Volta a Portugal

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Álvaro Domingues
Género: Memórias / Rotas turísticas
Edição: Nov/2017
Páginas: 328
ISBN: 9789896661571
Editora: Contraponto

 

 


De bicicleta ou no Google Earth, dar voltas em Portugal constitui um modo de (re)conhecimento perfeito para preencher curiosidades ou estranhamentos acerca da exótica geografia da terra dos portugueses. Dizem-nos e demonstram-no de maneira variada que tal terra existe mesmo; que tem uma certidão de nascimento, um corpo, uma alma, uma identidade. Não tem nem tem de ter.

Muito se insistiu no Portugal dos marinheiros, dos fados, da bola no jardim à beira-mar plantado – um território, o nevoeiro dos antepassados, os mitos, o império, a língua, a saudade e a ruína, aquele que os deuses amam e visitam, o bom povo cosmopolita ou burro de trabalho repartido pelo mundo. Pode ser tudo isso e muito mais e mudar no dia a seguir ou perder-se no caminho; pode dar um execrável programa na televisão, um elaboradíssimo ensaio, um solene discurso patriótico ou uma frenética crepitação nas redes sociais.
Se existe, pode-se-lhe tirar o retrato, variar a pose e os humores do seu território, a sua casa comum. É um caleidoscópio dos cumes do Pico ou da Estrela até aos lodos da ria que é formosa. Não há como congelar tudo numa imagem e as palavras estão cheias de ecos. Não há um fio condutor, um roteiro. Vai-se pela terra fora. Convocam-se palavras de muitas vozes e tempos. Alguma lhe servirá melhor que outras.

«Álvaro Domingues é um daqueles raros autores sobre os quais podemos dizer que há um antes e um depois. O antes de ter lido Álvaro Domingues. E o depois de lê-lo, quando se alargou a nossa visão.» (José Tolentino Mendonça)
«Álvaro Domingues descobre o país que não está no centro, é um trabalho essencial. O país que está longe dos sítios onde se decide resiste porque há cuidadores – cuidadores pela imagem – como Álvaro Domingues.» (Gonçalo M. Tavares)
«A inteligência mais original do país. Podem atualizar os dicionários na palavra FUTURO, que passa a ter por sinónimo também o nome de Álvaro Domingues.» (Valter Hugo Mãe)

Autor:

Álvaro Domingues (Melgaço, 1959) é Geógrafo, doutorado em Geografia Humana e professor associado da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP), nos cursos de mestrado integrado e doutoramento e do curso de doutoramento Arquitectura dos Territórios Metropolitanos Contemporâneos do ISCTE, em Lisboa. É investigador do Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo (CEAU-FAUP). Foi colaborador da Porto 2001, Capital Europeia da Cultura.
Entre outras obras, é autor de Território Casa Comum (com Nuno Travasso, FAUP), A Rua da Estrada (Dafne), Vida no Campo (Dafne), Políticas Urbanas I e II (com Nuno Portas e João Cabral, Fundação Calouste Gulbenkian) e Cidade e Democracia (Argumentum). Publica regularmente (texto e fotografia) em jornais e revistas generalistas e especializadas e participa em conferências, exposições e eventos de divulgação científica e de performance artística, como as Quintas de Leitura.
Enquanto ensaísta, interessa-se sobretudo pela metamorfose recente da sociedade e do território portugueses, um mosaico instável de fusão/tensão entre contextos de pré e pós-modernidade, de localismo e conservadorismo, mas também de cosmopolitismo e globalização. A condição tripla de geógrafo, ensaísta e fotógrafo ajustam-se particularmente a este trabalho que procura organizar evidências e sinais dessas mudanças.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Hugo Chávez, o colapso da Venezuela
    Gosto de estar bem informado e não fazer juízos sem conhecimento de causa. O governo da Venezuela tem ...
  • 02.09.2019 14:09
  • Autobiografia
    "Autobiografia" , o novo romance de José Luís Peixoto, é o 3º livro que leio deste autor. Os anteriores ...
  • 18.08.2019 17:41
  • A Dama do Quimono Branco
    Com este volume, termina a saga do Samurai Negro, constituída por uma trilogia de romances históricos ...
  • 29.07.2019 17:54

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"O livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive."
Padre António Vieira