Viagem ao Coração dos Pássaros

Autor: Possidónio Cachapa
Edição: Jan/2015
Páginas: 176
ISBN: 9789897541377
Editora: Marcador

 

 

 

Viagem ao Coração dos Pássaros remete-nos para um universo único mas que se repete sempre no tempo dos seres humanos. Fala-nos das contradições e dialética do mundo, do amor, da vida, mas também dos seus opostos. É um livro que se lê num sopro, como se fosse um instante, numa viagem que o leitor faz ao coração, o seu próprio, e o dos protagonistas da história, realista, autêntica e bela.

Possidónio Cachapa conduz-nos através da sua escrita profunda, revelando-nos os dons que todos temos e as nossas virtudes mas também as nossas debilidades e fraquezas, numa simplicidade narrativa que nos prende da primeira à última página.

Autor – Possidónio Cachapa

Autor:

Possidónio Cachapa, português, escritor, argumentista e realizador, nasceu em Évora, na planície alentejana, onde passou a infância e o início da adolescência, antes de partir para os Açores e daí para muitos outros lugares do mundo, presentes, frequentemente, na sua obra.
Autor de diversos romances, contos e novelas, entre os quais se destacam Nylon da Minha Aldeia (1997), adaptado ao cinema, e Materna Doçura (1998) além de diversos contos, crónicas, livros infantis e peças de teatro.
Entre outros filmes realizou Adeus à Brisa, sobre a vida e obra de outro escritor, Urbano Tavares Rodrigues. A sua obra está traduzida em vários países, sendo objeto de teses universitárias internacionais e de adaptações a vários géneros artísticos.

Veja aqui o booktrailer:

5 comentários
0 likes
Anterior: O ReiSeguinte: Redenção Maravilhosa

Comentários

  • Vanessa Montês

    Junho 23, 2015 às 10:08
    Responder

    Tenho andado decidida a ler mais autores nacionais. Autores de diferentes géneros, com escritas e estilos diferentes. Uma excelente coleção para cumprir este objetivo é a coleção "Os Livros RTP" e, graças a diversos empréstimos, tenho conseguido ler alguns livros dessa coletânea. Este é um género diferente daquele que estou habituada a ler e admito que já compreendi o porquê. É um livro "demasiado" para mim.Kika era ainda criança quando fora visitada por um anjo. Uma menina inocente e pura que, durante diversos anos, não abria a boca para soltar um som que fosse. Comunicava por gestos e olhares e […] Ler Mais...Tenho andado decidida a ler mais autores nacionais. Autores de diferentes géneros, com escritas e estilos diferentes. Uma excelente coleção para cumprir este objetivo é a coleção "Os Livros RTP" e, graças a diversos empréstimos, tenho conseguido ler alguns livros dessa coletânea. Este é um género diferente daquele que estou habituada a ler e admito que já compreendi o porquê. É um livro "demasiado" para mim.Kika era ainda criança quando fora visitada por um anjo. Uma menina inocente e pura que, durante diversos anos, não abria a boca para soltar um som que fosse. Comunicava por gestos e olhares e os seus grandes amigos eram os pássaros. Vivendo num ambiente rural, o seu dom era considerado uma maldição e as suas amizades em nada alegravam os pais. Numa altura em que a principal atividade das crianças era andar de um lado para o outro para assustar os pássaros e expulsá-los dos campos, Kika fazia precisamente o contrário, chamando essas criaturas e conversando com elas. Estes faziam o que ela queria, aconselhavam-na e apoiavam-na.Desde cedo, os pais compreendem que aquela maldição tinha que ser escondida do povo, mas a filha não consegue esconder a sua verdadeira natureza, por mais que tente negá-la.É um livro diferente que tem uma escrita muito fantasiada e parece que estamos dentro de um sonho que ainda está dentro de outro sonho. Nada é real na história e o autor escreve de uma forma muito própria, tendo uma escrita através da qual facilmente o identificamos. Esta é a história de uma menina com um grande poder para decidir entre a vida e a morte. Uma criança que cresce depressa e que tem um grande conhecimento da vida, apesar de ser apenas uma criança.O livro tem passagens muito bonitas, mas são passagens representativas a maior parte das vezes, não sendo uma escrita direta e "normal". É um daqueles géneros literários a que sei dar o seu devido valor, mas admito que não faz o meu género. Não é daquelas histórias que me levarão a voltar a ler algo do autor. É um estilo demasiado estranho, que não se entranhou. Um livro que fala das fraquezas do ser humano, mas também dos seus pontos fortes, que não me prendeu do início ao fim.Um autor que transmite diferentes mensagens a diferentes leitores. Não sendo o meu género literário favorito, esta foi uma das grandes razões para a narrativa não me ter conseguido agarrar. Read Less

  • rosario quintino

    Junho 15, 2015 às 14:02
    Responder

    No final desta leitura, fiquei como se despertasse de um sonho. Foi lido de um fôlego. Kika é uma menina diferente, visitada pelo anjo, que comunica sem falar. O pai ausente. A mãe, Evangelina, pouco dada a carinhos, abandonada pelo marido, apaixona-se por outro.Uma prosa poética e sonhadora, gostei.

