contra os Estados Unidos da América para ...
  • 22.09.2019 13:21
  • Hugo Chávez, o colapso da Venezuela
    Gosto de estar bem informado e não fazer juízos sem conhecimento de causa. O governo da Venezuela tem ...
  • 02.09.2019 14:09
  • Autobiografia
    "Autobiografia" , o novo romance de José Luís Peixoto, é o 3º livro que leio deste autor. Os anteriores ...
  • 18.08.2019 17:41

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Cada livro, cada volume que vês, tem alma. A alma de quem o escreveu e a alma dos que o leram e viveram e sonharam com ele. Cada vez que um livro muda de mãos, cada vez que alguém desliza o olhar pelas suas páginas, o seu espírito cresce e torna-se forte."
Carlos Ruiz Zafón in A sombra do vento