  • Helena

    Abril 18, 2015 às 17:20
    Responder

    Da breve história de Maria Joaquina Constança, conhecida por Kika, filha de Evangelina, uma mulher dura e sofrida e do sonhador e ausente Filipe, temos um retrato da verdadeira e [b]contraditória condição humana.[/b] Um Dom de ver e ouvir o que queria e não queria saber, a capacidade de se expressar com o alcance da mente sem mover os lábios, um potencial de curar apenas com as suas mãos e temos uma mulher renegada e amada que não sabia o que era o amor até ao fim da sua vida.Criativa e brilhante, esta narrativa que nos toca a alma. Uma […] Ler Mais...Da breve história de Maria Joaquina Constança, conhecida por Kika, filha de Evangelina, uma mulher dura e sofrida e do sonhador e ausente Filipe, temos um retrato da verdadeira e [b]contraditória condição humana.[/b] Um Dom de ver e ouvir o que queria e não queria saber, a capacidade de se expressar com o alcance da mente sem mover os lábios, um potencial de curar apenas com as suas mãos e temos uma mulher renegada e amada que não sabia o que era o amor até ao fim da sua vida.Criativa e brilhante, esta narrativa que nos toca a alma. Uma grata surpresa! Leitura fácil e efabulada sobre uma singular protagonista e algumas misteriosas personagens de passagem na sua vida. O peso do destino no desfecho dos acontecimentos. Vou querer ler mais deste autor. Fiquei cativa da sua escrita e imaginação, que tanto me surpreendeu.Um prazer de ler! Read Less

  • Clarinda Cortes

    Março 7, 2015 às 22:03
    Responder

    Uma estória muito interessante, repleta de personagens simples no seu existir, mas complexas no seu todo. Numa escrita quase poética, Possidónio Cachapa conta-nos a estória de uma menina diferente, de uma menina que ama e não sabe amar, que salva vidas e termina com elas, que tem tudo e não tem nada.Este livro fala das pessoas especiais e pouco compreendidas. Fala de vida e da efemeridade dessa mesma vida, mostra-nos que tudo é passageiro. Fala-nos das nossas virtudes, das nossas debilidades e fraquezas, mas também da nossa força como seres humanos que amamos e odiamos com a mesma intensidade. É […] Ler Mais...Uma estória muito interessante, repleta de personagens simples no seu existir, mas complexas no seu todo. Numa escrita quase poética, Possidónio Cachapa conta-nos a estória de uma menina diferente, de uma menina que ama e não sabe amar, que salva vidas e termina com elas, que tem tudo e não tem nada.Este livro fala das pessoas especiais e pouco compreendidas. Fala de vida e da efemeridade dessa mesma vida, mostra-nos que tudo é passageiro. Fala-nos das nossas virtudes, das nossas debilidades e fraquezas, mas também da nossa força como seres humanos que amamos e odiamos com a mesma intensidade. É uma estória de contradições de uma beleza praticamente ímpar.Há passagens simplesmente lindas: o “voo” da menina numa fuga à realidade, a estória do casal de melharucos, … Estou completamente rendida à escrita do autor!Uma leitura a não perder, até porque o livro é pequeno e lê-se num ápice! Read Less

  • João Teixeira

    Fevereiro 19, 2015 às 17:00
    Responder

    Tinha alguma curiosidade em ler a produção literária deste autor, não só por causa do seu nome intrigante e castiço (o que alimenta logo alguma curiosidade), mas principalmente porque já me tinha cruzado com ele noutras ocasiões, mas ainda não houvera oportunidade de ler nenhum dos seus romances.Achei que este livro está bem escrito. No entanto, também achei que tem algumas partes confusas e que a história poderia ter sido trabalhada de outra maneira, talvez com um pouco mais de precisão, o que só a beneficiaria.Para mim, leitor, foi confusa a parte da narrativa em que surge a personagem Fura-Mundos, […] Ler Mais...Tinha alguma curiosidade em ler a produção literária deste autor, não só por causa do seu nome intrigante e castiço (o que alimenta logo alguma curiosidade), mas principalmente porque já me tinha cruzado com ele noutras ocasiões, mas ainda não houvera oportunidade de ler nenhum dos seus romances.Achei que este livro está bem escrito. No entanto, também achei que tem algumas partes confusas e que a história poderia ter sido trabalhada de outra maneira, talvez com um pouco mais de precisão, o que só a beneficiaria.Para mim, leitor, foi confusa a parte da narrativa em que surge a personagem Fura-Mundos, especialmente quando essa mesma personagem conta a "História do Homem-Bala", a qual, na minha opinião, não se relaciona com o resto do que foi narrado até ali, ou seja, a história de Kika, uma menina madeirense que possui o Dom de curar as enfermidades das pessoas que a procuram (sem saber que, curando umas, faz com que outras fiquem doentes).Também achei algo confuso o surgimento de um tal de Escritor, o qual seduz (ou será que é seduzido) a tal Kika, mas que pouco acrescenta ou então foi Possidónio Cachapa que, por qualquer razão que para nós permanecerá obscura, não desenvolve aquela relação de forma a tornar-se credível para nós, que a estamos a ler.Por esclarecer fica também a razão pela qual o autor decidiu escrever algumas palavras com caracteres que não pertencem ao alfabeto português. Palavras como "Venezaμela", "Contאnente" não deixam de ser curiosas, mas inexplicáveis.Enfim, é um livro interessante, mas que não me encheu as medidas. Em todo o caso, é um autor que talvez valha a pena seguir no futuro.6 em 10 estrelas Read Less

Comentar

Siga-nos no Facebook
Facebook Pagelike Widget
Últimos Livros Comentados
Tópicos recentes